Com bibliotecas fechadas, 'Netflix de livros' leva literatura para crianças

Plataforma Elefante Letrado tem livros organizados por níveis de leitura

Porto Alegre

Com as bibliotecas escolares fechadas por causa da pandemia do novo coronavírus, a tradicional visita semanal dos alunos com suas turmas para retirada de livros não ocorre mais. Passeios familiares às bibliotecas de centros culturais também não são possíveis.

Em tempo de Covid-19, as estantes com livros de papel, porém, podem ser substituídas por prateleiras virtuais. Gratuita para escolas durante a quarentena, a plataforma Elefante Letrado leva obras literárias de autores consagrados como Ziraldo e Ernani Ssó para dentro de casa.

Menino lê em um tablet dentro de uma biblioteca escolar
Com bibliotecas fechadas, Elefante Letrado, um 'Netflix de livros', leva literatura para dentro de casa; plataforma é gratuita para escolas durante pandemia - Elefante Letrado/Divulgação
Durante o período de isolamento, 72 escolas aderiram ao sistema, somando-se às 114 que já usavam a plataforma. Famílias também podem fazer a assinatura. Cerca de 13.000 livros são lidos diariamente.

O modelo funciona como um “Netflix de livros”, porém com seções com obras indicadas para diferentes níveis de proficiência em leitura, do ensino infantil ao quinto ano do Ensino Fundamental. Há desafios e perguntas ao final de cada livro lido.

Entre os mais de mil títulos em português e inglês, há clássicos como as fábulas do francês Charles Perrault (1628-1703), que popularizou histórias como “Chapeuzinho Vermelho”, e Machado de Assis.

O título de autoria de Machado, “Cinco histórias do Bruxo do Cosme Velho” está na chamada prateleira “Z”, o último nível, ao final do alfabeto que designa cada seção da biblioteca virtual.

Ao chegar na obra do mestre da literatura brasileira, as crianças tiveram habilidades preparadas nos níveis anteriores.

“A plataforma vai evoluindo a complexidade da leitura. Antes, eu ia em uma livraria e não sabia exatamente o que escolher para meus filhos, se o número de palavras era o ideal, se ele estava apto para ler ou teria uma experiência frustrada. Essa minha ansiedade de mãe a foi resolvida”, diz a empresária gaúcha Scheila Vontobel, 35, criadora da Elefante Letrado.

Em 2013, inspirada em uma experiência positiva de leitura dos seus filhos com um sistema semelhante, apenas em inglês, Vontobel investiu na ideia. Ela estava preocupada também com a aquisição de competências em língua portuguesa.

Professoras das escolas que adotam o sistema da Elefante Letrado podem passar tarefas, acompanhar o desempenho dos alunos, que usam recursos como gravar a própria narração até reescrever a história.

Sem aulas presenciais e passando mais tempo em frente à televisão, a plataforma colabora também para desenvolver o hábito da leitura. “Muitos estudos dizem que a criança tem que ler ao menos 20 minutos por dia, o que faz uma diferença gigantesca ao longo da vida”, diz Vontobel.

Mas como professores e pais podem ter certeza que a criança está lendo e não apenas “folheando” as páginas? Além das questões que precisam ser respondidas depois de acabar a leitura, a empresária explica que um algoritmo foi elaborado com ajuda do Instituto do Cérebro (InsCer) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). O algoritmo tem como base o tempo de leitura por página para crianças de diferentes idades.

Engana-se quem pensa que a leitura digital afasta, necessariamente, as crianças dos livros de papel. “Meu filho gostou tanto do que leu na plataforma que tivemos que comprar três livros impressos do Monteiro Lobato”, conta a pedagoga Vanessa Ávila, 43, mãe de Arthur, 8.

Os títulos de Lobato, como “O Minotauro” e “Os Doze Trabalhos de Hércules” há alguns da editora Globinho e edições próprias da Elefante Letrado. Entre as editoras que integram a biblioteca virtual estão a Petrópolis, Projeto, Piu, Edelbra, reconhecidas pela publicação de literatura infantil.

A leitura com ajuda da Elefante Letrado colaborou com a alfabetização do filho, conta Ávila. A pedagoga observou que ele tem usado mais o sistema durante a pandemia. “ É uma biblioteca de muita qualidade e disponível o tempo inteiro”, diz.

5 livros recomendados para a quarentena

Três Vezes Maluquinho (Ziraldo) - Globinho
Três tramas com protagonistas diferentes que podem ser lidas de formas cruzadas.

Bamboletras (Dilan Camargo) - Projeto
Poesia com versos bonitos como “Borboletras soletrando letras”

Ulisses (Alaíde Lisboa) - Petrópolis
Episódios recontados de Ilíada e Odisséia,de Homero, com belas ilustrações

Bichológico (Paula Taitelbaum) -Piu
Com rimas e animais em formas geométricas.

A Visão do Pavão (Caio Riter) - Edelbra
Integra uma coleção sobre os cinco sentidos e tem ilustrações animadas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.