Bitcoin recua mais 17% e vai a US$ 7.000

Queda ocorreu após bancos no exterior proibirem o uso de cartões para comprar moedas

Sul-coreano passa em frente a tela com cotações de bitcoins - AP Photo/Ahn Young-joon
Danielle Brant
São Paulo

O bitcoin voltou a despencar nesta segunda-feira (5) e fechou abaixo de US$ 7.000, numa reação às notícias de haverá um aumento na supervisão sobre as criptomoedas.

A moeda virtual mais popular entre os investidores recuou 17,1%, para US$ 6.683. No ano, a desvalorização está em 52,5%. Em 2017, porém, a alta foi de 1.403% --o bitcoin chegou à cotação máxima de US$ 18.674.

A queda ocorreu após bancos no Reino Unido e nos Estados Unidos proibirem o uso de cartões de crédito para compra de bitcoin e outras criptomoedas. O receio é que uma queda no valor das moedas possa tornar os clientes incapazes de pagarem as suas dívidas.

A preocupação derrubou a cotação de outras moedas. A ethereum caiu 17,3% e a ripple recuou 16,6% nesta segunda. O bitcoin cash se desvalorizou 24,5%.

China

O valor de mercado total das criptomoedas recuou para cerca de US$ 325 bilhões, de acordo com informações do site Coinmarketcap.com.

No domingo, uma revista do banco central chinês indicou que o governo pretende acabar com as últimas transações em criptomoedas que ainda são feitas na China, ao bloquear o acesso às plataformas estrangeiras e retirar seus aplicativos das plataformas móveis locais.

O objetivo é, em nome da "estabilidade financeira", apagar os "últimos focos" das moedas virtuais na China e dar fim à arrecadação de fundos em criptomoedas, "que voltam a crescer", segundo a publicação da autoridade monetária chinesa.

Rudá Pellini, sócio da plataforma de investimento Wise&Trust, afirma que quedas abruptas e "dolorosas" são comuns para quem está no mercado de criptomoedas há alguns anos. "Movimentos abruptos, muitas vezes orquestrados por grandes players, são momentos em que investidores iniciantes acabam realizando prejuízos, por não entenderem a dinâmica deste mercado", afirmou.

Ele recomenda que os investidores tenham consciência de que o mercado é volátil e de alto risco, e que não existe ganho garantido.

Na semana passada, o bitcoin afundou 20,9% e teve a pior semana em três anos. A queda ocorreu após a Índia prometer banir o uso de criptomoedas, em decisão que acompanha China e Coreia do Sul na promessa de impedir essas transações.

Na terça passada (30), o Facebook informou que vai banir anúncios que promovam produtos e serviços atrelados a criptomoedas, assim como ofertas iniciais de moedas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.