Descrição de chapéu Venezuela

Maduro diz que não dará 'o braço a torcer' a europeus e descarta nova eleição

Em entrevista a TV espanhola, ditador defendeu iniciativa internacional por diálogo

Madri | AFP

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, rejeitou neste domingo (3) o ultimato europeu por novas novas eleições presidenciais no país, mas disse apoiar uma iniciativa internacional para a implementação de um canal de diálogo com a oposição.

As declarações foram dadas durante uma entrevista ao canal de TV espanhol La Sexta.  

Faltando pouco para a meia-noite deste domingo, quando vence o ultimato dado por vários países europeus para que convoque eleições, Maduro disse que não dará o "braço a torcer por covardia diante das pressões". 

O ditador venezuelano Nicolás Maduro durante encontro com militares
O ditador venezuelano Nicolás Maduro durante encontro com militares - Divulgação/Presidência da Venezuela/Xinhua

"Por que a União Europeia tem que dizer a um país do mundo que já fez eleições que deve repetir suas eleições presidenciais, por que não foram vencidas por seus aliados de direita?", questionou Maduro, entrevistado em Caracas pelo jornalista Jordi Évole. 

Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Portugal e Holanda deram o ultimato a Maduro e afirmaram que se ele não for cumprido, irão reconhecer o autoproclamado presidente interino da Venezuela Juan Guaidó, que já conta com o apoio dos Estados Unidos e de vários países latino-americanos.

"Tentam nos encurralar com o ultimato para nos obrigar a ir a uma situação extrema de enfrentamento", afirmou Maduro, insistindo em sua proposta de eleições antecipadas no Parlamento, controlado pela oposição.

Maduro disse apoiar, por outro lado, a "boa iniciativa" de um grupo de  internacional integrado pela União Europeia, pelo Uruguai e pelo México, que busca "fomentar um processo político e pacífico" para encerrar a crise venezuelana. 

O grupo fará tem sua primeira reunião marcada para 7 de fevereiro em Montevidéu.

"Eu apoio esta conferência", afirmou Maduro. "Espero que desta iniciativa surja uma mesa de negociações, de diálogo entre os venezuelanos, para resolver nossos assuntos, para agendar um plano, uma rota de solução para os problemas da Venezuela."

Durante a entrevista, o presidente enviou uma mensagem a Guaidó: "Que abandone a estratégia golpista, que se quer aportar algo, sente-se em uma mesa de conversação cara a cara" com o governo de Maduro.

O opositor, porém, Guaidó já descartou a hipótese de negociações é disse que não participará do que classificou como "diálogos falsos" que dão oxigênio ao regime. Segundo ele, os venezuelanos "vão continuar nas ruas até que cesse a usurpação" de Maduro.

Guaidó é presidente da Assembleia Nacional e fez juramento em 23 de janeiro como presidente encarregado do país, baseando-se no argumento de que as eleições que deram novo mandato a Maduro foram fraudulentas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.