Descrição de chapéu Rio de Janeiro datafolha

Datafolha: Paes é reprovado por 36% e vai pior do que em mandatos passados

Prefeito do Rio de Janeiro só tem avaliação melhor que Crivella e Cesar Maia após 1 ano e 3 meses de gestão

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), tem no momento a pior avaliação de seus três mandatos. Após um ano e três meses de gestão, ele só vai melhor do que seus antecessores Marcelo Crivella (Republicanos), em 2018, e Cesar Maia (hoje no PSDB), em 1994.

Segundo pesquisa divulgada neste domingo (10) pelo Datafolha, 21% dos cariocas acham sua administração ótima ou boa, 42% a veem como regular e 36% a consideram ruim ou péssima. Outros 2% não responderam.

Foto mostra o rosto do prefeito, que está com uma máscara preta
O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes - André Borges - 22.jul.21/AFP

Nas duas primeiras vezes em que assumiu o município (2009-2016), na esteira dos grandes eventos esportivos que inundaram a cidade com investimentos e obras, a parcela da população que o aprovava a essa altura era maior (35% e 37%, respectivamente) e que o reprovava, menor (21% e 27%).

O levantamento de agora considera uma amostra de 644 moradores do Rio acima de 16 anos, de todas as classes sociais e regiões, entrevistados entre a última terça (5) e quinta (7). A margem de erro é de até quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

Pode ter pesado nos resultados uma greve de garis por reajuste salarial que durou oito dias —com uma pausa quando fortes chuvas atingiram o estado— e deixou vários pontos de acúmulo de lixo nas ruas, principalmente nas zonas norte e oeste, até a última semana.

Paes também tem travado uma queda de braço com empresas de ônibus, setor que vive uma crise na cidade. Ele extinguiu o contrato do BRT (sistema de corredores rápidos) com a iniciativa privada, alegando descumprimento dos serviços, e retomou a operação por meio de uma empresa pública.

Desde então, vem passando por paralisações e manifestações pontuais que deixam as estações caóticas. Ele costuma dizer que está sendo alvo de uma suposta sabotagem por meio dessas companhias que dificultam a compra de ônibus e a contratação de funcionários, mas não cita nomes.

Esses fatores podem ajudar a explicar a pior avaliação do prefeito pelos mais pobres. Entre os que ganham até dois salários mínimos, 39% classificam sua gestão como ruim ou péssima. Essa faixa vai caindo conforme a renda avança, chegando a 23% entre os que ganham mais de dez salários.

Ele também é considerado menos eficiente por negros: cerca de 40% dos pretos e dos pardos o reprovam, enquanto entre brancos a marca é de 25%. Os homens o acham pior do que as mulheres, mas a diferença está dentro da margem de erro.

Paes ainda é mais rejeitado por quem pretende votar no governador Cláudio Castro (PL) ou em Anthony Garotinho (União Brasil) para o Palácio da Guanabara, e mais aprovado pelos eleitores do deputado federal Marcelo Freixo (PSB) e de Rodrigo Neves (PDT), o ex-prefeito de Niterói —Freixo e Castro estão à frente nas pesquisas.

Outras fatias que o avaliam mal são os desempregados (chega a 46% a parcela que o considera ruim ou péssimo entre eles), os autônomos e os assalariados sem registro (40% nesses dois grupos). Já empresários, funcionários públicos e estudantes têm uma visão mais favorável.

Em dezembro, o político reconheceu em entrevista à Folha que a conservação da cidade "ia muito mal" e disse que sua maior frustração era não ter conseguido avançar "do jeito que gostaria" nas áreas de saúde, transporte e emprego em seu primeiro ano como prefeito.

Ele justificou afirmando que o foco foi a gestão da pandemia de Covid-19 e o reequilíbrio das finanças do município, além de insistir que o legado que deixou nos outros dois mandatos foi destruído pelo antecessor Crivella, que acumula a maior rejeição dos últimos quase 30 anos no município.

Na ocasião, Paes prometeu aumentar os orçamentos da Saúde, melhorando a recuperação das unidades básicas e a recontratação de profissionais, e da Secretaria de Conservação, para intensificar a zeladoria. Os esforços, porém, ainda não parecem ter refletido na avaliação do carioca.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.