Médico da Unifesp produz vídeo com fake news sobre coronavírus

Mensagem de Beny Schmidt com informações erradas está sendo compartilhada nas redes sociais

São Paulo

Um vídeo produzido por um médico com informações erradas sobre o coronavírus tem se espalhado pela internet. O professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) Beny Schmidt afirma que o novo coronavírus não oferece tanto perigo, o que contraria a declaração de pandemia feira pela OMS (Organização Mundial da Saúde). “Esse vírus está muito longe de ser letal”, disse incorretamente.

O discurso do profissional vai de encontro às informações de órgãos responsáveis e de especialistas. Ao todo, 175 mil pessoas já foram infectadas no mundo, sendo que cerca 7.000 já morreram em decorrência dela, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

De acordo com a instituição, a letalidade é de 3,8%, até esta segunda-feira (16) —mas essa taxa é provavelmente menor, já que estão fora da conta os casos assintomáticos e casos leves não diagnosticados (e confundidos com uma gripe comum, por exemplo).

Funcionários de hospital em Brescia, na região da Lombardia, na Itália, local mais atingido pelo coronavírus no país.
Funcionários de hospital em Brescia, na região da Lombardia, na Itália, local mais atingido pelo coronavírus no país. - Foto: Miguel Medina/AFP

No Brasil, o Ministério da Saúde contabiliza 234 casos até a tarde desta segunda. A Folha ouviu epidemiologistas que defendem medidas do governo para impedir ou limitar em grande escala aglomerações e movimentações de pessoas, seguindo modelos de países asiáticos, Itália e Espanha para tentar controlar a Covid-19.

Nesta segunda, a União Europeia decidiu proibir a entrada de todos os estrangeiros por ao menos 30 dias. Países como Alemanha, Itália, Espanha e Portugal já haviam fechado suas fronteiras.

Na América do Sul, Argentina e Chile tomaram a mesma decisão e só nativos ou residentes vão poder entrar em cada um dos países.

Mas, para Beny Schmidt, a reação mundial frente ao Sars-Cov-2 é desproporcional. “Parece que o mundo inteiro parou por um vírus que nem gripe é capaz de produzir”, afirma, de forma incorreta.

“Cientificamente, como patologista da Escola Paulista de Medicina há 45 anos que exerço a profissão, tenho a dizer que o vírus não é patogênico, não é capaz de causar nem mesmo uma gripe que a gente conhece”, afirma no vídeo com fake news.

“As pessoas morreram de outras comorbidades. A gente morre, todo mundo vai morrer, A gente morre de hipertensão, de diabetes, de câncer, mas de coronavírus a gente não morre, porque Deus não quis, porque esse vírus não é letal”, defende, incorretamente.

O canal de Beny Schmidt tem quase 7.000 inscritos. Na descrição, está indicada a especialidade do profissional: neurologista e patologista muscular, chefe do laboratório de patologia neuromuscular e professor-adjunto de patologia cirúrgica da Unifesp.

Schmidt lembra dos casos de zika vírus, que alarmaram o país, e sugere que não teria relação com microcefalia —o que já foi comprovado que há. “Você tem ouvido falar de zika vírus ou de microcefalia?”, questiona. “Vou dar três meses no máximo e ninguém vai estar falando de coronavírus em qualquer lugar no mundo, nem mesmo na China.”

Ele ainda cita uma teoria sem comprovação alguma de que tudo seria uma grande armação. “E todo mundo vai perceber que tudo isso foi uma armação, talvez dos próprios chineses. Não conheço a China, mas alguma coisa aconteceu para os chineses ficarem tão alardeados que o governo se envolveu de uma maneira que eu não tenho a menor ideia de qual foi”, divaga.

“Não precisa de alarde, de tanto tumulto, por causa de um vírus que praticamente não faz mal a ninguém", afirma.

Procurado, Beny Schmidt disse que não publicou nenhuma mentira sobre o tema. "O fato é que o vírus não é mesmo capaz de matar sem que o paciente contaminado tenha outra doença conjunta, como pressão alta descontrolada, diabetes descompensada, insuficiência cardíaca, renal, doenças que comprometem o funcionamento do sistema imunológico e, eventualmente, fumantes, por conta do histórico pulmonar", disse o médico em nota.

A universidade se limitou a divulgar uma nota genérica. “A Unifesp orienta toda a sua comunidade a acessar os canais oficiais da universidade como o portal e redes sociais oficiais, portal do Hospital São Paulo e o portal específico sobre o coronavírus do Ministério da Saúde para obter informações sobre como evitar contágios, mas também evitar alarmismos e combater notícias falsas.”

O vídeo com informações erradas foi usado nas redes sociais por manifestantes favoráveis aos atos de domingo, como prova de que não haveria com o que se preocupar ao sair às ruas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.