Negociações entre Caoa e Ford avançam para compra de fábrica no ABC

Acordo pode ser anunciado em breve, mas ainda não está fechado

Raquel Landim
São Paulo

As negociações para que o grupo Caoa compre a fábrica de caminhões da Ford em São Bernardo do Campo (SP) avançaram bastante nos últimos dias.

Segundo pessoas a par das conversas, existe uma boa chance de que a aquisição seja anunciada em breve, embora ainda não exista nenhum documento de compra assinado.

O governador de São Paulo, João Doria, vem fazendo pressão para que o empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, dono do grupo Caoa, assuma a planta e preserve os empregos.

No dia 19 de fevereiro, a Ford anunciou que decidiu fechar a fábrica de caminhões em São Bernardo do Campo (SP), o que significaria o fim de cerca de 3 mil postos de trabalho.

Doria tentou convencer a empresa a desistir da ideia, mediante algum tipo de incentivo tributário, mas foi informado de que a montadora americana decidiu sair do mercado de caminhões em todo o mundo.

Desde então, o governador paulista está se empenhando pessoalmente em encontrar um comprador para a unidade. O grupo Caoa apareceu como forte candidato.

A Ford chegou a fechar acordos de confidencialidade –um compromisso de não divulgar informações sobre o assunto– com pelo menos três pretendentes. Mas foi com a Caoa que as negociações deslancharam.

No entanto, ainda faltam serem resolvidas uma série de pendências. Não se sabe, por exemplo, por quanto tempo a montadora americana estaria disposta a licenciar sua marca para que a Caoa venda os caminhões feitos na unidade.

O grupo Caoa já mantém uma operação de licenciamento com a Hyndai em uma planta em Anapólis (GO), onde são feitos diferentes modelos, como o Tucson.

A empresa brasileira também comprou parte das operações da chinesa Chery, incluindo a fábrica em Jacareí (SP). Fontes do setor automotivo afirmam que a fábrica de caminhões da Ford se encaixa nos planos de expansão da Caoa.

Procurada, a Ford não comentou.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.