Venezuela em crise vive surto de tuberculose

Má nutrição e estresse estão enfraquecendo sistema imunológico da população, dizem médico

homem doente em cama de casa
Carlos Ruiz recebe tratamento em casa para tuberculose, em Charallave, Venezuela; antes ele havia recebido diagnóstico de apendicite e outras doenças - Meridith Kohut/The New York Times
Kirk Semple
Caracas | The New York Times

Sua família pensava que ele tivesse apenas uma gripe forte, nada mais grave que isso.

Mas o estado de saúde de Victor Martinez não parava de piorar. Em meados de janeiro ele estava em um hospital, definhando, com tuberculose. Um mês mais tarde, em seu velório, seus parentes em choque tentavam entender o ressurgimento de uma doença que muitos venezuelanos imaginavam que tivesse sido praticamente relegada aos livros de história.

“Não sei o que pensar”, falou sua sobrinha, Nileydys Yesenia Aurelia Martínez. “Até mesmo a última coisa que você imaginaria que pudesse acontecer está acontecendo.”

A tuberculose, doença que até pouco tempo atrás parecia estar sob controle na Venezuela, está voltando com força, superando a capacidade de reação de um sistema de saúde falido e que está mal equipado para enfrentar seu retorno, dizem médicos e especialistas em doenças contagiosas.

Como a malária, a difteria e o sarampo, a doença vem ganhando força na Venezuela durante a crise econômica profunda que atinge praticamente todos os aspectos da vida e está causando um êxodo de venezuelanos do país, entre eles muitos médicos experientes.

Embora normalmente seja associada a setores muito pobres da população, a tuberculose agora começou a ameaçar uma faixa maior de venezuelanos, incluindo a classe média. A má nutrição decorrente da escassez de alimentos e do estresse crescente em todo o país pode estar enfraquecendo o sistema imunológico das pessoas, dizem médicos, deixando-as mais suscetíveis a contrair doenças.

E, com mais famílias mergulhando na pobreza, cada vez mais pessoas vêm sendo forçadas a compartilhar suas casas, acelerando a transmissão da doença.

“A tuberculose é a sombra da miséria”, disse José Félix Oletta, um ex-ministro da Saúde venezuelano. “Se existe uma doença que é sintoma da pobreza, é essa.”

O governo não divulga estatísticas de saúde desde o início do ano passado. Faz parte de um esforço sustentado para manter em segredo a extensão do declínio do país.

Mas, em dois centros importantes de tratamento de tuberculose em Caracas, a parcela de pacientes novos cujos exames acusam a presença da enfermidade aumentou 40% ou mais apenas nos últimos 12 meses. Alguns especialistas receiam que o índice de mortalidade ligado à tuberculose também tenha subido.

“A tuberculose nos está atacando com força”, comentou o médico Jacobus de Waard, diretor do laboratório de tuberculose do Instituto de Biomedicina, em Caracas, o maior centro público de exames clínicos da capital. “Estamos perdendo a batalha.”

No passado, o programa venezuelano de prevenção e controle da tuberculose era um dos mais fortes do hemisfério. Segundo especialistas, a Venezuela tinha um dos menores índices de infecção na América Latina.

Mas com a crise nacional se intensificando sob a Presidência de Nicolás Maduro, que chegou ao poder em 2013, o governo deixou a ameaça da tuberculose fugir de seu controle, com isso deitando a perder décadas de avanços nessa área.

Os médicos têm observado o retorno de variedades especialmente complicadas da doença, além de mais casos envolvendo cepas altamente resistentes ao tratamento com medicamentos.

“Todas essas formas de tuberculose da qual tínhamos esquecido estão começando a ressurgir”, disse De Waard.

Especialistas hoje temem que o país esteja à beira de uma epidemia de tuberculose que pode transpor as fronteiras nacionais, na medida em que mais venezuelanos deixam o país em número recorde para escapar da crise econômica e política, potencialmente exportando a doença com eles.

E, com o desmantelamento do sistema de saúde, a capacidade do governo de reagir a epidemias quase desapareceu.

médica atende doente em hospital
A médica Zhenia Fuentes examina Jesús Contreras, doente com tuberculose, em hospital em Caracas, na Venezuela - Meridith Kohut/NYT

Entre 2013 e 2015, cerca de 5% dos pacientes adultos atendidos anualmente no ambulatório e clínica de tuberculose do hospital Dr. José Ignacio Baldó, em Caracas, apresentaram a doença. A informação é da coordenadora da clínica, Zhenia M. Fuentes. No último trimestre de 2017 esse índice já alcançava cerca de 9%, e em janeiro subiu ainda mais, para 14%, segundo ela.

Os médicos dizem que os índices de infecção por tuberculose na Venezuela provavelmente ainda estão bem abaixo dos índices dos países –principalmente na África subsaariana e Ásia— que sofrem as piores epidemias da doença.

Mesmo assim, dizem especialistas, com a desintegração do sistema de saúde venezuelano, há pouco que possa impedir a tuberculose de sair de controle.

“O problema é que o país não tem meios de impedir que isso aconteça”, disse o especialista em tuberculose Julian Villalba.

Todos os principais hospitais públicos do país deveriam ter sistemas de exames para verificação de tuberculose, mas muitos estão paralisados ou foram obrigados a fechar.

No ano passado, na ausência dos materiais necessários, técnicos do hospital Dr. Rafael Quevedo Viloria, um grande hospital público do Estado de Trujillo, pararam de realizar um exame fundamental em que amostras de catarro são analisadas sob microscópio. A informação é de Miguel Fernández, diretor do programa de combate à tuberculose do hospital.

Os pacientes passaram a ser encaminhados a um hospital em outra cidade, a quatro horas de distância. Sem ter como pagar o transporte público, muitos pacientes nunca foram fazer o exame, disse Fernández.

Dos seis grandes hospitais públicos de Caracas que responderam a pedidos de informação, apenas três ainda realizam alguns exames de tuberculose, embora não façam todos os exames que seriam necessários.

Pneumonologistas e especialistas em tuberculose elogiaram a diretora atual do programa nacional de prevenção da tuberculose por seus esforços para conservar o programa em funcionamento, que incluíram o uso de seu dinheiro próprio para custear ingredientes para fazer culturas de detecção.

Mas eles disseram que a diretora, Mercedes España, tem seu trabalho dificultado pela aparente falta de interesse do governo Maduro de fazer frente às várias crises de saúde nacionais.

“Há uma ruptura ética aqui”, disse Oletta, acusando o governo de se preocupar mais com sua situação política que com a saúde pública. Ele citou a recusa da administração Maduro em divulgar as estatísticas de saúde, aparentemente por recear os custos políticos de mais más notícias.

“O resultado disso é mais injustiça na saúde, mais sofrimento, mais doença, mais mortes”, disse Oletta.

A administração Maduro não respondeu a pedidos de entrevista.

Todas as manhãs dos dias úteis, pessoas fazem fila diante do laboratório de tuberculose de De Waard para fazer exames ou receber os resultados de seus exames.

“Antes as pessoas vinham para se certificar de que não tinham a doença”, falou o médico. “Hoje elas chegam para confirmá-la.”

grupo de pessoas carrega caixão em cemitério
Jesús Contrera é enterrado em Caracas, na Venezuela, após morrer de tuberculose - Meridith Kohut/NYT

Um menino de 4 anos estava na fila numa manhã recente, acompanhado por seu pai. Sua avó tinha morrido de tuberculose uma semana antes, e sua mãe também tivera resultado positivo em seus exames.

“Eu nem sequer sabia o que era tuberculose”, falou a mãe do garoto, Jhonais Morales. “Então minha mãe morreu. Como ninguém da família tinha tido isso antes, não sabíamos o que era.”

“Toda vez que levávamos minha mãe ao hospital, davam um remédio para alguma coisa que não era seu problema. Não entendo por que nunca a fizeram fazer um exame de tuberculose.”

Para especialistas, é possível que uma grande parcela da população já seja portadora de tuberculose latente e que o aumento da desnutrição, ansiedade e outros problemas estejam enfraquecendo o sistema imunológico das pessoas e ativando a doença.

Grelis Contreras, 36 anos, começou a adoecer em outubro com os sintomas de um resfriado forte: dor de cabeça, febre, fraqueza. Pouco depois, apresentou dificuldade em respirar. Sua família vinha reduzindo seu consumo de comida havia meses para economizar dinheiro e tinha reduzido as refeições para uma por dia. Mas a perda de peso de Grelis se acentuou conforme ele foi ficando mais doente.

Ele procurou uma clínica local, e os médicos lhe disseram que ele tinha asma.

Sua condição se agravou. No edifício comercial onde ele trabalhava como segurança, colegas e funcionários começaram a reclamar de sua tosse constante, e seus chefes o obrigaram a pedir demissão.

“Eu estava mal, muito mal”, Contreras recordou. “Estava cuspindo sangue.”

No início da janeiro, pesando 23 quilos menos que no ano anterior, ele procurou um hospital, onde um imunologista examinou sua chapa do pulmão, fez o diagnóstico de uma possível tuberculose e o encaminhou ao laboratório de De Waard para exames.

Como muitos outros venezuelanos, Contreras pensava que a tuberculose fosse uma doença do passado.

Na escola, tinha aprendido que ela era a doença que matou Simón Bolívar, o libertador do país, em 1830.
Seus pensamentos se voltaram para a crise mais ampla e o homem que preside sobre ela, Maduro.

“Eu votei nele”, disse Contreras. “Mas hoje não votaria. Esse homem acabou com nossa qualidade de vida.”

Especialistas dizem que estão vendo muito mais casos não apenas de tuberculose, mas de infecções mais graves e mais casos envolvendo variedades mais raras.

No hospital José Ignacio Baldó, a pneumonologista Zhenia Fuentes mostrou uma radiografia de um paciente. Seus pulmões pareciam estar cheios de pontinhos. Era tuberculose miliar, uma forma da doença incomum e perigosa.

“Antigamente eu teria salvado esta radiografia para mostrar aos meus residentes, porque passava-se se um ano sem vermos um caso desses”, ela disse. “Hoje estamos vendo isso todas as semanas.”

médico examina raio-x de paciente com tuberculosi
O médico Jacobus de Waard, diretor do laboratório de tuberculose do Instituto de Biomedicana, examina raio-x de pulmão doente, em Caracas, na Venezuela - Meridith Kohut/NYT

Carlos Ruiz começou a adoecer em 2015. Não conseguia erguer os braços nem se dobrar para vestir as meias. Ele foi obrigado a desistir de seu trabalho de motorista de ônibus.

Os médicos diagnosticaram apendicite, entre outras doenças, lhe deram remédios errados e fizeram três cirurgias desnecessárias. Ruiz chegou a passar um ano hospitalizado.

Nada ajudou. Ele perdeu 35 quilos, quase metade de seu peso.

Em janeiro, emaciado e exausto, ele acabou chegando ao laboratório de De Waard, que diagnosticou uma forma rara de tuberculose chamada doença de Pott, que afeta a coluna vertebral.

Ruiz se recorda do que De Waard lhe falou. “Ele me disse claramente: ‘Esta doença vai matar você’.”

Ruiz começou a receber tratamento e a se recuperar. Recebeu alta médica no mês passado.


Tradução CLARA ALLAIN

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.