Receita da Amazon cresce 20%, mas previsão de vendas desanima

Empresa enfrenta obstáculos regulatórios na Índia e desaceleração no ecommerce da Europa

São Paulo

A Amazon anunciou nesta quinta-feira (31) seu terceiro lucro líquido seguido para o trimestre. A companhia lucrou US$ 3,03 bilhões no período finalizado em dezembro de 2018, acima do US$ 1,9 bilhão registrado no mesmo período do ano anterior.

A receita subiu 20% no comparativo anual, indo de US$ 60,45 bilhões para US$ 72,38 bilhões e superando a estimativa média de analistas de US$ 71,87 bilhões. 

A previsão de vendas para o primeiro trimestre, no entanto, ficou abaixo das estimativas de Wall Street, uma vez que a companhia enfrenta obstáculos regulatórios na Índia e uma desaceleração nas vendas de comércio eletrônico na Europa.

Funcionário deixa centro de distribuição da Amazon em Bengaluru, na Índia; companhia enfrenta desafios regulatórios de ecommerce no país
Funcionário deixa centro de distribuição da Amazon em Bengaluru, na Índia; companhia enfrenta desafios regulatórios de ecommerce no país - Abhishek N. Chinnappa/Reuters

A empresa começou a remover produtos de sua unidade da Índia na noite de quinta-feira (31) para cumprir com as novas restrições de investimento que entram em vigor em fevereiro. Elas proíbem estrangeiros de vender produtos através de fornecedores nos quais investem.

O relatório da Amazon prevê vendas líquidas de US$ 56 bilhões a US$ 60 bilhões para o primeiro trimestre, abaixo da estimativa média de analistas de US$ 60,77 bilhões, segundo dados do IBES da Refinitiv.

As vendas líquidas na América do Norte saltaram 18,3%, para US$ 44,12 bilhões no trimestre.

A receita da Amazon Web Services, divisão de computação em nuvem da empresa, subiu 45,3%, para US$ 7,43 bilhões.

No ano fiscal, as vendas aumentaram 31% para US$ 232,9 bilhões ante US$ 177,99 bilhões em 2017.

Jeff Bezos, presidente-executivo da companhia, destacou o Echo Dot, alto-falante inteligente, como o item mais vendido em todo o mundo.

Ele disse que o número de cientistas pesquisadores trabalhando na Alexa, sistema de inteligência artificial dos dispositivos da marca, mais do que dobrou no ano passado. Isso resultou em um avanço de 20% na capacidade de o sistema entender solicitações e responder a perguntas.

"Adicionamos bilhões de fatos e tornamos a Alexa mais informada do que nunca", disse, acrescentando que os clientes falaram com Alexa "dezenas de bilhões de vezes mais" em 2018 na comparação com 2017. 

Com Reuters 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.