Descrição de chapéu Coronavírus

Demanda cresce em meio a coronavírus, mas planos de saúde esperam retração

Com isolamento e quarentena, operadoras recorrem à telemedicina

São Paulo

A pandemia de coronavírus tem exigido que as pessoas fiquem em casa, mas também as tem feito buscar mais informações sobre a doença e reorganizar a agenda de exames.

Representantes do setor dos planos de saúde ouvidos pela Folha relatam, alguns sob condição de anonimato, uma crescente demanda por serviços, que se manifesta de diferentes formas.

Por outro lado, revelam a expectativa de que aconteça, a partir de abril, uma retração do mercado devido à desaceleração da economia.

A Prevent Senior, por exemplo, seguradora que foca o atendimento a idosos (principal grupo de risco para coronavírus), observou um crescimento na sua carteira de beneficiários.

Foram mais de 13.939 novos contratos firmados pela empresa desde o início do ano: 3.700 em janeiro, um salto para mais de 5.000 em fevereiro e o mesmo patamar mantido em março.

Já a corretora Brazil Health observou aumento no número de beneficiários em todos as categorias de planos, de janeiro a março deste ano.

Os dois que mais cresceram foram o individual, com 76%, e o familiar, 72%. Logo atrás vem o tipo de adesão coletiva, aquele feito por meio de representantes de profissões, como sindicatos (61%), seguido do empresarial (57%).

O plano PME, de pequenas e médias empresas —primeiro setor a sentir os impactos da pandemia na economia—, foi o que menos cresceu, 14%.

“Um viés de atenção é o segmento empresarial acima de cem vidas e PMEs, que em abril vem apresentando muita demanda de exclusão e prorrogação de [vencimento de] faturas. Há também cenário de preocupação quanto à inflação médica deste ano. Teremos que ter sabedoria e também empatia”, diz o diretor da Brazil, Marcelo Reina.

Empresas de atuação regional também têm percebido a mudança. A Promédica, de Salvador (Bahia), passou a vender planos de saúde individuais em outubro do ano passado.

Terminou 2019 com pouco mais de 10 mil vidas em sua carteira. Em janeiro de 2020 somou mais 679, em fevereiro, mais 873 e em março, mês que registrou a primeira morte pela Covid-19 no Brasil, 1.322. É um crescimento total, subtraído os pouco mais de 300 contratos desfeitos no período, de 27%.

Já a Care Plus afirmou que os pedidos de cotações de novos contratos subiram 172% em março deste ano em comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Ambulância estacionada na entrada de emergência do hospital Santa Marcelina, em São Paulo
Ambulância estacionada na entrada de emergência do hospital Santa Marcelina, em São Paulo - Ronny Santos - 19.abr.2019/Folhapress

A pandemia tem também tido grande impacto sobre a economia brasileira. Fontes ouvidas pela reportagem afirmam que ainda é cedo para aferir números, mas que a tendência é que o segmento entre em retração e que esta se agrave nos próximos dois ou três meses.

Cresceram, por exemplo, relatos de pessoas ou empresas que tentam renegociar seus contratos, postergar vencimentos ou cancelar os planos, como maneira de enxugar gastos.

Diante deste cenário, a Abramge (Associação Brasileira de Planos de Saúde) e a FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Complementar) recomendaram a suspensão de reajuste nos valores dos planos de saúde por 90 dias.

Juntas, as duas instituições reúnem cerca de 26 milhões de brasileiros em suas seguradoras associadas. Normalmente os reajustes são feitos a cada 12 meses. A indicação vale a partir de 1º de maio.

Já a ANS (Agência Nacional de Saúde Complementar), órgão que regula os planos de saúde no país, liberou às seguradoras um fundo de R$ 15 bilhões, com a contrapartida de que elas cumpram exigências como não suspender contratos e atender segurados que estejam inadimplentes em meio à pandemia.

A necessidade ficar em casa faz pacientes desmarcarem consultas médicas previstas. Roberta, 23, por exemplo, precisou cancelar exames de tireoide e papanicolau.

Vinícius, 3, precisou parar de ir à psicóloga após seu plano de saúde negar a cobertura do atendimento virtual, conforme mostrou reportagem da Folha. As empresas responderam que estão se adaptando às necessidades de segurança.

O aumento na demanda, com a peculiaridade das medidas de quarentena, tem feito as seguradoras responderem tentando diversificar a oferta de serviços. Até agora, a telemedicina tem sido o principal meio de atender os beneficiários.

“A procura mudou de característica. As pessoas não estão saindo de casa, e tem o receio de você frequentar o espaço médico, onde se entende que se corre um risco. Neste aspecto houve uma diminuição do comparecimento das pessoas aos pronto-socorros. Por outro lado, houve aumento na procura com sintomas com doenças respiratórias. Um não compensa o outro ainda”, analisa Daniel Coudry, CEO da Amil.

A empresa abriu nesta quinta (16) sua modalidade de telemedicina, antes restrita aos planos mais caros da seguradora, a todos os beneficiários. A estrutura terá 360 funcionários, funcionará 24h e terá capacidade para receber 6.000 ligações por dia.

O projeto de ampliação da telemedicina foi antecipado pelo coronavírus, mas Coudry defende que, após a pandemia, ele deve seguir ativo e funcionando também para consultas eletivas.

“O cliente faz a consulta com o médico de emergência, se detecta que ele precisa de segmento mais rotineiro, e aí ele pode fazer agendamento com cardiologista, neuro, ortopedista ou outros”, finaliza.

A solução, autorizada pelo Ministério da Saúde, em meados de março, tem sido usada por outras empresas. O órgão também obrigou os planos a cobrir exames para coronavírus.

A rede Sul-América registrou em março um número de atendimentos pelo canal Médico na Tela 15 vezes superior ao de janeiro e fevereiro. A empresa afirmou que 89% dos chamados de orientação não precisaram se dirigir a um hospital físico

A Care Plus disse que as ligações para seu serviço de atendimento telefônico passaram de uma média de cem por mês para cem por dia. A seguradora defende que 70% das consultas em pronto-socorro poderiam ser resolvidas por este meio.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.