Apple diz que pagamento de R$ 58 bi a União Europeia desafia realidade e bom senso

Fabricante do iPhone está apelando a segundo mais alto tribunal da Europa para anular a decisão

Luxemburgo | Reuters

A ordem da União Europeia para a Apple pagar € 13 bilhões (R$ 58 bilhões) em impostos atrasados ​​"desafia a realidade e o bom senso", afirmou a empresa americana, conforme os dois lados debatem um caso chave para a aplicação de medidas duras dos europeus em relação a acordos para multinacionais.

A fabricante do iPhone está apelando para o segundo mais alto tribunal da Europa para anular a decisão da Comissão Europeia de 2016 de que pague a quantia recorde à Irlanda.

A Irlanda, cuja economia se beneficiou do investimento de empresas multinacionais atraídas por baixas taxas de impostos, também está contestando a decisão da Comissão.

A Apple também acusou a Comissão de usar seus poderes para combater os auxílios estatais "para modernizar as mudanças nas leis nacionais", tentando efetivamente mudar o sistema tributário internacional e, no processo, criar incerteza jurídica para as empresas.

O braço executivo da UE rejeitou os argumentos, dizendo que não estava tentando policiar as leis tributárias internacionais e acusou a Irlanda de não ter feito sua lição de casa ao avaliar os impostos da Apple.

Os argumentos da Apple no Tribunal Geral vieram depois que o braço executivo da UE afirmar em 2016 que a gigante da tecnologia se beneficiou de auxílios estatais ilegais devido a duas decisões fiscais irlandesas que reduziram artificialmente sua carga tributária por mais de duas décadas.

O caso pode ajudar ou interromper a campanha da comissária europeia de concorrência, Margrethe Vestager, que também entrou com uma ação contra o Starbucks, a Fiat, a Engie, a Amazon e outras.

O vice-presidente financeiro da Apple, Luca Maestri, lidera uma delegação de seis membros ao tribunal, onde um painel de cinco juízes ouvirá argumentos durante dois dias.

"A Comissão alega que essencialmente todos os lucros da Apple com todas as suas vendas fora das Américas devem ser atribuídos a duas filiais na Irlanda", disse o advogado da Apple, Daniel Beard, ao tribunal.

Ele disse que o iPhone, o iPad, a App Store, outros produtos e serviços da Apple e os principais direitos de propriedade intelectual foram desenvolvidos nos Estados Unidos, e não na Irlanda, mostrando as falhas no caso da Comissão.

"As atividades das filiais não envolveram a criação, desenvolvimento ou gerenciamento desses direitos. Com base nos fatos deste caso, a linha principal desafia a realidade e o bom senso", afirmou Beard.

"As atividades dessas duas filiais na Irlanda simplesmente não poderiam ser responsáveis ​​por gerar quase todos os lucros da Apple fora das Américas."

Beard rejeitou as críticas à taxa de imposto de 0,005% paga pela principal unidade irlandesa da Apple em 2014, citada pela Comissão em sua decisão, dizendo que o regulador estava apenas buscando "manchetes citando números pequenos".

PERFEITAMENTE IRRELEVANTE

Pagando uma taxa tributária global média de 26%, a Apple disse que é o maior contribuinte do mundo e agora está pagando cerca de € 20 bilhões em impostos nos EUA com os mesmos lucros que a Comissão disse que deveriam ter sido tributados na Irlanda.

Em seu atual trimestre financeiro, a Apple espera uma receita de US$ 61 bilhões a US$ 64 bilhões e uma margem bruta de 37,5% a 38,5%.

O advogado da Comissão, Richard Lyal, disse que o argumento da Apple de que todas as suas atividades relacionadas à propriedade intelectual ocorrem nos Estados Unidos é inconsequente.

"Em grande parte, é perfeitamente correto e irrelevante", disse ele, acrescentando que a Irlanda estava tributando as subsidiárias irlandesas da Apple, não o grupo nem a Apple.

Ele disse que a Irlanda não examinou as funções desempenhadas pelas unidades irlandesas da Apple, os riscos assumidos e os ativos utilizados pelas subsidiárias.

"Eles simplesmente aceitaram um método arbitrário proposto pelas subsidiárias da Apple da Irlanda. Isso por si só gera uma presunção de um acordo especial, um tratamento excepcionalmente vantajoso. É claro que as autoridades fiscais não fizeram nenhuma avaliação em 1991."

Ele disse que a Comissão não tem agenda oculta.

A Irlanda afirmou ter sido alvo de críticas totalmente injustificadas e que o caso tributário da Apple se deve a uma incompatibilidade entre os sistemas tributários irlandês e norte-americano.

"A decisão da Comissão é fundamentalmente falha", disse seu advogado Paul Gallagher ao tribunal.

Espera-se que o tribunal decida nos próximos meses, com a parte perdida provavelmente recorrendo ao Tribunal de Justiça da UE e um julgamento final pode levar vários anos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.