Justiça nega recurso de Neymar, que será julgado na Espanha

Atleta enfrenta acusação de irregularidades na sua ida ao Barcelona, em 2013

São Paulo

A Justiça espanhola negou recurso movido pelos advogados de Neymar e concluiu que o atleta e seus pais devem ser julgados criminalmente por supostas irregularidades em sua transferência ao Barcelona, em 2013. Desde 2017, o jogador defende o Paris Saint-Germain (PSG).

A negativa foi proferida por unanimidade pela Quarta Seção da Audiência Nacional da Espanha, em despacho divulgado na última sexta (1º) pelos juízes Teresa Criado, Juan Rivero e Fermin Echarri e ao qual a Folha teve acesso. Neymar alegava incompetência do órgão para julgar o caso.

"O tribunal afastou as alegações de que Neymar não poderia ser julgado na Espanha. Isso permite que finalmente o jogador sente-se no banco dos réus. As penas pedidas pela DIS são de prisão, multa e inabilitação profissional", disse Paulo Magalhães Nasser, advogado do grupo.

Autora da acusação, a DIS detinha 40% dos direitos econômicos do atacante na época em que ele defendia o Santos.

Para o grupo, Neymar praticou corrupção privada e estelionato em razão de contratos simulados na época da venda.

O contrato firmado entre Santos e Barcelona foi divulgado na ocasião como sendo de 17 milhões de euros (R$ 71 milhões). Documentos mostram que o valor da negociação do atleta, feita em 2013, já bateu a casa dos 90 milhões de euros (R$ 385 milhões), de acordo com advogados do caso.

Segundo Altamiro Bezerra, que cuida dos interesses do jogador e de suas empresas, Neymar e seus familiares não são alvo da mesma acusação que pesa contra Barcelona, seus dirigentes e o Santos.

"Esses são acusados de fraude fiscal e corrupção, e a acusação sobre o Neymar e a família é o que chamam de 'conflito de interesse'. São acusações diferentes dentro do mesmo processo", afirmou.

Há no processo uma ação criminal e outra cível. Na criminal, se for julgado procedente, os envolvidos no processo podem ser condenados de um a oito anos de prisão.

As penas dos dois crimes apontados —corrupção privada e estelionato de contrato simulado— variam de seis meses a quatro anos de detenção.

Na ação cível, a DIS cobra cerca de R$ 30 milhões como indenização sobre o negócio.

No Brasil, o atleta também enfrenta problemas com as autoridades. A Receita Federal cobra R$ 69 milhões em impostos e multas de Neymar por sonegar tributos no país quando se transferiu do Santos para o Barcelona, em 2013.

Em 2015, as autoridades autuaram o atacante em R$ 188 milhões sob a alegação de que o jogador deixou de declarar R$ 63,6 milhões de 2011 a 2013, omitindo esse montante por meio das empresas NR Sports, N&N Consultoria Esportiva e Empresarial e N&N Administração de Bens.

Sobre esse valor, incidem multa de 150% e juros, em impostos que a Receita considera que o atacante deveria ter pago no período.

 
 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.