Felipão reencontra Corinthians, rival de jogos marcantes e polêmicas

Palmeiras recebe alvinegro neste domingo pelo Campeonato Brasileiro

Scolari orienta a equipe do Palmeiras durante jogo pelo Brasileiro - Cesar Greco/ Ag. Palmeiras / Divulgação
Alex Sabino Luiz Cosenzo
São Paulo

Com vitórias que ficaram marcadas na história e também polêmicas que ainda são lembradas, o treinador Luiz Felipe Scolari, 69, volta a encontrar o Corinthians no comando do Palmeiras.

Os dois times se enfrentam neste domingo (9), às 16h, no Allianz Parque, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. O jogo marca a estreia do técnico Jair Ventura, 39, no comando do time alvinegro.

Contratado em julho, Felipão enfrentará pela primeira vez nesta sua terceira passagem pelo Palmeiras o adversário com quem protagonizou grandes duelos e polêmicas.

No final do século passado, os dois clubes fizeram jogos que ficaram marcados na memória dos torcedores pelo futebol e até pela pancadaria dentro de campo, além das declarações apimentadas.
Com Scolari no banco de reservas, a equipe alviverde superou o rival nas quartas e na semifinal da Libertadores de 1999 e 2000, respectivamente.

Em 1999, o Corinthians amenizou um pouco a eliminação ao vencer a final do Paulista sobre o seu maior rival. 

Com os palmeirenses em festa pelo título conquistado sobre o Deportivo Cali (COL) três dias antes do segundo jogo e muita troca de farpas entre os jogadores, o Corinthians sagrou-se campeão do Estadual com o empate por 2 a 2, na segunda partida —venceu o primeiro jogo por 3 a 0. A partida decisiva foi encerrada antes dos 45 minutos após uma briga generalizada, iniciada após embaixadinhas do atacante corintiano Edílson.

No ano seguinte, Felipão tentou mexer com o brio de seus jogadores após a derrota no primeiro duelo da semifinal da Libertadores por 4 a 3. O alvo foi Edílson, pivô da confusão da temporada anterior.

“Onde é que está a malandragem de vocês? Não aprenderam nada na vida? Tu sabes que ele é malandro, esperto e tal, mas é covarde, cafajeste. Eu tenho um time já rodado, experiente, mas que na hora do bem bom não sabe dar um pontapé, não sabe dar cascudo ou irritar o cara”, disse o treinador palmeirense.

Marcos defende cobrança de pênalti de Marcelinho em 2000

No jogo de volta, o Palmeiras venceu o rival por 3 a 2, levou a decisão para os pênaltis e se classificou após Marcos defender o pênalti de Marcelinho

Demorou, mas Felipão voltou a irritar os corintianos.

Dez anos depois, pelo Brasileiro de 2010, escalou um time misto contra o Fluminense, pela penúltima rodada. Isso prejudicou o Corinthians, que estava na briga pelo título. Com a vitória por 2 a 1, os cariocas continuaram na liderança e conquistaram o troféu na rodada seguinte. Já o Corinthians terminou na terceira colocação e foi obrigado a disputar a primeira fase da Libertadores de 2011, quando foi eliminado pelo Tolima.

A decisão de escalar um time misto fez a amizade entre Felipão e Tite, que era treinador do Corinthians, azedar. 

“O Felipe Scolari entregou o jogo contra o Fluminense. É uma boa pessoa, mas é um profissional que se transforma. O Felipe é malandragem, é ganhar de qualquer jeito. É um cara de família e eu admiro ele por isso. Mas entra em campo e esquece da vida. Ali acabou a relação”, disse Miro, irmão do técnico da seleção.

Seis meses depois, Tite bateu boca com Felipão durante um duelo entre Corinthians e Palmeiras, pela semi do Paulista. “Fala, muito! Fala, muito”, dizia Tite, fazendo gestos de palavras com as mãos. 

Felipão (esq.) e Tite batem boca durante jogo do Campeonato Paulista-2011 - Ricardo Nogueira/Folhapress

No total, Felipão disputou 29 jogos contra o Corinthians. Ele tem dez vitórias, dez derrotas e nove empates.

Agora, o palmeirense vê seu time por cima novamente. Ele defende uma invencibilidade de oito jogos e está próximo dos líderes. No mesmo período, o Corinthians venceu apenas um e está mais perto da zona de rebaixamento do que da vaga para a Libertadores. 

O clássico também será o primeiro no Allianz Parque desde a segunda partida da final do Paulista, realizada em abril. Na oportunidade, o Corinthians venceu no tempo normal por 1 a 0 e, posteriormente, conquistou nos pênaltis o título da competição. 

Os palmeirenses, porém, afirmam que houve interferência externa sobre a arbitragem de Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza na anulação de um pênalti marcado de Ralf em Dudu. Se o Palmeiras empatasse o confronto, ficaria com o título.

O duelo também reúne outros dois personagens que colecionam polêmicas. No ano passado, Felipe Melo e Clayson se estranharam no túnel de acesso ao vestiário do Itaquerão após a vitória do Corinthians por 3 a 2, pelo Brasileiro.

Neste ano, se envolveram em nova confusão no primeiro jogo da final do Paulista. 

Clayson acertou o palmeirense durante uma discussão entre outros jogadoresO volante empurrou o atacante e ainda o segurou pelo pescoço para evitar uma agressão.

Eles estão à disposição de Jair e Felipão para o duelo.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.