Descrição de chapéu Financial Times Camex

Navio no Canal de Suez está livre para reforçar comércio global

Ever Given, da Evergreen, volta a se mover depois de quase uma semana encalhado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Londres, Cairo e Tóquio | Financial Times

O navio porta-contêineres do tamanho de um arranha-céu que esteve encalhado no Canal de Suez durante quase uma semana foi finalmente liberado na segunda-feira (29). O navio começou a se movimentar para o norte depois de uma missão de resgate dramática para reabrir uma das principais artérias comerciais do mundo.

Rebocadores que participaram do resgate tocaram suas buzinas enquanto a proa do porta-contêineres Ever Given era solta da margem leste do canal, pouco depois das 14h (horário de Londres) na segunda. A Leth Agencies, agente de trânsito no Canal de Suez, disse que a embarcação se movimentava para o norte, em direção ao Grande Lago Amargo, que faz parte do canal.

A companhia holandesa Boskalis, que fez o resgate do navio, tinha advertido que havia uma probabilidade de 70% de liberar o cargueiro nesta semana, depois que a proa da embarcação se movimentou durante a noite, advertindo que ainda estava muito encalhada.

Mas os esforços para soltar a proa do solo de argila pesada na tarde de segunda tiveram sucesso, potencialmente permitindo a rápida reabertura da via marítima ao tráfego.

Navio Evergiven foi liberado na segunda-feira (29), depois de paralisar importante rota comercial - Mohamed Abd El Ghany - 29-mar.2021/Reuters

O bloqueio criou um congestionamento de cerca de 370 navios nos dois lados do canal, por onde passam cerca de 12% do comércio global. Aproximadamente US$ 10 bilhões em produtos comerciais passam pelo canal todos os dias, segundo estimativa da Lloyd's List.

O presidente do Egito, Abdel Fattah el-Sisi, ordenou no fim de semana preparativos para remover os contêineres do navio se os esforços de reflutuação falhassem. Isso aumentou os temores de que o canal ficasse interrompido durante semanas, diante da natureza árdua e complexa de remover os produtos longe de um porto.

A notícia da liberação fez os preços do petróleo caírem, com o Brent cru, a referência internacional, caindo quase 1%, para US$ 63,99 o barril.

A companhia japonesa Shoei Kisen Kaisha, dona do navio, tinha dito antes que o salvamento estava "próximo", depois que especialistas modificaram o ângulo da embarcação.

Os esforços de resgate na segunda-feira se concentraram em aproveitar a maré alta de primavera para puxar o cargueiro com rebocadores.

A disrupção ocorreu em um momento em que as redes de suprimentos globais já sofrem estresse e as distorções causadas pela Covid-19 impuseram pressão especial sobre a disponibilidade de contêineres. Soren Skou, executivo-chefe da AP Moller-Maersk, a maior linha de porta- contêineres do mundo, disse ao FT que o bloqueio aceleraria um afastamento dos clientes das cadeias de suprimentos "just-in-time".

A perspectiva de um bloqueio demorado do canal levou várias companhias de navegação a mudar a rota de seus navios para contornar a África, o que aumenta o tempo e o custo das viagens. O grupo Evergreen, de Taiwan, que opera o Ever Given, é um dos que desviaram seus cargueiros.

Quando o canal for desbloqueado, a Autoridade do Canal de Suez, do governo egípcio, pretende trabalhar para permitir que 150 navios passem durante um dia, muito mais que os 90 que transitam num dia normal.

*Colaborou Hudson Lockett, em Hong Kong

Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves.

David Sheppard and Harry Dempsey , Heba Saleh , Leo Lewis e Kana Inagaki
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.