Descrição de chapéu
Cinema

Filme ilustra problemas nas relações entre indígenas e ocidentais

Em vez de catequisados e despojados de sua cultura, índios de 'Pássaros de Verão' se banham no dinheiro da droga

Inácio Araujo

Pássaros de Verão

  • Quando Estreia quinta (22
  • Classificação 16 anos
  • Elenco José Acosta, Carmiña Martínez e Natalia Reyes
  • Produção Colômbia, Dinamarca e outros, 2019
  • Direção Cristina Gallego e Ciro Guerra

Estamos nos anos 1970, no interior da Colômbia, onde Rapayet, nativo wayúu, quer se casar com Zaida. Mas é preciso obedecer à tradição e pagar o dote, que consta de 30 cabras e mais alguns quebrados. Já se vê que é uma cultura onde a criação de cabras joga um papel determinante.

Rapayet não tem tudo isso, mas não é impossível conseguir. E ela chega a isso por meio de um grupo de americanos que estão ali, supostamente, para proteger a Colômbia do comunismo, mas o que querem mesmo é maconha.

Na companhia de um amigo ele procura um parente que se dedica à plantação da erva. Em dois tempos o problema do dote está resolvido.

Algo, porém, começa a se transformar, com rapidez e não sem violência —da transação inicial, Rapayet passa ao comércio constante e agora bem maior da droga para traficantes americanos.

Ou seja, o contato com o mundo exterior subverte seus hábitos. Primeiro, podemos ver uma picape irromper em meio a taperas e cabras. Mais tarde, essas cabanas são substituídas pelo imponente bunker da família de Rapayet.

A maneira como os diretores Ciro Guerra e Cristina Gallego observam a transformação é que torna notável essa produção. Nenhuma mudança é instantânea. Elas são mediadas por elementos da tradição, como a matriarca influente e o mensageiro, personagens fortíssimos da trama. São, no entanto, radicais —degradam costumes, relações, tradições. Os wayúu se banham no dinheiro da droga.

É difícil dizer se existe uma metáfora da própria Colômbia ou das relações entre traficantes e guerrilha, que se desenvolveria tempos depois.

O filme ilustra os problemas nas relações entre indígenas e ocidentais. Habitualmente, os índios são despojados de sua cultura, catequizados e transformados em proletários.

Esses pássaros de verão, ao contrário, se tornam ricos e fortes. Mas é um verão —o contágio de sua cultura pelos hábitos do homem branco deixará marcas. E elas são menos felizes do que este belo filme.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.