Descrição de chapéu Deutsche Welle

Parlamento da Áustria rejeita acordo UE-Mercosul

Postura brasileira sobre queimadas na Amazônia gerou críticas ao pacto

Bonn (Alemanha) | DW

O Parlamento da Áustria aprovou na quarta-feira (18) uma moção que obriga o governo federal a vetar a aprovação do acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul perante o Conselho Europeu.

Com a rejeição pelos parlamentares, o novo governo austríaco, que deverá ser eleito no final deste mês, será obrigado a votar contra o pacto comercial entre os blocos europeu e sul-americano no âmbito do Conselho Europeu.

O órgão é responsável pela ratificação do acordo junto com o Parlamento Europeu e os demais Estados-membros. Todos os Parlamentos nacionais dos países do bloco devem aprovar o acordo de forma unânime, para permitir a ratificação por parte do Conselho.

O tratado entre o Mercosul –que inclui Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai– e a UE foi finalizado no dia 28 de junho, durante a cúpula do G20 no Japão, após 20 anos de negociações. A maior área de livre comércio do mundo gerada pelo pacto poderá significar economias tarifárias da ordem de € 4 bilhões para a UE, além de impulsionar exportações internacionais. 

A postura do governo brasileiro em relação às queimadas na Amazônia havia gerado críticas ao acordo. Alguns países europeus, como a França, ameaçaram não ratificar o tratado mencionando, entre outros pontos, as políticas ambientais adotadas pelo Brasil e sua atuação em relação aos focos de incêndio.

A proposta recebeu o apoio de quase todos os partidos austríacos, das legendas de esquerda às ultranacionalistas de direita, com a exceção do liberal Neos, que pedia apenas algumas modificações.

O SPÖ (Partido Social-Democrata austríaco), um dos que propôs a moção, disse que a aprovação foi um "grande triunfo para os consumidores, o meio ambiente, a proteção dos animais e os direitos humanos".

O conservador ÖVP (Partido Popular Austríaco), que possui a maior bancada no Parlamento, surpreendeu ao apoiar a moção. Por sua vez, o ultradireitista FPÖ (Partido da Liberdade da Áustria) disse que o acordo comercial já é parte do passado e que a Áustria não deve se ajoelhar perante os interesses da indústria.

O Partido Verde austríaco, que não têm representação no Parlamento, defendeu a necessidade de interromper o que chamou de "acordo nocivo".

A Áustria realizará eleições gerais antecipadas no dia 29 de setembro que resultarão em uma nova formação no Parlamento e um novo Executivo. O governo atual está no poder desde junho, após uma crise política que encerrou a coalizão governista entre conservadores e ultradireitistas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.