Descrição de chapéu
Livros

Cartas de etnólogos franceses recordam valor da alteridade

Livro reúne quase 30 anos da correspondência de Roger Bastide e Pierre Verger

Foto de Pierre Verger mostra Iniciada para Oxum em estado de transe, Recife, Brasil, 1947.
Iniciada para Oxum em estado de transe, Recife, 1947; foto está em “Diálogo entre Filhos de Xangô”  - Pierre Verger/Divulgação
ALBERTO MUSSA
Escritor, autor de “A Hipótese Humana”

Diálogo Entre Filhos de Xangô: Correspondência 1947-1974

  • Preço R$132 (720 págs.)
  • Autor Roger Bastide e Pierre Verger
  • Editora Edusp/Fundação Pierre Verger
  • Tradução Regina Machado Campos,

Um dos grandes problemas contemporâneos é a ameaça concreta de extinção dos múltiplos biomas terrestres, seja pelo risco que representa à sobrevivência humana, seja pelo reconhecimento de que o direito à vida se estende aos animais.

É um debate que encampa cientistas, artistas e múltiplos segmentos da sociedade, no mundo todo: a preservação da biodiversidade.

Curiosamente, não se vê a mesma urgência da pauta quando o tema é a preservação de uma etnodiversidade. Ao contrário, a globalização, que unifica culturas, é muitas vezes tido como sintoma da evolução da espécie.

Todavia nada pode ser mais perigoso para nossa saúde existencial, intelectual e estética que a anulação da alteridade. Nesse sentido, nenhuma disciplina humana mais importante que a etnologia.

Digo isso a propósito de "Diálogo entre Filhos de Xangô", reunião da correspondência mantida por Roger Bastide e Pierre Verger por quase 30 anos. É uma edição primorosa da Edusp com apoio da Fundação Pierre Verger, que traz belíssimas fotografias e é minuciosamente anotada por Françoise Morin, etnóloga que trabalhou com Bastide.

Não custa apresentá-los: Roger Bastide, que viveu no Brasil entre 1938 e 1954, foi professor de sociologia na USP e escreveu importantes ensaios sobre literatura, como "A Poesia Afro-Brasileira", além de estudos seminais sobre as religiões de origem africana.

Pierre Verger, etnofotógrafo que percorreu meio mundo e se fixou em Salvador, onde morreu, é autor de clássicos sobre o tráfico negreiro e sobre os orixás iorubanos, além de ter alcançado o título maior de babalaô, sacerdote de Orunmilá, divindade oracular que, por conhecer todo o passado, orienta o futuro.

As cartas tratam fundamentalmente de temas ligados à cultura popular brasileira, à África, ao mundo dos orixás. Para o leitor interessado no complexo simbólico dos candomblés, é texto fundamental, a oportunidade de colher o dado etnográfico ainda cru.

O grande mérito do livro, contudo, me parece outro: embora formados numa tradição profundamente cartesiana, tanto Verger quanto Bastide não se contentaram em observar fenômenos etnológicos, descrevê-los, analisá-los e integrá-los numa teoria geral.

Decidiram transpor a fronteira entre sujeito e objeto; passaram, eles mesmos, a fazer parte da cultura que estudavam, tornando-se iniciados no culto de Xangô.

É muito interessante, por exemplo, saber que Bastide passou a se considerar africano após a iniciação, já que esta representa um renascimento. Ou ler uma carta em que Verger adverte o amigo sobre uma interdição alimentar dos filhos de Xangô: "Estou consternado com a notícia do seu acidente de carro... você tem certeza de não ter cedido à gulodice e não ter comido algum cassoulet de Toulouse, ou qualquer outro prato contendo feijão-branco?"

Não é, decididamente, algo que se espere de racionalistas. Pierre Verger e Roger Bastide superaram tal limitação, mergulharam na experiência ímpar da alteridade, da desconstrução do eu. "Diálogo entre Filhos de Xangô" é, nesse sentido, um documento comovente.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.