Para o escritor Alberto Manguel, 'ler é um ato de poder'

Argentino esteve no país em 2014 para participar do ciclo Fronteiras do Pensamento

São Paulo

“Ler sempre é um ato de poder. E é uma das razões pelas quais o leitor é temido em quase todas as sociedades”, afirma o escritor argentino Alberto Manguel em vídeo com tom de manifesto a favor da leitura.

O escritor argentino Alberto Manguel durante palestra do Fronteiras do Pensamento, em 2014
O escritor argentino Alberto Manguel durante palestra do Fronteiras do Pensamento, em 2014 - Jorge Araujo/Folhapress

Ele faz uma viagem pela história da capacidade de ler —e da liberdade de ler— e convida para uma reflexão sobre fronteiras, identidade, poder e literatura. 

Veja mais abaixo.

Manguel é autor de obras como “Dicionário de Lugares Imagiários”, “Uma História da Leitura” e “A Cidade das Palavras –As Histórias que Contamos para Saber Quem Somos”.

O argentino também é reconhecido internacionalmente por honrarias como o título de Oficial da Ordem das Artes e das Letras, do Ministério da Cultura da França, e os prêmios Grinzane Cavour e Roger Caillois. Ele foi conferencista do Fronteiras do Pensamento em 2014.

Nesta temporada, o ciclo de conferência apresenta ainda Denis Mukwege, Janna Levin, Werner Herzog, Contardo Calligaris e Luc Ferry. Já passaram pelo palco do Fronteiras do Pensamento em 2019 Graça Machel, Paul Auster, Roger Scruton. Ingressos à venda. Mais informações em fronteiras.com.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.