Descrição de chapéu Coronavírus

Órgão de saúde dos EUA recua enquanto hospitais seguem usando cloroquina

Regras oficiais ainda são nebulosas no país e médicos falam em prescrição 'caso a caso'

Washington

O Centro de Prevenção e Controle de Doença dos EUA (CDC, na sigla em inglês) retirou de seu site as orientações para médicos sobre o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina em pacientes com a Covid-19, mas hospitais americanos seguem utilizando a substância em meio ao avanço da pandemia no país.

Mesmo com a pressão do presidente Donald Trump, que defende a prescrição do medicamento em casos de infecções pelo novo coronavírus, o CDC alterou sua página oficial e deixou ainda mais nebulosas as orientações oficiais sobre o uso do medicamento.

Antes, a sessão do site intitulada "Informações para clínicos sobre opções terapêuticas para pacientes com Covid-19" dizia que, "embora a dosagem e duração da hidroxicloroquina no tratamento para a Covid-19 sejam desconhecidas, alguns clínicos dos EUA têm reportado" formas para prescrever o remédio.

A pesquisadora Kylene Karnuth trabalha com amostras de coronavírus em teste com hidroxicloriquina na Universidade de Minnesota, em Minneapolis, nos EUA
A pesquisadora Kylene Karnuth trabalha com amostras de coronavírus em teste com hidroxicloriquina na Universidade de Minnesota, em Minneapolis, nos EUA - Craig Lassig - 19.mar.2020/Reuters

Agora, a informação é de que "a hidroxicloroquina e a cloroquina estão sob investigação em ensaios clínicos para profilaxia pré-exposição ou pós-exposição da infecção por SARS-CoV-2 e tratamento de pacientes com Covid-19 leve, moderado e grave". E acrescenta: "não há medicamentos ou outros terapêuticos aprovados pela FDA (agência reguladora de alimentos e medicamentos nos EUA) para prevenir ou tratar a Covid-19."

No mês passado, a FDA emitiu uma solicitação de emergência permitindo que os médicos administrassem a substância a pacientes com coronavírus, se assim o desejassem, mas não especificou casos, como fez o Brasil.

Nesta terça-feira (7), o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, disse que sua pasta recomenda o uso do medicamento a pacientes internados em estado grave, mas que não vai mudar o protocolo enquanto não houver evidências científicas robustas sobre sua segurança e eficácia em casos ligados ao coronavírus.

Assim como Trump, o presidente Jair Bolsonaro é fervoroso defensor do medicamento em casos de Covid-19.

A cloroquina —ou sua variante, hidroxicloroquina— apresentou resultados promissores em dois estudos muito preliminares contra o coronavírus, mas ainda não há provas de sua eficácia e outros estudos mais recentes mostraram que o remédio não muda a taxa de mortes pela pandemia, por exemplo.

Mas nada disso parou hospitais americanos que fazem uso da substância na tentativa de tratar os sintomas da crise que já infectou cerca de 423 mil pessoas e matou mais de 14,3 mil no país.

Os médicos adeptos ao remédio usado contra a malária, lúpus e artrite reumatoide afirmam que, mesmo que não haja prova científica de que a substância pode curar ou prevenir a Covid-19, ela pode tratar os sintomas e tem sido usada caso a caso, com o aval do paciente nos EUA.

"Vários de nós estamos usando", afirmou à CNN Adam Jarrett, chefe do departamento médico do Holy Name Medical Center, em Nova Jersey. Com 47,4 mil casos, o estado é o segundo mais atingido pela pandemia nos EUA, atrás somente de Nova York.

Jarrett diz estar ciente de que não há provas sobre a eficácia da substância mas que seu uso deve ser feito "no paciente certo, na hora certa."

Em situação crítica sob a pandemia, Nova York tem assistido ao uso do medicamento ainda mais abrangente, em diversos de seus hospitais.

Nesta quarta-feira (8), eram 149 mil casos confirmados e mais de 6,2 mil mortes no estado.

A administradora dos hospitais públicos da cidade de Nova York, New York City’s Health and Hospitals Corporation, por exemplo, está aconselhando, mas não exigindo, que médicos usem o medicamento.

A instituição afirma se basear em estudo que mostra diminuição da tosse e da febre, com efeitos colaterais leves, em alguns poucos pacientes.

Médicos da Northwell Health e Mount Sinai Health System, também no estado, seguem com o medicamento.

Dizem que avisam aos infectados sobre prós e contras da prescrição e ressaltam a eles que não há nenhuma certeza sobre o remédio funcionar ou não.

Os hospitais relataram resultados variados nos últimos dias. Mesmo quando os pacientes com Covid-19 se recuperam, é difícil saber se eles teriam feito isso sem a medicação.

As vozes contrárias aparecem também preocupadas com efeitos colaterais de quem tem tomado o remédio inclusive para tentar prevenir a doença.

"As pessoas que estão tomando doses de hidroxicloroquina, na esperança de prevenir a infecção, estão se arriscando a sofrer danos cardiovasculares e oculares e outros efeitos colaterais graves em troca de nenhum benefício conhecido", afirmou Jeremy Faust, da escola de medicina da Universidade Harvard.

Para os que estão do outro lado do tabuleiro, a cloroquina pode não prevenir nem curar a doença, mas sim tratar os sintomas e, nesse caso, o benefício mais provável viria da capacidade de conter a inflamação.

Dessa forma, ao agir sobre o pulmão, por exemplo, esse medicamento, se funcionar, poderia ajudar para que menos pessoas precisem de respiradores, um dos principais gargalos dos hospitais dos EUA e do mundo.

Mesmo assim, ressaltam os especialistas, não há consenso.

Primeiro paciente confirmado em Washington, Timothy Cole, afirmou à Folha que o medicamento anti-malária e outros anti-inflamatórios foram usados nos primeiros dias de sua internação, que durou três semanas na UTI de um hospital da capital americana.

"Por duas ou três vezes eles [os médicos] disseram para a minha família que eu teria alta, mas eu piorava, e ia ficando", declarou Cole.

Especialistas da força-tarefa da Casa Branca têm sido cautelosos e contrários à autorização da venda em larga escala do remédio. Trump defende o uso da substância mas, como em outros casos, costuma navegar num discurso dúbio, em que mistura retórica aos apoiadores com medidas de governo.

Quando questionado sobre sua insistência em defender o uso do remédio mesmo a ausência de provas científicas, o presidente tem dito: "não sou médico, mas tenho bom senso."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.