PM afasta policiais após casa de presidente do PT no interior de SP ser alvo de ataque

Suspeito que deixou local correndo entrou em carro da polícia após ação em Nuporanga

Ribeirão Preto

A Polícia Militar instaurou um inquérito policial militar e afastou policiais supostamente envolvidos no ataque a bomba na casa da professora Mariene Guioto, presidente do diretório municipal do PT de Nuporanga, cidade de 7.400 habitantes na região de Ribeirão Preto.

O ataque ocorreu no início da madrugada do último domingo (28) e a movimentação de um suposto envolvido foi registrada por câmeras de segurança existentes na vizinhança da casa da professora.

Pelas imagens, é possível ver uma pessoa correndo nas proximidades da casa de Mariene e, em seguida, entrar num carro da Polícia Militar, que acelera para deixar o local.

O inquérito da PM irá apurar a possível participação deles no atentado. No registro da ocorrência policial, a presidente do diretório relatou ter achado estilhaços após uma explosão, além de pólvora. Não houve feridos.

A ação foi condenada pela regional do PT e por políticos, que pediram investigação e punição aos envolvidos.

De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública, o caso foi registrado pela CPJ (Central de Polícia Judiciária) de São Joaquim da Barra e será investigado pela delegacia de Nuporanga.

“Assim que tomou conhecimento das imagens, a PM instaurou um inquérito policial militar para apurar os fatos e afastou os policiais envolvidos. A instituição não compactua com desvios de conduta e investiga rigorosamente todas as denúncias contra seus agentes”, diz trecho de nota da secretaria.

Conforme o estado, foram solicitados exames periciais, que serão anexados ao inquérito assim que forem concluídos.

A Folha não conseguiu ouvir a professora nesta terça-feira (30). Em uma rede social, ela postou duas mensagens sobre o caso desde domingo.

Na primeira, no dia do ocorrido, afirmou que luta por duas causas na sociedade --”melhorias para o professor e para a educação”-- e que está inconformada com a ação, mas não desamparada.

“Ninguém tem o direito de violar a lei quanto aos aspectos de segurança e proteção”, disse ela. Na segunda mensagem, agradeceu o apoio recebido de amigos e políticos.

A presidente do diretório do PT em Nuporanga, Mariene Guioto (à dir.), que teve a casa atacada, com a deputada Maria Izabel Azevedo Noronha, do mesmo partido - Reprodução/redes sociais

Já a coordenação da macrorregião do PT em Ribeirão Preto publicou nota em que repudiou o ato.

“Pelos ataques sofridos na madrugada de domingo, quando sua residência foi atingida por bombas e que conforme demonstra no vídeo gravado por câmeras de segurança, foram jogadas por pessoa que, mesmo encapuzada, foi flagrada entrando em uma viatura da Polícia Militar”, diz trecho do comunicado.

Ainda conforme o partido, não é possível compactuar com atos do tipo, “principalmente quando parte da própria Polícia Militar, que sabemos que tem bons policiais”.

“Temos acompanhado com muita apreensão os recentes acontecimentos nas grandes cidades, principalmente em São Paulo, cenas de violência, crimes e agressões, de policiais militares e milícias, também gravadas por câmeras de segurança.”

A regional do PT ainda pediu que o ocorrido em Nuporanga seja apurado de forma imparcial e que os responsáveis sejam punidos pela Corregedoria da Polícia Militar “e, se for o caso, no âmbito civil e criminal”.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.