Ciências humanas levam Brasil à elite da produção científica

Levantamento da Folha mostra que publicações da área de humanidades tiveram crescimento acima da média

Sabine Righetti Estêvão Gamba

[RESUMO] Pesquisadores argumentam que governo erra ao comparar produção acadêmica de diferentes áreas e concluir que ciências humanas são pouco relevantes —quando, na verdade, estas tiveram crescimento acima da média e ajudaram a deixar o Brasil entre os 15 maiores produtores de conhecimento no mundo.

A observação sistemática de fenômenos, seguida de experiências com base em metodologia rigorosa e de análises que levam a determinados resultados, recebe, há algum tempo, o nome de ciência. Em diferentes áreas do conhecimento, no entanto, a ciência tem especificidades: fazer pesquisa em biologia é muito diferente de produzir conhecimento em ciências sociais. Parece, no entanto, que o atual governo desconhece isso.

Desde que assumiu o cargo máximo da educação no país, no início de abril, o economista Abraham Weintraub tem comparado a quantidade de recursos públicos, a produção científica e a relevância dessa produção entre áreas do conhecimento completamente diferentes. Pelos dados, haveria uma suposta improdutividade e uma inutilidade das ciências humanas brasileiras e áreas correlatas em comparação, por exemplo, às ciências exatas.

O ministro da Educação falou sobre isso em audiências com deputados e com senadores ao longo do mês de maio. As explanações sustentariam propostas de cortes de verbas públicas especificamente nessas áreas do conhecimento. O discurso é endossado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Analisadas individualmente, no entanto, vemos que as áreas que se tornaram alvo do governo atual cresceram em produção de artigos científicos mais do que a média nacional na última década.

Os cientistas brasileiros aumentaram a produção de ciência publicada em periódicos científicos, em todas as áreas do conhecimento, em média, 67,3% no período de 2008 a 2017 —o que colocou o Brasil entre os 15 maiores produtores de ciência do mundo.

As ciências sociais aplicadas, as humanidades e a linguística cresceram mais aceleradamente —respectivamente, 77%, 123,5% e 106% no mesmo período. Para se ter uma ideia, o número de artigos acadêmicos em ciências agrárias do país cresceu 51,6% no mesmo período —abaixo da média nacional.

Os dados são da base internacional Web of Science, a mesma utilizada nos cálculos de produção científica do RUF (Ranking Universitário Folha), avaliação anual de universidades do país produzida desde 2012 pela Folha.

Em comparações internacionais em cada uma das áreas do conhecimento, o Brasil não vai vai nada mal. Está entre os 13 países que mais publicam em ciências sociais aplicadas, 21º em ciências humanas e o 30º em linguística. Isso considerando apenas artigos científicos.

O salto recente do país na produção acadêmica de artigos científicos em humanas fica ainda mais impressionante se considerarmos, afinal, como se dá a ciência nesse campo.

É de conhecimento no meio acadêmico que as humanidades publicam mais resultados de seus estudos em capítulos de livros e em livros inteiros do que em periódicos científicos. Na prática, comparar áreas diferentes da ciência como se todas produzissem da mesma forma e no mesmo ritmo mostra desconhecimento de como se comportam a ciência e suas áreas de pesquisa.

Ou seja: para avaliar a produção de áreas como a sociologia seria preciso colocar a publicação de livros na conta —coisa que o governo não tem feito. Mas a Folha fez esse levantamento.

Nos últimos anos, dois em cada três livros ou capítulos de livros acadêmicos publicados por pesquisadores do Brasil eram de humanas, de linguística e de ciências sociais aplicadas. Aqui, as informações são da Capes, agência federal ligada à pasta de Weintraub (dados de 2013 a 2016).

Áreas como ciências biológicas, ciências da saúde e engenharias tiveram decréscimo na produção de livros e capítulos de livros no período analisado. Já as publicações de humanas cresceram 16% —as de ciências sociais aumentaram 28,8% na mesma fase.

Para se ter uma ideia, sociólogos, linguistas, economistas, especialistas em direito e filosofia, entre tantos outros, publicaram juntos uma média de 167 livros ou capítulos de livros por dia no período analisado.

O foco das humanidades nos livros se repete globalmente. Também em países desenvolvidos, o número de artigos científicos em uma área como a sociologia será sempre menor do que, por exemplo, os estudos da biologia. Há uma menor quantidade periódicos científicos nas humanidades na base Web of Science em comparação a outras áreas —e essas publicações costumam ter menos estudos por edição do que as chamadas ciências duras. O fluxo da produção do conhecimento é diferente.

Irão dizer que o crescimento acelerado de estudos publicados pelos cientistas das humanas no Brasil pode não refletir a qualidade desses trabalhos. É verdade: na ciência, a qualidade de um trabalho costuma estar associada às menções que um estudo recebe em publicações científicas futuras —o que também tem variações em cada “setor” do conhecimento.

O ministro da Educação ressaltou inclusive, em suas incursões recentes, que as áreas de humanas no Brasil vão mal porque teriam pouca relevância. Seriam pouco mencionadas em novos estudos.

Acontece que as áreas da ciência se comportam de maneira diferente. Em primeiro lugar, menções a livros e a capítulos de livros não entram em métricas oficiais de impacto da produção científica. Logo, a produção de conhecimento concentrada em periódicos científicos terá mais citações, obviamente, do que aquelas que priorizam a publicação de livros.

Mais do que isso: algumas áreas da ciência são mais citadas do que outras justamente por serem mais internacionalizadas. Ora, grandes estudos em colaboração global, por exemplo de astronomia, tendem a publicar seus achados em inglês. Isso aumenta significativamente a chance de menções por outros trabalhos acadêmicos no futuro.

Em geral, não é assim que se comportam as humanidades —em nenhum lugar do mundo. Essas publicações tendem a priorizar a língua materna de seus países.

A título de exemplo: um estudo de biologia celular costuma ser citado, em média, 3,3 vezes nos cinco anos que seguem a sua publicação (o que é chamado de fator de impacto). Já nos periódicos científicos de história, a taxa cai para 0,4 no mesmo período. Isso no mundo todo, não apenas no Brasil.

Estudos de ciências “duras”, como as exatas, tendem a ser mais mencionados por novos trabalhos tão logo sejam publicados. Viram uma referência, motivam novos trabalhos e promovem um avanço em uma área específica por um tempo determinado (e relativamente curto).

Já nas humanas, os resultados são mais lentos e a “vida útil” das pesquisas é maior. Isso significa que grandes trabalhos (em geral livros) de grandes sociólogos, filósofos ou juristas podem levar um tempo para ser citados, mas poderão ser mencionados em novos textos por mais de uma década.

Os ataques do governo à produção científica de humanas vieram logo depois de uma proposta, anunciada em abril, de redução de investimentos do MEC em cursos de sociologia e filosofia, para priorizar áreas como engenharia e veterinária. A proposta foi considerada ilegal e inconstitucional, já que fere a autonomia universitária garantida pela Constituição de 1988 e regulamentada pela LDB de 1996. Na prática, cabe às universidades decidir quais cursos irá manter, cortar ou expandir.

O argumento foi de que essas áreas não teriam “retorno imediato ao contribuinte” —sem deixar claro o que seria isso. Se considerarmos como um resultado para o contribuinte a produção científica especificamente nas humanidades e a participação brasileira na produção de ciências humanas no mundo, no entanto, seriam necessárias novas justificativas. 


Sabine Righetti é professora e pesquisadora da Unicamp, organizadora acadêmica do Ranking Universitário Folha (RUF).

Estêvão Gamba é doutor em ciências pela Unifesp e estatístico responsável pelo RUF.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.