Atriz Mika Lins lança vídeos com peças e sonetos feitos por Shakespeare

A montagem dos trabalhos fica por conta do editor Sergio Glasberg

São Paulo

Tomada pela peste em 1592 e 1593, Londres fechou os teatros e grande parte do comércio. Foi nessa época que, em quarentena, William Shakespeare escreveu alguns de seus principais poemas. Embora suas peças tenham se tornado mais conhecidas, os sonetos, como o 116, já seriam suficientes para consagrá-lo como autor.

Quatro séculos depois, Shakespeare sobrevive. E exibe tanto vigor quanto na época.

No último sábado (4), a diretora e atriz Mika Lins lançou um vídeo de pouco mais de um minuto em que atores e não atores leem o soneto 116. É o oitavo vídeo do projeto Shakespeare na Quarentena (#shakespearenaquarentena), criado por ela. A montagem dos trabalhos fica por conta do editor Sergio Glasberg.

Mika Lins - Mathilde Missioneiro/Folhapress

O vídeo tem a participação de atrizes como Bel Kowarick, Bárbara Paz, Mel Lisboa e Iara Jamra e atores como Leopoldo Pacheco e Marcello Airoldi. Inclui ainda não atores que surpreendem em brevíssimas participações, como a museóloga Fabiana Motta.

“Meu objetivo é me conectar com as pessoas neste momento por meio de Shakespeare”, diz Lins sobre a concepção do projeto. “O que Shakespeare escreveu está muito próximo de nós, as tensões humanas, os jogos de poder, as traições.”

Antes desse vídeo com o soneto, Lins e Glasberg tinham lançado outros em que ela lê trechos de obras como “Hamlet”, “Otelo” e “Como Gostais”.

Os textos são apresentados de modo informal, sem a solenidade que muitos ainda associam a Shakespeare. Lins mostra o trabalho em construção —em mais de uma situação, recomeça a leitura ao perceber que o tom inicial não era preciso como ela gostaria.

Em um vídeo com poemas do autor britânico, surge um humor involuntário com os latidos dos cachorros. Inquietos, Baleia, Leah, Neblina e Chê intervêm na leitura.

Essas pequenas produções podem ser vistas no Instagram, basta procurar por “Mika Linz”, embora o sobrenome dela seja Lins.

Ao longo da quarentena, Lins pretende lançar ao menos um vídeo a cada dois dias. Um dos próximos trabalhos terá como tema “Ricardo 3º”, peça de Shakespeare sobre o monarca tirânico. Algo a ver com Jair Bolsonaro? Na verdade, diz ela, “uma referência sobretudo à maldade, o nosso presidente não tem a agilidade cognitiva nem o senso de humor do sórdido Ricardo 3º”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.