Descrição de chapéu Coronavírus

Voucher do coronavírus ainda depende de aprovação do Senado e decreto de Bolsonaro

Câmara aprovou na quinta projeto que prevê concessão durante três meses de auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais

Brasília

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse nesta sexta-feira (27) que o pagamento dos R$ 600 de auxílio emergencial por causa da pandemia do coronavírus ainda tem um caminho burocrático até que possa chegar a trabalhadores informais afetados pela crise.

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (26) projeto que prevê concessão durante três meses deste auxílio e de R$ 1.200 para mães responsáveis pelo sustento da família.

No entanto, para que possa começar a ser pago o "coronavoucher", como a ajuda foi apelidada, ainda é preciso que o texto seja aprovado pelo Senado, o que só deve acontecer na próxima semana. Além disso, é preciso que o governo federal edite um decreto com o detalhamento das regras de pagamento.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que a votação será feita remotamente na segunda-feira (30).

"Já tivemos milhões de pessoas que e foram até as agências para perguntar sobre este benefício. Por isso estamos falando que precisa do Senado e do decreto porque, senão, certamente hoje teremos pessoas lá", disse Guimarães, segundo quem está se discutindo ainda o modelo como o pagamento será feito.

Ainda não há prazo para que o pagamento seja feito.

"Tem que ser rápido. Certamente será o mais rápido possível. Não estamos esperando uma finalização [da burocracia]", afirmou Guimarães.

Segundo ele, o mais provável é que se faça um escalonamento para evitar a ida simultânea de todos os beneficiários no mesmo dia. Também pode haver transferência para outros bancos.

O presidente da Caixa afirmou que, por causa da capilaridade do banco, com 26 mil pontos de venda, é ela quem efetuará o pagamento em suas agências, casas lotéricas, correspondentes e pelo celular. Ele disse que agências do INSS e do Banco do Brasil também poderão ajudar no pagamento futuro.

"Vários milhões de brasileiros não têm conta em banco. Onde eles irão? Na Caixa ou numa lotérica da Caixa Econômica Federal."

O anúncio foi feito em uma entrevista coletiva ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que, no entanto, não ficou para responder a perguntas dos jornalistas.

A ajuda do "coronavoucher" foi aprovada por votação simbólica em sessão em que os deputados participaram virtualmente. Somente líderes partidários e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estiveram presentes no plenário.

​Inicialmente, a equipe econômica queria conceder R$ 200 aos informais. Na terça, admitiu elevar o valor a R$ 300.

O relator do projeto, Marcelo Aro (PP-MG), decidiu aumentar o auxílio para R$ 600 após Bolsonaro defender o novo valor em declarações no Palácio da Alvorada.

Segundo integrantes da equipe econômica, o impacto deve ficar em R$ 44 bilhões durante os três meses.

A intenção é amenizar o impacto da crise do coronavírus sobre a situação financeira dos trabalhadores e das mães que são chefes de família.

O projeto prevê prorrogação do prazo de três meses por ato do Executivo, enquanto durar a crise.

Apesar de o evento ter sido para anúncio de medidas econômicas, o ministro Paulo Guedes (Economia) não estava presente e não foi mencionado por Bolsonaro. O único que citou Guedes foi o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.