Kim Jong-un se diz satisfeito com visita da irmã à Coreia do Sul

Para ditador norte-coreano, é importante manter clima reconciliatório

Seul

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, afirmou nesta terça-feira (13) que é importante manter o clima reconciliatório entre as Coreias e expressou satisfação com a visita da delegação norte-coreana ao Sul para a abertura da Olimpíada de Inverno em Pyeongchang.

O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, recebe membros da delegação que visitou a Coreia do Sul, entre eles sua irmã, Kim Yo-jong
O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, recebe membros da delegação que visitou a Coreia do Sul, entre eles sua irmã, Kim Yo-jong - KCNA/Reuters

A agência estatal KCNA informou que Kim se mostrou impressionado pelas boas-vidas da Coreia do Sul e o tratamento dado à comitiva liderada por sua irmã, Kim Yo-jong, a primeira integrante do clã norte-coreano a visitar o Sul desde o fim da Guerra da Coreia, em 1953.

Kim Jong-un manifestou gratidão a Seul "por fazer esforços possíveis e sinceros" para seus convidados norte-coreanos.

"É importante continuar a ter bons resultados, intensificando o clima caloroso de reconciliação e diálogo criado pelo forte desejo e vontade comum do Norte e do Sul com a Olimpíada de Inverno como impulso", disse o líder, segundo a KCNA.

Durante sua visita a Seul, a irmã de Kim Jong-un entregou uma carta do ditador ao presidente sul-coreano, Moon Jae-in, convidando Moon para uma visita a Pyongyang. Moon respondeu que as Coreias deveriam buscar as condições que tornariam essa visita possível.​

A delegação norte-coreana retornou ao país na noite de domingo (11). Durante a visita de três dias ao Sul, membros da comitiva estiveram ao lado de líderes como o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, na abertura dos Jogos de Inverno, almoçaram com o presidente sul-coreano no palácio presidencial e, ao lado de Moon Jae-in, celebraram o primeiro time olímpico intercoreano da história na estreia do torneio feminino de hóquei no gelo.

Os norte-coreanos foram alvo de grande interesse da mídia desde que chegaram à Coreia do Sul para a Olimpíada.

Os sul-coreanos pareciam especialmente fascinados com Kim Yo-jong, a irmã de Kim Jong-un que se mostrou sorridente e tranquila na maior parte do tempo. Aos 30 anos, ela é uma figura cada vez mais proeminente no regime do irmão.

Enquanto o regime norte-coreano parece tentar uma sutil aproximação com a Coreia do Sul, Kim Jong-un ainda não deu sinais de querer envolver os EUA nas conversas de negociação.

Em entrevista à Folha na semana passada, o embaixador da Coreia do Norte no Brasil defendeu que os americanos e outras forças estrangeiras não deveriam se envolver na península Coreana. 

Mike Pence, o vice americano, disse nesta terça-feira (12) que Washington está aberta ao diálogo com Pyongyang, mas isso não teria início se Kim não desejasse.

Associated Press e Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.