Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Emirados Árabes querem que Brasil critique Irã em troca de aliança

Governo Bolsonaro prepara visita à região após polêmica por abertura de escritório em Jerusalém

Ricardo Della Coletta
Brasília e São Paulo

Os Emirados Árabes Unidos estão cobrando uma espécie de “pedágio” para que apareceram como aliado do governo de Jair Bolsonaro no mundo árabe: querem que o Brasil adote uma posição mais crítica contra o Irã e se oponha a qualquer tentativa de salvar o acordo nuclear iraniano.

O chanceler Ernesto Araújo está patrocinando uma aproximação com a confederação de monarquias do golfo Pérsico para defender o governo das críticas de que o alinhamento de Bolsonaro com Israel pode prejudicar o comércio do Brasil com os países árabes.

Nesta quinta-feira (4), em uma audiência na Comissão de Relações Exteriores do Senado, o chanceler informou que está preparando uma agenda de visitas de Bolsonaro ao Oriente Médio.

“Temos a intenção de preparar visitas presidenciais a países-chave daquela região”, declarou, citando os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita como dois possíveis destinos. Segundo o chanceler, a agenda pode ocorrer ainda no primeiro semestre.

Durante a viagem oficial de Bolsonaro a Israel, no início desta semana, o presidente anunciou a abertura de um escritório comercial do Brasil em Jerusalém, cidade disputada por israelenses e palestinos.

Embora seja um recuo em relação à sua promessa de campanha, de transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, o gesto incomodou países árabes.

As reuniões entre diplomatas brasileiros e autoridades dos Emirados têm ocorrido desde o início do governo Bolsonaro, mas os contatos se iniciaram durante a transição.

O primeiro convite do presidente Khalifa bin Zayid Al Nahyan para que Bolsonaro visitasse Abu Dhabi foi feito em dezembro, antes do início do atual mandato.

O convite foi reforçado em março, quando o chefe da diplomacia dos Emirados, xeque Abdullah bin Zayed Al Nahyan, viajou a Brasília e se reuniu com Araújo e com Bolsonaro.

A maior preocupação, principalmente do setor do agronegócio brasileiro, é que a aproximação com Israel gere retaliações comerciais de países árabes consumidores de carne brasileira.

A viagem de Bolsonaro ao Oriente Médio está sendo preparada justamente para argumentar que o Brasil mantém boas relações com nações importantes do mundo árabe e de maioria islâmica.

“Temos uma balança comercial com a comunidade árabe que nos interessa manter. Eles são nossos parceiros economicamente”, afirmou nesta quinta o general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, em transmissão ao vivo pelas redes sociais ao lado de Bolsonaro.

Enquanto a visita aos Emirados Árabes é tratada como certa no Itamaraty, dependendo apenas de detalhes, ainda há dúvidas se a Arábia Saudita estará no roteiro —uma visita ao reino poderia causar constrangimentos para Bolsonaro na arena global.

O príncipe herdeiro saudita, Mohammed Bin Salman, enfrenta um isolamento internacional desde que foi acusado de envolvimento no assassinato de Jamar Khashoggi, jornalista daquele país que escrevia para o The Washington Post.

Segundo interlocutores no governo, nas reuniões as autoridades dos Emirados Árabes Unidos manifestam grande interesse em ampliar investimentos no Brasil. 

O principal alvo dos negociadores brasileiros são os fundos soberanos geridos pelo governo daquele país, que tem a sexta maior reserva de petróleo do mundo.

Além do mais, os emirados são hoje o terceiro destino de produtos brasileiros ao mundo árabe. Em 2018, as exportações somaram cerca de US$ 2,03 bilhões.

Além de servir como um “escudo” contra as acusações de que Bolsonaro estimula uma política contrária aos países árabes, o governo brasileiro está interessado em usar os Emirados como um “hub” logístico para enviar produtos agrícolas à Ásia, sobretudo à Índia e à Malásia.

Para potencializar a parceria, o Brasil e os emirados estão negociando um acordo de facilitação aduaneira que, segundo autoridades de Brasília, pode potencializar a parceria comercial entre os dois países e o uso do Golfo Pérsico como um “reexportador” de bens brasileiros.

Os emirados, no entanto, pressionam para que essa aproximação comercial seja acompanhada de uma aliança geopolítica.

Tanto os Emirados Árabes quanto a Arábia Saudita, ambos aliados dos EUA, são rivais do Irã no Oriente Médio.

De acordo com pessoas que acompanham as tratativas, os Emirados têm reiterado que gostariam de uma posição mais dura do Brasil contra o Irã.

Além de esperarem contar com o voto do Brasil em organismos internacionais em temas relacionados com o país persa, eles querem uma manifestação do governo Bolsonaro contra o acordo nuclear iraniano de 2015.

O gesto teria um valor simbólico a mais porque a diplomacia brasileira nos governos petistas se empenhou em mediar uma tratativa semelhante com os iranianos.

O objetivo do acordo era desmantelar o programa nuclear de Teerã em troca do levantamento de sanções internacionais.

Em 2018, no entanto, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a saída de seu país do acordo e a retomada das sanções.

A União Europeia continua defendendo o acordo com os iranianos e iniciou uma queda de braço com os EUA para tentar salvar o entendimento.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.