Alvim errou a mão na trollagem nazi inspirada na direita dos EUA

Estratégia da alt-right é fomentar extremismo com ambiguidade entre verdade e ironia

Rodrigo Nunes

[RESUMO]  Autor considera que o ex-secretário de Cultura Roberto Alvim foi pego em flagrante fazendo um jogo de provocação que o núcleo ideológico do bolsonarismo aprendeu com a alt-right americana. Impedir que a extrema direita continue ganhando terreno exige parar de tratar os “excessos” como casos isolados e se recusar a permitir que ela continue jogando.

Há quem ainda se refira a Jair Bolsonaro e o núcleo ideológico que o cerca com palavras-Pilatos como “polêmico” e “controverso”. A ascensão e queda de Roberto Alvim indica, porém, que mesmo a classificação mais apropriada de “extrema direita” é imprecisa.

Desde suas técnicas de comunicação até cacoetes como a obsessão pelas Cruzadas e os gritinhos de “Deus vult!”, o modelo dos ideólogos bolsonaristas é a franja radical conhecida nos Estados Unidos como alt-right.

Uma constelação heterogênea de grupos e figuras públicas traficando um coquetel insalubre de supremacismo branco, misoginia e, sim, flertes com o nazismo, a alt-right ficou conhecida internacionalmente por seu engajamento na campanha presidencial de Donald Trump —em quem viu, mais do que um aliado, um veículo para propagar suas ideias. 

alvim
O diretor de teatro Roberto Alvim, ex-secretário da Cultura do governo Bolsonaro - Bruno Santos/Folhapress

Além das crenças extremas, a diferença da alt-right para o conservadorismo mainstream está em seu domínio instintivo da comunicação em tempos de redes sociais, clickbait e economia da atenção.

Como tantos outros, eles perceberam as possibilidades oferecidas por um ecossistema informacional em que qualquer um pode publicar qualquer coisa a quase nenhum custo, e fontes suspeitas são difíceis de distinguir das confiáveis; em que a caça por cliques privilegia manchetes sensacionalistas e frequentemente falsas; em que a busca dos algoritmos por engajamento favorece conteúdos extremos; e em que uma interpretação pusilânime do dever jornalístico de “ouvir os dois lados” contribui para dar valor de verdade a narrativas sem qualquer lastro nos fatos, transformando mentiras em “diferenças de opinião”.

Antes e melhor que muitos, no entanto, foi a alt-right quem descobriu as vantagens de assumir a posição de uma das figuras centrais da cultura contemporânea: o troll. 

Pela pátria, pelos lulz

Embora a etimologia do termo seja duvidosa, o troll é tão ubíquo e fácil de reconhecer que a palavra já migrou para a vida offline. Ele é alguém que busca instigar reações fortes e parece se alimentar da própria capacidade de causar confrontos e expor os outros ao ridículo.

Embora seja hoje instrumentalizada para uma série de fins políticos e comerciais, na origem da trollagem como fenômeno cultural está uma ética que põe um humor iconoclástico e sem limites —lulz, na linguagem da internet— acima de qualquer consideração de bom gosto, moral, utilidade política ou mesmo bem estar alheio.

Este descompromisso com os efeitos possíveis da própria ação é facilitado pela dissociação emocional característica da vida online. Na internet, mesmo quando não estamos interagindo anonimamente, a mediação tecnológica nos desinibe para agir diferentemente do que faríamos offline, e frequentemente nos faz esquecer que há pessoas de carne e osso do outro lado.

nerd olha vários tipos de meme
Ilustração de Dale Beran para a Ilustríssima - Dale Beran

Como uma camada extra de dissociação, aquilo que a pesquisadora Whitney Phillips chamou de “máscara da trollagem” cria uma barreira afetiva que permite ao troll minimizar as consequências do que faz e sustentar a inocência de suas intenções —que não pretendem causar mal algum, são “apenas diversão”. 

Por trás deste mecanismo está uma assimetria que Phillips explica a partir da teoria do jogo de Gregory Bateson. Se uma brincadeira supõe o entendimento tácito entre os participantes que as ações que ali ocorrem devem ser interpretadas como brincadeira e não literalmente, o troll é aquele que privadamente tem consciência de estar brincando, mas o sucesso de seu jogo depende que o outro o leve a sério. 

Não há reciprocidade: ele não brinca com, mas às custas do outro, para diversão sua e de um público capaz de entender e apreciar o espetáculo. Sua comunicação é, portanto, sempre dupla. Aquilo que outros trolls sabem ser brincadeira deve ser levado a sério pelos normies (os “normais”, isto é, os não-trolls); por outro lado, quanto mais longe um troll consegue levar a brincadeira e confundir os normies, mais ele será levado a sério por seus pares. 

Aí está a chave para entender a estratégia da alt-right e, por extensão, do bolsonarismo. A dupla comunicação, e o fato de que é o troll quem decide quando está brincando e quando está falando sério, são a base da técnica característica da alt-right de introduzir ideias “polêmicas” e “controversas” no debate público de maneira irônica, humorística ou com certo distanciamento crítico, mantendo sempre a dúvida sobre o quanto ali é brincadeira ou para valer.

Assim, enquanto o público “interno” reconhece o falante como “um dos seus” e entende a mensagem como séria, mas sua veiculação como uma grande piada às custa dos normies, o agitador de extrema direita vai testando os limites do público “externo”, sem nunca deixar de ter uma rota de fuga.

Se em algum momento julgar-se que passou dos limites, ele sempre poderá dar um passo atrás e dizer que foi mal interpretado, que tratava-se de uma brincadeira, e virar a mesa, transformando o episódio num caso de perseguição ou numa defesa da livre expressão e um ataque a uma cultura em que “ninguém mais sabe brincar”.

É o que fazem os humoristas que construíram carreiras como críticos do “politicamente correto”; é também o que fizeram Eduardo Bolsonaro e Paulo Guedes com suas ameaças veladas de AI-5.

Às vezes o agitador será apanhado com uma provocação tão grande que não conseguirá recuar. Nestes casos, como Roberto Alvim e Milo Yiannopoulos, ele será expulso do debate e acabará rejeitado pelos pares porque, com sua inabilidade, ele acabou expondo a mão de seus colegas de jogo. De um jeito ou de outro, porém, ele terá conseguido o que queria, que era mandar sinais a seus asseclas e introduzir ideias extremistas no mainstream.

É por isso que internet deu a este tipo específico de troll o nome de “edgelord”: aquele que usa a ousadia (edginess) para forçar o limite (edge) do aceitável. E se alguém duvida da eficácia dessa tática, basta lembrar que nosso atual presidente foi durante anos troll de estimação de programas de rádio e TV —e o quanto a frase “mas ele só estava brincando” contribuiu para normalizar sua candidatura. 

Você trabalha para eles

O jogo da alt-right também é muito eficiente em explorar a indignação de seus adversários para seus próprios fins. Primeiro porque, na economia das redes, engajamento é tudo, não importa se bom ou ruim.

Cada trollagem bem-sucedida produz uma onda de ultraje que leva milhares de pessoas a divulgar o material “polêmico” e sua fonte, aumentando sua circulação, visibilidade e viabilidade financeira ou eleitoral. (Um antídoto para isso é comentar sem citar nomes e compartilhar apenas privadamente.)

Segundo, porque as reações indignadas podem então ser usadas para retratar os adversários como uma versão ainda mais caricata daquilo que se criticava; como otários que caíram na armadilha; como patrulhadores, inimigos da liberdade de pensamento, elitistas; ou ainda como moralistas, sem senso de humor, emocionalmente descontrolados.

Foi assim que a nova extrema direita logrou explorar tanto o rechaço ao “politicamente correto” quanto os pânicos morais característicos do conservadorismo tradicional, e posicionar-se como a voz dos desejos antissistêmicos ao mesmo tempo em que associava a esquerda —que, verdade seja dita, pouco fez para se ajudar— ao establishment, a uma cultura “uncool” e ultrapassada, ao controle de pensamento.

Quando houve a polêmica envolvendo a exposição Queermuseu, já se chamava atenção para o fato que a extrema direita aprendera a utilizar a seu favor a tendência das plataformas digitais a produzir polarização (ou cismogênese, citando Bateson novamente). A pergunta que ficava no ar então era: se as provocações já são feitas prevendo as reações contrárias e sabendo revertê-las em seu favor, e se deixá-las sem réplica também não é uma opção, que tipos de resposta poderiam ser efetivos?

Uma possibilidade que me ocorria naquela época era a operação artística conhecida como superidentificação, que consiste basicamente em, ao invés de antagonizar uma coisa diretamente, tomá-la mais ao pé da letra que seus próprios defensores e levá-la a suas últimas consequências, expondo assim o que ela tem de obsceno, indesejável e abjeto.  

Gesamtkunstwerk de Alvim

Um exemplo famoso dessa técnica foi o movimento artístico dos anos 1980 chamado NSK (Neue Slowenische Kunst, ou nova arte eslovena), do qual o grupo de rock industrial Laibach foi a parte mais conhecida. Em vez de assumir a posição familiar de críticos do regime iugoslavo, o NSK performava uma adesão ao Estado e à ideia de nação tão exagerada que tornava visível o que era problemático em ambos de maneira mais desconfortável que qualquer dissidente.

Com o tempo, a mesma tática seria usada contra o bom-mocismo liberal do “Ocidente”. Na versão do Laibach para uma canção do Queen, o ar marcial da música dava às platitudes bem-intencionadas da letra (“uma só carne, uma religião verdadeira”) conotações alarmantemente fascistas.

Usar a superidentificação no Brasil hoje seria, portanto, pegar aquilo que os edgelords bolsonaristas dizem nas entrelinhas e trazê-lo às claras, rompendo com a indefinição “é sério/é brincadeira” própria de seu jogo.

O risco, óbvio, é que haja tantos absurdos circulando no debate público que a caricatura dos mesmos não só já não cause repulsa, mas acabe angariando apoios. Em todo caso, esta discussão foi antecipada nos últimos dias pelo “polêmico” vídeo de Alvim.

Sejamos claros. O secretário não caiu por “ser” nazista; é perfeitamente provável que o nazismo seja para ele uma máscara como qualquer outra. Também não caiu por citar ou se inspirar no nazismo; outros membros do governo fizeram isso e saíram prestigiados. Tampouco caiu porque foi pego; a citação era uma trollagem e, como tal, estava lá para despertar risos nos amigos e fúria nos adversários.

Roberto Alvim caiu porque faltou-lhe a arte de seus colegas de governo para testar os limites sem perder a mão.

Na ânsia de agradar os novos patrões, ele carregou tanto na dose que, como um “idiot savant”, acabou produzindo uma obra-prima acidental da superidentificação: um discurso que juntava alguns dos elementos mais sinistros no ideário bolsonarista e os comparava explicitamente —e em termos positivos!— ao nazismo. Poucas críticas ao governo foram, até aqui, tão demolidoras quanto essa.

Há anos, o jogo do edgelord tem sido o cavalo de Troia da alt-right para penetrar no debate público e fazer o que a chama de “guerra cultural”. Mas o jogo não depende apenas da soberania que o troll tem sobre o próprio discurso, sua capacidade de operar numa zona de indistinção entre seriedade e brincadeira. Ele também depende de uma classe política, imprensa, operadores do mercado etc. dispostos a permitir ou mesmo incentivar que os agitadores sigam jogando.

Tratar Roberto Alvim como “exceção”, caso de “foro privado”, ou mesmo a prova de que o governo não é extremista e as instituições o estão moderando, é fazer-se de desentendido quanto à natureza do que ele foi pego fazendo e fingir que não há vários outros jogando o mesmo jogo todos os dias nas redes, na mídia e no discurso oficial.

É também normalizar o fato que, para além do “exagero” das referências cifradas ao nazismo, o conteúdo de sua fala e o dirigismo de seu Prêmio Nacional das Artes bastam para mostrar que a extrema direita está avançando.

É bom que quem faz isso em nome das reformas, da economia, do carreirismo ou da expediência política tenha bem claro que está contribuindo para trazer o extremismo cada vez mais para o centro da arena. Qualquer hora dessas, pode ser tarde demais para pôr as barbas de molho. 


Rodrigo Nunes é professor de filosofia moderna e contemporânea na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e autor de "Organisation of the Organisationless: Collective Action after Networks". Seu novo livro, "Beyond the Horizontal - Rethinking the Question of Organisation", sairá em breve pela editora britânica Verso.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.