Descrição de chapéu

Covid também é cultura

Chegam às nossas casas livros, reportagens, músicas, vinhos, museus e galerias de arte

Washington Olivetto

Único publicitário não anglo-saxão no Hall of Fame do One Club de Nova York e no Lifetime Achievement do Clio Awards

No ano de 1967, foi criada no Brasil uma lei que permitia que as gravadoras abatessem do ICM (Imposto de Circulação de Mercadorias) 100% das despesas geradas na produção de discos de artistas brasileiros. Os discos produzidos recebiam o selo “Disco é Cultura”.

Essa lei possibilitou que André Midani, o mais importante produtor da história da música popular brasileira, montasse na Philips (atual Universal Music) o maior time de artistas de todos os tempos, a ponto de poder publicar um anúncio de página dupla nos principais jornais do país, com as fotos desses artistas e o título “Só falta o Roberto Carlos”. O Rei era contratado da concorrente CBS, que depois virou Sony Music.

Passados mais de 50 anos, dá para pensar que este 2020 da Covid, além de um ano de tragédias e tristezas, também tem sido um ano da cultura e dos aprendizados.Trancafiados em casa, todos nós estamos lendo mais do que nunca.

Chegam de manhã cedinho às nossas casas, via Amazon, livros como “Un Giorno Triste così Felice”, do jornalista italiano Lorenzo Iervolino, sobre a vida do capitão da seleção brasileira de futebol Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Oliveira.

Biografias como “Samuel Wainer - O Homem que Estava lá”, escrita por Karla Monteiro, que nas suas brilhantes 536 páginas conta a história desse jornalista incrível, que chegou a ser um dos maiores ícones da imprensa mundial, mas morreu quase esquecido ou lembrado apenas como o ex-marido da Danuza Leão.

Chegam também autobiografias como a de Woody Allen, chamada “Apropos of Nothing”, que na verdade é a propósito de uma porção de coisas; e coletâneas como “Todas as Cartas”, de Clarice Lispector.

No jornalismo, também temos tido momentos surpreendentes, como a reportagem sobre a descoberta de um apartamento em Paris repleto de obras de arte, que foi fechado e conservado intacto de 1942 até hoje.

Uma fascinante história, que acabou virando o best-seller “Paris Time Capsule”, assinado por Ella Carey.
E na publicidade aconteceram também momentos interessantes, como o comercial da Emirates, protagonizado por Pelé e Cristiano Ronaldo, com o craque português fazendo o papel de coadjuvante do Rei do Futebol.

Na televisão, surgiram filmes como “Emily in Paris”, estrelado pela encantadora filha do multi-instrumentista Phil Collins, Lily Collins, iniciando uma série que tem tudo para se transformar numa nova “Sexy and the City”.

Também na televisão, aconteceu a reinvenção de David Letterman, que depois que aposentou sua mesinha e cadeira estilo Jô Soares abandonou o terno e a gravata, deixou seus cabelos e barbas brancas crescerem e está entrevistando, de pé, gente brilhante como o Homem de Ferro Robert Downey Jr. e o rapper Kanye West.

Neste conturbado 2020, o mundo tem ouvido mais música do que nunca, seja no Spotify ou no YouTube. Ouve-se desde o recém-lançado samba-enredo da Gaviões da Fiel para o Carnaval de 2021, exaltando a democracia, com o sugestivo nome de “Basta”, até momentos históricos, como Paul McCartney e Stevie Wonder em 2010 cantando “Ebony and Ivory” para Barack Obama nos salões da Casa Branca.

Visitas a museus e galerias de arte sem ter que sair de casa também se transformaram em hábito. Você que está me lendo agora, se quiser me abandonar neste instante para fazer algo sob o ponto de vista cultural bem mais interessante, pode partir imediatamente para uma visita virtual ao Museu do Prado, na Espanha, ao Louvre, na França, ao British Museum, na Inglaterra, ou até mesmo ao Masp, em São Paulo.

Comentei essas possibilidades dentro de casa, ou indoor, como diriam os ingleses, mas muitas possibilidades outdoor também têm acontecido nesse período e estão fazendo inclusive muita gente ganhar dinheiro com elas.

Vem ganhando dinheiro aqui em Londres, por exemplo,o pessoal que vende vinhos de boa qualidade, particularmente a Hedonism Wines, na Davies St., em Mayfair, considerada a maior loja de vinhos do mundo. Fica ao lado da principal concessionária Porsche de Londres e vende algumas garrafas de vinho que custam mais caro do que um Porsche Carrera zero-quilômetro.

Conversei com o pessoal da Hedonism, e eles me disseram que neste ano estão faturando como nunca. Além de álcool nas mãos, o pessoal da grana optou por, nesses meses da pandemia, colocar também álcool da melhor qualidade na boca e na garganta.

Outro negócio que andou muito bem foi o negócio dos sapatos. Particularmente a Dr. Martens, que voltou a fazer grande sucesso. Aqui em Londres, como a maioria absoluta dos homens não anda preocupada com as opiniões da ministra Damares Alves, e na verdade nem sequer sabe que essa senhora existe, é muito normal a população masculina usar meias coloridas, incluindo algumas cor-de-rosa e sapatos furta cor.

O rei das meias coloridas é o designer Paul Smith, mas quem manda nos sapatos furtacor é a Dr. Martens, que a partir de 1960 criou sapatos históricos de diversos roqueiros, como os que Pete Townshend, do The
Who, usava nos seus shows.

Vendedores de vinhos e sapatos são da turma que está ganhando dinheiro neste ano atípico. Existe uma turma bem maior que está perdendo, e existe também um grupo pequeno, mas bem pequeno mesmo, que está ganhando demais. São os donos de empresas como Amazon, FedEx e DHL.

Ninguém precisa ter estudado em Chicago para compreender esses fenômenos. Pelo contrário, quem melhor sublinhou esse fato para mim não foi nenhum economista, foi um homem de comunicação. E, por sinal, o melhor deles: José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni.

Graças ao WhatsApp —que de um lado virou o bandido que espalha as fake news, mas de outro lado virou o mocinho das relações afetivas— tenho falado com Boni quase que diariamente, ele no Rio de Janeiro e eu aqui em Londres.

Dia desses, Boni me perguntou como iam meus negócios e respondi que sob o ponto de vista da realidade iam péssimos, porque estava ganhando pouco e gastando muito, mas que sob o ponto de vista da ficção iam ótimos, porque na noite anterior eu havia sonhado que tinha me transformado no dono da Amazon, da FedEx e da DHL.

Boni respondeu que tinha tido exatamente o mesmo sonho, só que um pouquinho aperfeiçoado. Tinha sonhado que eu era o dono da Amazon, da FedEx e da DHL e havia resolvido dar 50% dessas empresas de presente para ele.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.