Imagem de Marielle se espalha por muros de cidades dentro e fora do país

Artistas e críticos veem aura de ícone pop na imagem do rosto da vereadora assassinada há um ano

Imagem de grafites em Pinheiros fazem menção ao assassinato de Marielle Franco

Imagem de grafites na avenida São João fazem menção ao assassinato de Marielle Franco Folhapress

Gustavo Fioratti
São Paulo

São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Lisboa, Buenos Aires, Ferrara, na Itália.

O rosto de Marielle Franco, parlamentar assassinada a tiros no dia 14 de março do ano passado em um carro na capital fluminense, se multiplica em diversas obras de arte de rua que parecem participar de um mesmo movimento, desdobrado por endereços em cidades dentro e fora do país.

É uma manifestação polifônica que, para além de trazer um valor estético à paisagem de espaços públicos, tem dois objetivos muito bem delineados.

Ao mesmo tempo em que homenageia a vereadora do Psol nascida na favela da Maré, dando o peso de ícone pop aos traços estilizados de sua imagem, de sorriso aberto e cabelos crespos, o coro engrossa os protestos que cobram das autoridades um esclarecimento definitivo das circunstâncias do crime.

Na visão de Baixo Ribeiro, curador e criador da Choque Cultural, galeria que congrega trabalho de grafiteiros, esse fenômeno é um exemplo de arte “com a característica comunicativa de criar diálogos mais impactantes” com a população. “A arte urbana se amplifica porque utiliza o espaço público”, diz.

Ele lembra que admiradores de Che Guevera, de Mao Tsé-tung e de outras figuras ligadas a conflitos políticos “usaram muito a iconografia de protestos”. Ribeiro também considera que a apropriação comercial dessa iconografia, como a utilização de retratos por marcas de roupa, é “nociva à própria ideia de protesto”.

E há também as reações contrárias. Dois grafites retratando Marielle foram vandalizados. No Rio, um desenho criado no ano passado pela ativista paquistanesa Malala Yousafzai na favela de Tavares Bastos precisou ser restaurado. Em São Paulo, uma outra obra na rua da Consolação, na região central, bem em frente à praça Roosevelt, foi manchada com tinta vermelha, lembrando sangue.

Em um dia percorrendo o centro da cidade de São Paulo, encontrei mais duas imagens de Marielle desenhadas em muros. Um deles estava próximo à região da Luz. O outro foi feito em tapumes no início da avenida São João. Cinco pedestres abordados pela reportagem reconheceram a imagem como sendo o rosto de Marielle.

“Posso me lembrar de ao menos seis imagens dela que vi na rua”, disse o consultor de vendas Tiago Nascimento de Santana. “É uma manifestação que cresce à medida que cresce também nossa indignação por não vermos a resolução de um crime dessa natureza”, afirma. “Menos de 10% dos assassinatos chegam a uma solução no país”, diz, referindo-se a estatísticas publicadas em jornais e revistas. 

Esse dado, segundo números da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública, está correto e diz respeito especificamente aos homicídios dolosos, aqueles em que há a intenção de matar.

Procurei o Coletivo Transverso e o artista Zito Raul, a quem outros artistas de rua atribuem a autoria do painel instalado em uma escadaria da rua Cardeal Arcoverde, em Pinheiros, um dos pontos mais conhecidos da produção de arte urbana de São Paulo. 

Um dos integrantes do Transverso respondeu que “os coletivos e artistas preferem não se identificar, uma vez que o que realmente importa agora é esclarecer as implicações da família Bolsonaro com os assassinatos de Marielle e Anderson”. 

Isso, no entanto, não passa de uma suposição. A hipótese não tem, por ora, sustentação nos elementos já divulgados pela investigação de organizações policiais envolvidas nos inquéritos sobre o caso. O que se sabe é que Ronaldo Lessa, um dos dois suspeitos de assassinar Marielle, mora na mesma rua onde Jair Bolsonaro tem uma casa.

“O que precisa ser identificado agora são os mandantes do assassinato, não os artistas do escadão”, disse um dos artistas, por email.

Bem diante dos retratos de Marielle na escadaria, encontrei três mulheres ensaiando para uma performance, com um papel de seda branco que ora era erguido sobre suas cabeças ora cobria todo o corpo delas. Laura Dau Vieira, autora da performance, diz que realiza o trabalho naquele ponto principalmente às terças, entre 13h e 14h. 

Ainda na região de Pinheiros, para além dos desenhos e inscrições (“Quem Matou Mariele?” é a mais comum delas”), há outros dois trabalhos retratando a vereadora e ativista assassinada. 

Uma delas está bem próximo ao local popularmente conhecido como Beco do Batman, reduto de grafiteiros. Fica em uma escadaria no fim da rua Aspicuelta e traz três figuras femininas com traços parecidos com a de Mona Lisa, retratada por Leonardo da Vinci.

Uma das três, é negra e usa uma faixa na cabeça, um traço marcante nas imagens de Marielle. Dois pedestres que passaram pelo trabalho identificaram esta última como se fosse a vereadora.

Os exemplos de arte de rua com perfil de denúncia são diversos. Os Panteras Negras utilizaram as paredes, com frequência no Brooklyn, em Nova York, para panfletar ideias antirracistas.

Mais recentemente, o grafiteiro britânico Banksy criou uma obra interpretada como cobrança de paz em um muro na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel.

No ano passado, em setembro, houve também uma onda de protestos com ampla participação de grafiteiros e outros artistas de rua quando uma coalizão de estados árabes, liderados pela Arábia Saudita, bombardeou o Iêmen, atingindo inclusive um ônibus escolar com dezenas de crianças dentro dele. Parte dos desenhos apareceram nos Estados Unidos e na Europa.

Fora do Brasil, houve grande repercussão do desenho criado por Vhils em Lisboa. Ele é um dos nomes mais famosos nesse tipo de expressão artística de rua. O retrato de Marielle foi feito por ele no fim do ano passado. 

O projeto fez parte de uma campanha da Anistia Internacional, com o objetivo de homenagear mulheres defensoras dos direitos humanos. 

“A notícia do assassinato da Marielle Franco abalou o mundo”, diz Vhils. “Foi particularmente sentida por todos que partilham da sua visão e da sua luta pela justiça e dignidade humana.”  Ele diz que o crime teve um impacto público em seu país e reconhece a importância de Marielle na defesa de direitos de negros e da comunidade gay.

“Acredito que a arte, aliada ao ativismo e à consciencialização, pode ser uma ferramenta para chamar a atenção para questões que passam para o segundo plano e dar voz àqueles que não a têm, de ajudar a tornar visível aquilo que se encontra invisível”, afirma.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.