Descrição de chapéu The New York Times

Sim, mulheres fazem cocô, e às vezes quando estão no trabalho

Vergonha de defecar, associada a noções de asseio e pureza, pode até causar doenças do trato intestinal

Jessica Bennett Amanda McCall
Nova York | The New York Times

Houve uma vez uma mulher que regularmente caminhava de seu escritório em Manhattan, Nova York, para um hotel do outro lado da rua para usar o banheiro do hotel. Essa mulher poderia ter sido qualquer uma de nós.

Aquela mulher tinha uma amiga no escritório que carregava na bolsa uma latinha de purificador de ar e uma caixa de fósforos, preferindo correr o risco de acionar o alarme de incêndio do escritório a deixar qualquer indício de odor em um banheiro público.

Aquela amiga tinha ainda outra amiga, que também trabalhava num escritório, que regularmente se obrigava a dar conta do recado em tão pouco tempo —correndo de sua mesa de trabalho para o banheiro e de volta, tentando não chamar a atenção de ninguém para o que ela pudesse ter feito ali— que ficou com hemorroidas.

Nas palavras de sua antiga colega, “ela fazia cocô com a velocidade do xixi”.

Mulheres fazendo cocô
Catarina Pignato

Pode ser que existam bolsões do mundo corporativo se apressando para se adaptar às necessidades das mulheres, oferecendo absorventes internos e salas de amamentação. Mas mesmo no local de trabalho mais progressista do mundo, não é improvável imaginar uma executiva comandando uma reunião em um momento e no instante seguinte indo para um banheiro em um andar diferente, tentando passar despercebida.

A vergonha de fazer cocô é uma realidade —e ela afeta de modo desproporcional as mulheres, que sofrem índices mais altos de síndrome do cólon irritável e doença inflamatória intestinal. Em outras palavras, o patriarcado se faz sentir até mesmo no trato intestinal das mulheres.

Mas meninas não nascem sentindo vergonha de defecar. Isso é algo que lhes é ensinado. No livro “Psychology in the Bathroom” (Psicologia no banheiro), o psicólogo Nicholas Haslam escreve que meninas aprendem a soltar puns em silêncio, enquanto os meninos o fazem ruidosamente e acham hilário. 

Segundo um estudo intitulado “Fecal Matters” que foi publicado no periódico “Social Problems”, os homens adultos heterossexuais têm tendência muito maior a fazer humor escatológico do que as mulheres heterossexuais e tendência muito maior a relatar que soltam puns. Os homens gays soltam puns intencionalmente com menos frequência que as mulheres heterossexuais, e as mulheres lésbicas estão em algum ponto no meio desses extremos.

Mas enquanto meninos e homens têm probabilidade maior de desenvolver parurese, o termo médico reconhecido para designar a bexiga tímida —que, segundo alguns, se deve em parte à pressão de ficar ao lado de outros homens em urinóis abertos—, são as mulheres que tendem mais a apresentar parcoprese (intestino tímido).

“O gênero está presente nos banheiros de formas fascinantes”, diz Haslam, professor de psicologia na Universidade de Melbourne. “Por um lado, há a associação feita entre as mulheres e a pureza. Por outro, o padrão duplo aplicado à higiene e civilidade, com uma expectativa desproporcional de que as mulheres sejam asseadas, sem odor e arrumadas.”

Ou, nas palavras de uma mulher entrevistada no estudo “Fecal Matters”, “a expectativa é que as mulheres não façam cocô”.

Parece que ao longo da história as mulheres têm se conformado com essa expectativa, lançando mão da criatividade para evitar que o assunto seja mencionado, que sua existência seja reconhecida, que elas sofram interferência ou, o pior que poderia ocorrer, que fique algum mau cheiro.

São vários os malabarismos para camuflar o que se faz no banheiro. Há sprays para espirrar no vaso sanitário antes do nº2 e bloquear os odores.

Há o chamado confronto escatológico, em que duas ou mais mulheres ficam sentadas em silêncio em cubículos um ao lado do outro, cada uma esperando que a outra desista e volte à sua mesa de trabalho, apenas para reiniciar o mesmo enfrentamento mais tarde.

E há ainda o falso cocô, em que você entra no toalete, se depara com uma colega que você conhece e imediatamente vai ao espelho para checar como está seu cabelo. Porque você prefere ser vista como superficial do que como alguém que evacua, é claro.

Ou talvez você simplesmente segure a vontade. Segundo uma pesquisa conduzida com mil mulheres canadenses, 71% disseram que “fazem grande esforço para evitar evacuar, especialmente em um banheiro público”. Alguém se surpreende ao ouvir que as mulheres têm prisão de ventre mais frequentemente que os homens?

Não é de hoje que os historiadores notam que as instalações públicas foram criadas para homens —e construídos por eles—, e os banheiros não constituem exceção. 

No Congresso americano, foi apenas em 2011 que as mulheres passaram a contar com banheiros femininos no andar da Câmara dos Deputados. Já as senadoras ganharam banheiros femininos em 1993.

Antes de ganharem o banheiro feminino, aquelas deputadas eram obrigadas a sair do recinto da Câmara e disputar espaço com turistas em outro andar, numa cena que nos fez pensar em “Estrelas Além do Tempo”, o filme sobre as primeiras cientistas mulheres e negras da Nasa, que eram obrigadas a caminhar 800 metros para chegar ao banheiro mais próximo com acesso permitido a mulheres negras.

E há ainda os fatores biológicos que entram na equação.

Segundo a obra da gastroenterologista integrativa Robynne Chutkan, autora de “Gutbliss”, a ansiedade feminina em torno da evacuação pode não ser apenas cultural nem sequer psicológica. Pode ter origem física, já que realmente existem diferenças profundas entre o trato digestivo feminino e o masculino, a começar pelo comprimento do cólon, que é mais longo nas mulheres (Chutkan o descreve como a “Vênus voluptuosa”).

“Esse comprimento adicional do cólon cria essa redundância, esses desvios e voltas adicionais”, disse a autora. “Pense no cólon masculino como uma ferradura suave e no cólon feminino como uma espécie de mola helicoidal retorcida.”

Segundo gastroenterologistas, pelo menos, a posição ideal para a evacuação confortável se parece muito com ficar de cócoras, com os joelhos formando um ângulo de 90 graus com a cintura, e não a posição sentada. Isso significa que talvez todos nós devêssemos investir num “banquinho de banheiro” no qual apoiar nossos pés –especialmente quem tem uma “mola helicoidal retorcida” como cólon e, quando está no banheiro do escritório, tem que se sentar num assento de privada construído para a altura dos homens.

Ou, melhor ideia ainda: poderíamos investir em educar as meninas a aceitar seu corpo como ele é, incluindo os sons e cheiros que o acompanham. Porque, francamente, as mulheres já têm que lidar com merda suficiente todos os dias.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.