Descrição de chapéu
Livros

'Amores Improváveis' traz belezas de um país que deixamos escapar

Novo livro de Edney Silvestre narra romance no contexto dos progressos do Brasil no final do século 19

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Vivien Lando

Amores Improváveis

  • Preço R$ 49,90 (194 págs.); R$ 29,90 (ebook)
  • Autor Edney Silvestre
  • Editora Globo Livros

O destino não é soberano, fora de controle ou onipotente. Ele existe para nos servir, não para mandar em nós, como um ditador. Mas não é bem nisso que acredita o jornalista e escritor Edney Silvestre, que muitos conhecem das coberturas da Globo em Nova York, com destaque para o 11 de Setembro —quando o destino se pôs a serviço de um bando de celerados.

Em seu quinto livro, o autor prefere baixar a cabeça de seus personagens diante da sina imponderável, a exemplo do casal de imigrantes italianos que, ao perceber que o contrato oferecido no Brasil era uma roubada, acaba impedido de voltar à terra de origem por causa de outra cilada.

A família Vivacqua se submete e finca suas raízes por aqui, num tempo em que prosperar no país novo era visto quase como uma obrigação. E assim, a cidade de Ourinho, onde se estabelecem, assiste ao nascimento de suas quatro filhas.

Edney Silvestre durante a mesa 'Ficções entre Escombros', na Flip, a Festa Literária Internacional de Paraty - Letícia Moreira/Folhapress

Enquanto isso, o pequeno bugre, mais tarde batizado Felício, presencia o assassinato da mãe índia e corre para pedir ajuda na pequena civilização. Cresce sob os cuidados de padre Lurran, que forja um casamento dele com a jovem amante para justificar os filhos que vão nascendo à imagem e semelhança do pároco. Mas Felício não dá atenção a essas manobras e continua plantando e criando porcos no sítio em que nasceu.

Emiliana Vivacqua, a primogênita —a quem caberia, seguindo o costume do final do século 19, não se casar para cuidar dos pais—, é quem descobre em Felício a pele cor de jabuticaba e olhos amarelos. Suas constatações se restringem a rápidos olhares da moça quando a charrete da família passava ao lado do homem a pé.

Até o dia em que ela, além das rédeas do veículo, assume o cabresto de seu destino. "Não deveria descer da charrete. Desceu. Não deveria abrir a porteira. Abriu. Não deveria tomar o caminho para a casa dele. Tomou."

Mas, simultaneamente à sábia e corajosa decisão, um drama se desenrola em sua casa, envolvendo irmãs e futuros cunhados —o destino tirando a graça da vida que vinha ganhando.

Com o ponto de vista de quem trabalhou anos com a notícia, o contexto histórico de uma República recém-nascida, mão de obra chegando de outro hemisfério, estradas de ferro rasgando o país atrás do sonhado progresso, mergulha os personagens no turbilhão dos acontecimentos. Como um destino implacável.

O resto é spoiler. Basta falar que é um texto delicioso como o andar dos carros de boi pelas estradas de poeira vermelha de um Brasil que deixamos escapar. Não por culpa do destino, mas por pura inoperância. É um obra que enaltece ainda mais a excelente produção de um jornalista que se tornou um escritor premiado já na estreia, há dez anos, com "Se Eu Fechar os Olhos Agora".

A mesma delicadeza reina em "Amores Improváveis" na cuidadosa edição da Globo Livros, que traz inúmeras ilustrações e fotos a cada pequeno capítulo e nos dão a impressão de estarmos lendo um livro para crianças grandes.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.