Em evento sobre solidariedade, especialistas apontam escolhas a serem tomadas na hora de doar

Convidados discutiram sobre o movimento de doações na pandemia em seminário #ComoPossoAjudar

São Paulo

Realizado nesta quarta (8) pela Folha em parceria com o Idis, o seminário online #ComoPossoAjudar reuniu especialistas e empreendedores sociais para debater o movimento de solidariedade e o número recorde de doações na pandemia da Covid-19.

Após a discussão na primeira mesa do webinário, sobre as motivações por trás das doações, os convidados da segunda mesa debateram a respeito dos caminhos e escolhas a serem tomados na hora de doar.

Os participantes dessa segunda parte do evento foram Luiza Trajano (presidente do conselho do Magazine Luiza e presidente do Grupo Mulheres do Brasil), Paula Fabiani (diretora-presidente do Idis) e Rodrigo Pipponzi (diretor-executivo da Editora Mol).

Paula Fabiani apresentou destaques da edição 2020 do relatório "Um Retrato da Doação no Brasil". A pesquisa mostrou o aumento na visão positiva dos brasileiros em relação às ONGs, o aumento no número de doadores, para onde são direcionadas as doações, entre outras questões relacionadas à solidariedade.

Ela também apontou a conscientização dos brasileiros sobre a importância de doar na pandemia. "O brasileiro acordou para isso e está percebendo a doação como essencial para a cidadania", afirma.

Para Luiza Trajano, a cultura de doar se tornou parte do caráter social brasileiro e foi intensificada pela pandemia, que escancarou a desigualdade social. Para ela, o espírito de solidariedade é crescente e deixa as pessoas mais felizes.

Seminário #ComoPossoAjudar realizado no auditório da Folha. A jornalista Eliane Trindade mediou o evento presencialmente no auditório, enquanto os convidados participaram por videoconferência. Na foto, os convidados Luiza Trajano (Magazine Luiza), Paula Fabiani (Idis) e Rodrigo Pipponzi (Editora Mol), respectivamente - Jardiel Carvalho/Folhapress

"O mais legal é que as pessoas estão administrando isso, estão gostando e se sentindo bem de fazer isso", diz a presidente do conselho do Magazine Luiza sobre o volume das doações na pandemia. A empresária acredita também que doar faz ainda melhor para quem doa do que para quem é beneficiado.

Luiza falou também sobre sua atuação na filantropia e no Grupo Mulheres do Brasil, grupo político apartidário que visa a criação de políticas públicas voltadas principalmente à população feminina.

Para ela, além de doar, comunidades e empresários devem se unir para que juntos possam "dar um salto grande" nas políticas públicas. "Precisamos estar unidos com propósito", afirma.

O empreendedor social Rodrigo Pipponzi usou como exemplo o trabalho da Editora Mol, cofundada por ele, para discutir a importância das doações e da prestação de contas das organizações.

"Doar tem que ser um ato didático e humano. Precisamos saber contar as histórias por trás das doações para que as pessoas possam entender o real significado delas", defende Pipponzi.

Sobre as doações no combate à pandemia, o empreendedor social acredita que a Covid-19 exacerbou o sentimento de responsabilidade da sociedade.

"Essa pandemia ensina a gente a olhar para dentro e ver as ferramentas e dificuldades que a gente tem. A gente não pode mais viver de uma maneira onde vemos problemas, desigualdades, e simplesmente ignoramos", diz.

"É como a Luiza [Trajano] falou: doar, fazer o bem, certamente faz ainda melhor para a gente mesmo", finaliza.

O seminário #ComoPossoAjudar tem como patrocinadores Intituto ACP, Instituto Mol e Movimento Bem Maior. E conta com apoio de Gife (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas) e Movimento pela Cultura de Doação.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.