Tabu do corpo nu retorna na guerra cultural antimarxista, escreve Zé Celso

Diretor responde a texto de Pedro Sette-Câmara que menciona encenação das 'Bacantes' do Oficina

José Celso Martinez Corrêa

[RESUMO] Fundador do Teatro Oficina responde ao texto "Olavo de Carvalho redefiniu noção de intelectual público, afirma ex-aluno", de Pedro Sette-Câmara (Ilustríssima, 16/12), que mencionava encenação de "Bacantes" em 1996, e discute a antropofagia cultural diante do bolsonarismo.

Estou na recriação da montagem de “Roda Viva 2018” para a reestreia que acontece no Teatro Oficina às 14h30 deste domingo (23), dia de “Eternidade de Luis Antônio”, artista de teatro como eu, assassinado com 107 facadas nesse mesmo horário no Natal de 1987.

Mas fui atropelado no último domingo (16) por um textão enorme na Ilustríssima, com um texto em que sou a decepção do tradutor y escritor Pedro Sette-Câmara, jovem em busca de maravilhamento. Maravilhamento que encontrou agora em Olavo de Carvalho. Iá!

Neste momento em que escrevo, fui interrompido por um ator, pai de santo de um grande terreiro em Cotia, que entrou no meu escritório, no (bairro do) Paraíso. O pai de santo Márcio trouxe um trabalho de descarrego com ovos, folhas, grãos... Estou mais aliviado.

À tarde havia me entusiasmado com Lula y muitas outras Pessoas Livres encarceradas que poderiam deixar a prisão pelo gesto de um Ministro Corajoso, Marco Aurélio Mello, y logo a seguir veio o veto do presidente do STF.

Voltando ao texto do Pedro Sette-Câmara, que tem a ver com a decepção com a nossa montagem de Bacantes, em 1996, quero lhe dizer que pode decepcionar-se a vontade. A tua primeira antiepifania foi com a minha primeira cena como Tirésias, da minha “pupila anal”, isto é: meu amado cu. Que ofereço com o anúncio aos presentes chegando à Praça Pública de Tebas.

Eu sei o quanto o teu Olavo de Carvalho adora explodir-se no que chamam de palavrões. É estranho um filósofo, ou um escritor, uma pessoa que pensa, ter horror, nojo do próprio corpo. 

“Dar o cu” já cantado em suas deliciosas minúcias pelos amantes Rimbaud & Verlaine:

“Sempre caí de boca e língua nessa
ventosa,
minha alma traí na foda material,
invejosa,
ela fez dele lacrimário rubro, ninho
de soluço, sabre,
brocha, tabu;
mas é azeitona babada, flauta
carinhosa,
tubo onde desce a amêndoa oleosa,
Canaã feminina na umidade abre,
desabrocha, molha, olha, vê
oh cu!
Todas temos
Machos e fêmeas
Vamos todos então tomar no cu”

Não com seus palavrões envergonhados maldizendo essa maravilha que, se apertada no períneo, faz sair o ar do Universo de dentro de nós, pro Cosmos, plugados no Organismo Vivo chamado Terra.

Experimentem! É um Conselho Tântrico! Y aí você vai com seu grego de gente, não de filólogo.

Vai reler o original de Eurípides. Vai ser então um maravilhar-se com a musicalidade de Bacas em perceber os cantos dos coros gregos y bárbaros.

Há quatro episódios onde Penteu y Dionísio se encontram com as Bacantes y Satyros. Mas estes são como ilhas, cercados d’um mar de versos musicais em torno deles.

Bacantes, Sátiros, Tirésias, Hera, a deusa ciumenta, Reia, a mãe de Zeus, Sêmele, mãe de Dionísio, coros, todos cantam com a banda ao vivo.

Sabe a maravilha d’uma peça toda cantada com os que participam?

“Bakxai” in grego quer dizer: “Participantes”.

O rito abriu em festa no ano de 1995 no Teatro Grego de Ribeirão Preto. Correu Brasil, Portugal, Bélgica, estando em cartaz até 2017 y sempre pronto pro seu Etherno Retorno. A cena do estraçalhamento do poeta cantor compositor Caetano Veloso no Rio de Janeiro foi de uma beleza —e você, que assistiu y teve as cuecas de Caetano nas mãos, não viu.

Os grandes jornais do Brasil mostram fotos maravilhosas deste Orfeu desnudado pelas Bacantes.

Eu assisti Seu Olavo de Carvalho, Messias, falar horrores de Caetano Veloso, no tempo das eleições presidenciais. Senti muito uma pessoa que quer ser considerada filosófa ignorar totalmente a simples, bela y sofisticada poesia, arte musical, filosófica do canto, dos versos de Caetano Veloso, chamando-o de burro.

Você me aponta como Dionísio, antagonista, e elege a extrema direita no papel de Penteu. Imediatamente o papel de Tirésias que eu fazia é agora do teu Vedor Guru: Seu Olavo.

Estudamos no Oficina 13 anos seguidos o texto de “Bacantes” como origem do teatro. Eurípides exilado pela ditadura ateniense para a Macedônia com 80 anos já criava suas tragédias viradas mais para dramas, descrente dos deuses. Mas era vizinho de um terreiro onde velhas bacantes praticavam o rito de origem do teatro com o “sparagmos”: o despedaçamento, ou melhor, o descabaçamento do corpo do mito Penteu y a omofagia, sua comunhão carnal.

Com seu enorme talento criou a primeira peça que deu origem à tragédia grega, como a última.

No fim do ciclo grandioso de Ésquilo, Sófocles, Aristófanes trouxe a religião do deus Dionísio, deus do Teatro, do Vinho, vindo da Índia, passando pela Arábia, feliz, trazendo povos misturados, perseguidos pelos Aristocratas, protegido pelos Tiranos Populistas até com a chegada da Democracia na Grécia, compreender Dionísio em todas as peças gregas y conceder o fogo central das belíssimas arenas esculpidas nas pedras das montanhas a Sêmele, a mãe de Dionísio. Uma mortal que engravidou de Zeus.

Sêmele passou a recusar o amor mortal, quis que Zeus a fodesse como um deus. Ele recusou, mas acabou seduzido pela paixão humana da amante. 

Seu gozo, um raio, partiu a barriga de Sêmele, que pariu morrendo no fogo o feto de Dionísio. Zeus molhou o feto na Fonte de Tebas, depois levou pra dentro de si Dionísio, que chamou de Dytirambo —nas últimas montagens nossas, Zeus tem batizado Dionísio como Di-tíSambo. Depois de três meses, Zeus deu à luz um bebê com chifres de touro.

A psiquiatra Nise da Silveira escreveu que Jesus ocupa a casa do consciente do ser humano, mas, se você descer aos subterrâneos dos corpos vivos, vai encontrar Dionísio.

Escrevemos o texto orgiasticamente num grupo de menos de dez pessoas. Recebemos traduções do grego de Chico Achcar, de Medina, y “As Bacas” de Jaa Torrano. São traduções filológicas que remetem ao som original dos textos, mas incompreensíveis em cena.

Lemos traduções em muitas línguas, mas fomos encontrar as palavras poéticas nas letras de músicas populares brasileiras como Assis Valente, Noel Rosa, nos pontos de macumba, nas marchas y sambas de Carnaval. 

Foi um prazer criar este texto pro que já passou de português —a língua crioula brasileira. Língua da Poética do DitiSambo Silabado, phalado em língua de gente com tesão pelos sons, sílabas y sentidos.

Você vê tudo como sexo, é verdade. Mas sexo é muito mais que o sexo, é o sexo erótico, mistério gozoso que vem com a dança, o canto, a sedução desta peça que é a origem do teatro, em que se descabaça o corpo, a língua, os sentimentos. É Eros, mas com os contornos apolíneos y a loucura de Pã, deus peludo, homem bicho peludo itfálico, sempre de pau duro tocando sua flauta.

Mas a tragédia de Cadmo, da mãe de Penteu, Agave, y suas irmãs, do próprio Penteu, a comédia dos Satyros y a orgia trouxeram o fim do drama y da dramaturgya, y assim começa a ópera de Carnaval da TragiComédiOrgia.

É difícil a comunicação com os que não amam o corpo, seu próprio corpo. Não sabem das coisas, não têm o corpo feito, y neste momento do mundo engrossam a fila do ódio ao vivo, que trocam perfeitamente pela sua própria robotização. Seu desejo maníaco por apontar armas. Este teu texto estava recalcado em você há 22 anos, y agora com a vitória da direita você retorna aos seus 19 anos y traz à tona meu nome, o Culto de Dionísio, o Teatro de Corpo, com cueca na mão, me elegendo como opositor à sua Revolução Cultural, à de Olavo de Carvalho y do Bolsonarismo. O que você chama de excesso de sexualidade, eu chamo de cosmopolítica.

Oficina Uzyna Uzona viajou depois pelos “Sertões” de Euclides da Cunha, pelo “Banquete” de Sócrates e Platão, pelas “Cacildas!!!!!”, “Boca de Ouro” de Nelson Rodrigues, retornou ao “Rei da Vela” de Oswald de Andrade y “Roda Viva 2018”.

Hoje vivo a “cosmopolítica” como um índio, uso sempre colar, cultivo minha avó y bisavó índias no meu DNA. Tenho lutado pelo pedaço da Terra onde está o Teatro Oficina, no seu entorno y no bairro do Bixiga, como um lugar sagrado.

A natureza é minha inspiração maior. Nossa contenda com o Grupo SS ensinou a mim y aos seres humanos que cultivam o Teatro Oficina Uzyna Uzona a, como em “Bacantes”, estarmos com o nosso poder de presença, diante da presença do poder. Este vive agora uma contrarrevolução cultural para a Idade Média.

Nós, do Oficina Uzyna Uzona, somos mais arcaicos ainda porque redescobrimos o eterno presente em nossos corpos atuadores.

Lemos vocês com sua revolução cultural antiglobalização marxista. No aqui agora topamos com a ideologia de vocês. E muito aprendi com Oswald de Andrade, sobretudo quando encenamos “Macumba Antropófaga”, que não temos mais ideias. Dispensamos as ideias que queimam gente em praça pública.

Não somos ideólogos somos francamente antropófagos. Oswaldianos y tupys or not to be.

Acreditamos nos Corpos Vivos, com cus, bocetas, caralhos, com toda fisiologia por nós sagrada como os índios. Claro que somos das dionisíacas. Nas versões mais recentes, de 2017, de “Bacantes”, Penteu estraçalhado ressuscita como Apolo, y Pã entra no final trazendo a santíssima trindade que fazem estes deuses como muitos deuses y exus.

Somos bichos humanos em contato com o deus que está em nós, em tudo, ou em lugar nenhum.

Ganhei de Mãe Stella da Bahia um título que muito me agrada: “Exu Senhor das Artes Cênicas”.

Somos como toda a Criação: seres vivos terráqueos, na atração da terra em contato com o Universo, viajantes em torno de uma estrela errante: o Sol. Não entendemos a vossa guerra cultural messiânica, como vocês talvez não entendam a nossa paz, humor, amor, arte y muito mais aqui agora no Corpo da Terra Viva martirizada. Esse martírio, como já escreveu Euclides da Cunha, é o martírio do ser humano.

Não gostamos de guerra, mas somos a felicidade guerreira, na nossa perspectiva da visão ligada a Oswald de Andrade, nosso poeta-filósofo maior que desde 1928 se proclamou não mais modernista, mas o Primeiro Poeta Pós-Moderno do Mundo —pois optou pela perspectiva dos índios q moram y lutam no Brasil y fora d’Ele: no Mundo.

Vamos atravessar o ano com “Roda Viva 2018” de Chico Buarque rescrita pra estes tempos de mitos da internet.

Falamos pela arte cênica. Pelo ritual que é o teatro. Nele é impossível não incluir todo mundo, inclusive vocês das guerras culturais, como entidades. Tudo que faz parte da vida nos interessa.

Pedro, termino por hoje tudo que seu texto me inspirou, nós dois somos, assim como nós todos: Penteu e Dionísio. Somos bichos humanos, e isso é o que nos liga e a coisa que me faz crer na vida. Muito grato pela inspiração. 

Merda! 

Zé.


José Celso Martinez Corrêa, diretor de teatro, foi criador do Teatro Oficina.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.