Nem abracei minha irmã, diz brasileira que vive na China e voltou a SP

Executiva diz que 'quase enlouqueceu' com isolamento por epidemia de coronavírus

São Paulo

Gerente da sucursal em Xangai de uma empresa de comércio exterior, Thaís Moretz, 38, costuma vir para o Brasil no máximo duas vezes ao ano. Como já havia visitado a família no Natal, não esperava voltar tão cedo. Mas a epidemia de coronavírus a obrigou a mudar de planos, e ela acaba de chegar a São Paulo, onde ficará por um tempo. 

Foram três semanas de incerteza antes de tomar a decisão. Na primeira, ela diz que “quase enlouqueceu” ao ter que ficar isolada em casa, como os demais moradores desta e de outras cidades chinesas. Com passagens compradas para passar o feriado do Ano-Novo local em Bali, embarcou para a Indonésia com a intenção de ficar uma semana. 

A brasileira Thaís Moretz em um ônibus de Xangai; população está usando máscaras ao sair nas ruas das  cidades da China
A brasileira Thaís Moretz em um ônibus de Xangai; população está usando máscaras ao sair nas ruas das cidades da China - Arquivo pessoal

Mas o país cancelou seu voo de volta e todos os demais que faziam ligação com a China. Sem saber se tentava outra rota para retornar a Xangai, se ficava em Bali por mais tempo ou se voltava para o Brasil temporariamente, acabou optando, junto com a empresa, pela última opção. 

Agora, está hospedada na casa da irmã enquanto decide onde vai ficar nesse período —que não sabe quanto tempo vai durar. “Cheguei e já falei para ela: ‘não me abraça’. Estou em um quarto e um banheiro separados, uso álcool gel, lavo as mãos constantemente. Não tive nenhum sintoma, nenhuma tosse, nenhum espirro. E já fiz minha quarentena na Indonésia. Mas prefiro tomar precauções.” 

Seus pais, que vivem no interior do estado, quiseram dar um tempo antes de visitá-la. “Eles ficaram com medo, minha mãe teve câncer… Melhor esperar um pouco mais”, afirma ela. “Agora vou sentir como será a reação das pessoas daqui. Se eu falar que moro na China e vim de lá, imagino que vão me tratar meio mal.” 

Até agora, Xangai teve 299 casos confirmados e uma morte pelo coronavírus até a segunda-feira (10). A cidade fica a mais de 800 quilômetros de Wuhan, epicentro da epidemia que registrou a maioria dos casos e das mortes pela doença —no total, são mais de 900 vítimas. 

Thaís continua recebendo avisos de comércios de Xangai que foram obrigados a fechar as portas e agora adiam repetidamente a reabertura diante da incerteza em relação à epidemia. “Disseram que abririam dia 3, depois adiaram pro dia 10, agora estão dizendo que só no dia 17 ou até no dia 29”, diz. “Meu condomínio impôs restrições à entrada de estranhos, a academia que eu frequento fechou, o delivery de alimentos foi proibido. Na China o pessoal vive de delivery, tudo isso está tendo muito impacto.”

No período em que a brasileira ficou isolada em casa, apenas lojas menores, como as de conveniência, abriram. “Quase enlouqueci. Sou uma pessoa agitada, faço mil coisas, minha rotina começa cedo e termina tarde. As máscaras acabaram, não tinha absolutamente ninguém na rua”, lembra.

Durante a estadia na Indonésia, ela ficou acompanhando a situação a distância. O voo de volta, previsto para o dia 3, foi postergado para o dia 9. Depois, cancelado sem previsão de remarcação. 

“Acaba que você nem aproveita a viagem. Fui vendo os casos de coronavírus aumentarem, fiquei preocupada com meus colegas de trabalho, com meus amigos que ficaram na China, sem saber o que faria profissionalmente. No fim, meu chefe me autorizou a trabalhar do Brasil por um tempo.”

Mas não está fácil para quem trabalha com comércio exterior retomar as atividades, já que as fábricas chinesas estão paradas e os contêineres, retidos nos portos. 

No voo de volta, Thaís era uma das poucas a usar máscara, conta. Segundo ela, seus amigos estrangeiros que vivem em Xangai estão todos voltando para seus países. “Foi um dos fatores que contribuíram para eu tomar a decisão de retornar também. Quando todo mundo se movimenta em uma direção, você não quer tomar a direção oposta.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.