Corinthians retoma 3º lugar do Palmeiras no Ranking Folha

Com título do Paulista, time alvinegro ultrapassa rival, sem conquistas em 2019

São Paulo

O título do Campeonato Paulista foi suficiente para recolocar o Corinthians à frente do Palmeiras no Ranking Folha do futebol nacional. A equipe alvinegra recuperou neste ano a terceira colocação, atrás somente de Flamengo e São Paulo.

A 30ª conquista estadual corintiana valeu 10 pontos no ranking. Assim, o time do Parque São Jorge chegou a 927, contra os 925 pontos do arquirrival, que não foi campeão ou vice-campeão de nenhum torneio na temporada. Portanto, não pontuou e acabou perdendo o posto que havia ganhado em 2018, ano em que ficou com o título brasileiro.

A outra mudança na ordem do ranking foi o avanço de uma posição do Athletico-PR, agora 19º colocado. Campeã do Campeonato Paranaense e da Copa do Brasil, a equipe rubro-negra obteve 21 pontos e deixou para trás o Vitória (292).

As demais posições permaneceram inalteradas. O Flamengo, porém, ampliou consideravelmente sua vantagem na primeira colocação. O vice-líder São Paulo até fez seus pontinhos com o segundo lugar do Paulista, mas viu a diferença para o líder crescer.

Com as taças do Estadual do Rio, do Campeonato Brasileiro e da Copa Libertadores, o clube carioca acumulou 70 pontos. Contabilizou outros 25 com a campanha feita no Mundial de Clubes.

Assim, o Flamengo passou a somar 1.081 pontos. A distância para o segundo colocado São Paulo (953) saltou, portanto, para 128 pontos.

Nenhum clube estreou no ranking neste ano. Para entrar na lista, a equipe precisa ser campeã ou vice-campeã de um torneio de âmbito nacional ou internacional.

O Ranking Folha, publicado desde 1996, é uma classificação histórica do desempenho dos times brasileiros. Ele distribui pontos por títulos ou vice-campeonatos em competições estaduais, regionais, nacionais e internacionais de primeira divisão.

Pontuação do Ranking Folha do futebol nacional ​

Estaduais Campeão Vice
SP e RJ 10

7

MG e RS 7 3
BA, CE, GO, PE, PR e SC 6 2
Outros 5 1
     
Outros torneios    
Torneio Rio-São Paulo

10

5
Demais regionais 7 3
Copa dos Campeões (de 2000 a 2002) 7 3
Taça Brasil (de 1959 a 1968) 15 10
Copa do Brasil (desde 1989) 15 10
Roberto Gomes Pedrosa (de 1967 a 1970) 20 13
Campeonato Brasileiro (desde 1971) 25 15
Torneio Sul-Americano (1948) 15 -
Recopa Sul-Americana (desde 1988) 5 -
Supercopa (de 1988 a 1997) 15 10
Copa Conmebol (de 1992 a 1999) 15 10
Copa Mercosul (de 1998 a 2001) 15 10
Copa Sul-Americana (desde 2002) 15 10
Libertadores (desde 1960) 35 20
Torneio Intercontinental 30 -
Mundial de Clubes (desde 2000) 40 25

Perguntas e respostas sobre o Ranking Folha

Desde quando o Ranking Folha de futebol é feito?
primeira edição do ranking nacional é de 1996. Desde então, a lista passou por modificações, correções e revisões. A última grande revisão aconteceu em 2010. O ranking mundial começou a ser publicado em 2002 e segue as mesmas diretrizes da lista nacional.

Quem entra no Ranking Folha?
No ranking nacional só aparecem times que somaram pontos (foram campeão ou vice) em competições nacionais ou internacionais. No ranking mundial, apenas aqueles que pontuaram em torneios internacionais.

Quais são os torneios considerados?
Para entrar no ranking, um torneio precisa ter grande representatividade, cunho oficial e sequência. Assim, campeonatos disputados só uma vez e sem perspectiva de novas edições, como os supercampeonatos realizados em alguns estados em 2002, são desconsiderados. Também não rendem pontos para o ranking torneios como Copa Rio, Copa Suruga, Supercopa do Brasil e Florida Cup, entre outros.

Por que os Estaduais de Rio e São Paulo valem mais?
Rio e São Paulo possuem os dois mais tradicionais e fortes campeonatos estaduais do país, por isso, rendem mais pontos no ranking. Na sequência, estão os estaduais de Minas Gerais e Rio Grande do Sul, que também contam com equipes de grande destaque no cenário nacional. Há ainda um terceiro nível em que estão os estaduais com times que frequentemente estão na elite do futebol brasileiro e, por último, campeonatos de estados com menor tradição no cenário do futebol nacional.

Por que o Brasileiro de 1987 é contabilizado tanto para o Flamengo quanto para o Sport?
O ranking tenta levar em conta tanto o aspecto oficial quanto o aspecto técnico dos campeonatos considerados. Pelo aspecto oficial, como já decidido pelo STF, o campeão é o Sport. Porém, pelo aspecto técnico, é inegável o mérito do Flamengo como campeão do Módulo Verde, que reunia os principais times do país. Por isso, ambos são considerados.

Por que torneios disputados por apenas dois clubes, como a Recopa Sul-Americana, não dão pontos ao vice?
Toda equipe que participa de um torneio como esse já foi bonificada, já que reúne vencedores de competições prévias. Não seria lógico ter um time pontuando onde só fracassou. 

Por que o título paulista do São Paulo da Floresta não é computado para o São Paulo?
São consideradas as conquistas a partir da última fundação dos clubes. Em caso de fusões, como a do Paraná, não valem as conquistas dos times que deram origem à nova equipe.

Campeonatos de segunda divisão valem pontos?
Não. O ranking tem como meta premiar a excelência, e campeonatos de divisões inferiores têm como maior função distribuir vagas para a divisão de elite.

Erramos: o texto foi alterado

A versão original do ranking apontava o Cruzeiro com 38 títulos estaduais, o Internacional, com um vice da Copa do Brasil, o Sport, com quatro títulos regionais, e o Vitória, com quatro vices regionais. O Cruzeiro tem 39 títulos estaduais, o Internacional, dois vices da Copa do Brasil, o Sport, três títulos regionais, e o Vitória, três vices regionais. As informações foram corrigidas.

Também foi corrigida a pontuação do Sport, que soma 378 pontos, não 388. No gráfico "Times que Pontuaram em 2019", a pontuação correta do Athletico-PR é 21, não 17, como havia sido publicado anteriormente. No mesmo gráfico, foi incluído o Cruzeiro, que ganhou sete pontos e não constava na lista publicada inicialmente.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.