Neymar manca, Brasil tropeça e tem pior estreia em Mundiais em 40 anos

Seleção empatou com a Suíça por 1 a 1, em Rostov, na estreia do Mundial

Rostov

A seleção que chegou ao Mundial da Rússia com uma campanha arrasadora derrapou ao estrear no torneio. Nervosos e errando nas finalizações, os brasileiros apenas empataram com a Suíça, por 1 a 1, neste domingo (17), em Rostov.

Desde o Mundial da Espanha, em 1982, o time nacional sempre venceu na abertura da Copa do Mundo. O último tropeço foi em 1978, quando também empatou por 1 a 1, na ocasião com a Suécia. 

O resultado deste domingo deixou a equipe de Tite no segundo lugar do Grupo E, empatada com os suíços. A Sérvia lidera após vencer a Costa Rica, por 1 a 0.

Na sexta-feira (22), o Brasil enfrenta os costa-riquenhos, em São Petersburgo. O time precisa de uma vitória para ficar numa posição mais tranquila no torneio. O último jogo da primeira fase é contra a Sérvia, no dia 27, uma terça-feira, em Moscou. 

Um empate na estreia não aconteceu nas cinco campanhas vitoriosas da seleção (Suécia-1958, Chile-1962, México-1970, EUA-1994 e Japão/Coreia-2002).

Brasil empatou na estreia na Copa do Mundo da Rússia
Brasil empatou na estreia na Copa do Mundo da Rússia - Jason Cairnduff/Reuters

Após o empate, os brasileiros reclamaram da arbitragem no lance do gol da Suíça, marcado por Zuber, aos 5 min do segundo tempo.

Tite, porém, admitiu que seu time sofreu em campo contra os suíços. 

“Até o gol, o volume foi forte. E depois retraímos demais, que não é o nosso normal. No intervalo, corrigimos alguns posicionamentos, tentamos ter uma saída mais adiantada. Mas, durante o jogo, a Suíça conseguiu ser melhor a partir do gol de empate”, afirmou o treinador. 

Foi o quarto empate da equipe com Tite no comando. Até agora, o treinador soma 17 vitórias e apenas uma derrota. O time fez a melhor campanha no período anterior à Copa desde o Brasil comandado por Zagallo em 1970.

Em Rostov, o atacante Neymar não encontrou espaços para jogar e foi o principal alvo dos adversários. Ninguém sofreu tantas faltas como ele em uma partida de Mundial desde 1998. Foram dez no total.

O jogador do Paris Saint-Germain foi submetido a uma cirurgia no pé direito, em março, após quebrar o quinto metatarso num clássico contra o Olympique de Marseille pelo Campeonato Francês.

Após o jogo deste domingo, o atacante disse que sentiu dores no pé operado. Durante o jogo, mancou em alguns lances. Mesmo assim, jogou até o final. 

O médico da seleção brasileira Rodrigo Lasmar afirmou que a situação do camisa 10 da equipe de Tite não preocupa.

 O empate em Rostov pressiona a seleção, que não vence em Copas do Mundo desde as quartas de final de 2014, quando ganhou dos colombianos, por 2 a 1.

A partir daí, o time foi goleado pela Alemanha, por 7 a 1, em Belo Horizonte, e perdeu para os holandeses, por 3 a 0, na disputa do terceiro lugar, antes do empate na abertura da Copa da Rússia.

O único gol da seleção foi marcado pelo meia Philippe Coutinho. Ele colocou a seleção em vantagem com um chute de fora da área, aos 20 min do primeiro tempo. 

No segundo tempo, o Brasil cedeu o empate. Antes de cabecear a bola no gol, Zuber empurra o zagueiro Miranda. O árbitro mexicano Cesar Ramos não viu falta no lance.

“Olhei o gol [no vestiário] e achei normal. Num escanteio, você tenta criar espaços. Acho que a defesa não estava bem posicionada. Não foi uma falta”, afirmou o técnico Vladimir Petkovic, da Suíça.

A defesa brasileira não era vazada havia cinco jogos. Desde o início da era Tite, a seleção brasileira só levou seis gols em 22 confrontos.

Durante o jogo, o técnico tentou mudar o time. Fez as três substituições possíveis, mas as mudanças não deram resultados.

Tirou Casemiro, que já havia recebido um cartão amarelo, e colocou Fernandinho.

Em seguida, aos 21 minutos, sacou Paulinho e lançou Renato Augusto.

O Brasil pressionava, mas não conseguia o gol. Tite ainda trocou o ataque. Colocou Roberto Firmino no lugar de Gabriel Jesus.

No final, a equipe desperdiçou três oportunidades de vencer. O clima de oportunidade perdida pelos brasileiros foi visto ao final do jogo. De uma lado, os jogadores da seleção sérios e frustrados, enquanto suíços comemoraram o apito final em Rostov.

“A gente sabia que seria difícil. Jogamos contra uma grande seleção. Infelizmente não saímos com o resultado que queríamos, mas temos mais dois jogos”, afirmou Philippe Coutinho.

A estreia do Brasil foi assistida pelo presidente da CBF, coronel Nunes, e por Rogério Caboclo, eleito próximo comandante da entidade, no camarote principal do estádio. Eles estavam ao lado do presidente da Fifa, Gianni Infantino.

ESTREIAS DO BRASIL EM COPAS

2018: Brasil 1x1 Suíça
2014: Brasil 3x1 Croácia
2010: Brasil 2x1 Coreia do Norte
2006: Brasil 1x0 Croácia
2002: Brasil 2x1 Turquia
1998: Brasil 2x1 Escócia
1994: Brasil 2x0 Rússia
1990: Brasil 2x1 Suécia
1986: Espanha 0x1 Brasil
1982: Brasil 2x1 União Soviética
1978: Suécia 1x1 Brasil
1974: Brasil 0x0 Iugoslávia
1970: Brasil 4x1 Tchecoslováquia
1966: Brasil 2x0 Bulgária
1962: Brasil 2x0 México
1958: Brasil 3x0 Áustria
1954: Brasil 5x0 México
1950: Brasil 4x0 México
1938: Brasil 6x5 Polônia
1934: Espanha 3x1 Brasil
1930: Iugoslávia 2x1 Brasil

Camila Mattoso , Diego Garcia , Luiz Cosenzo e Sérgio Rangel

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.