Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Após dizer que Hamas deveria explodir, Flávio Bolsonaro recua e apaga publicação

'Quero que vocês se explodam', escreveu senador sobre grupo palestino

São Paulo

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) escreveu nas redes sociais nesta terça-feira (2) que o movimento radical islâmico Hamas deveria explodir. Pouco depois, no entanto, voltou atrás e apagou a publicação com a afirmação. 

"Quero que vocês se EXPLODAM!!!", escreveu o senador ao compartilhar uma reportagem do site da revista Exame sobre um pedido do Hamas para que o governo brasileiro se retrate.

A declaração foi dada um dia após o grupo palestino ter criticado a viagem do pai do senador, o presidente Jair Bolsonaro, a Israel —Flávio faz parte da comitiva, que retorna para o Brasil na manhã desta quarta-feira (3).  

A postagem do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que depois foi apagada
A postagem do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que depois foi apagada - Reprodução/Twitter

Pouco tempo depois, porém, a postagem foi apagada da conta do senador. Ele não deu nenhuma justificativa para o que ocorreu. 

 
Considerado um grupo terrorista por Israel, pelos Estados Unidos e pela União Europeia, o Hamas controla a faixa de Gaza e mantém uma relação de hostilidades com Israel. 

No fim de março, o governo israelense bombardeou posições do grupo palestino após foguetes terem sido disparados da faixa de Gaza em direção a Tel Aviv

Na segunda (1º), o Hamas divulgou uma nota na qual condenou a viagem de Bolsonaro e afirmou que a aproximação do presidente brasileiro com o governo israelense "não apenas contradiz a atitude histórica do povo brasileiro, que apoia a luta pela liberdade do povo palestino contra a ocupação, mas também viola as leis e normas internacionais”.

A crítica foi feita após o presidente Bolsonaro ter feito uma visita, ao lado do premiê israelense, Binyamin Netanyahu, ao Muro das Lamentações. O local, sagrado para os judeus, fica na parte Oriental de Jerusalém, região que também é reivindicada pelos palestinos.

Por isso, líderes mundiais evitam ir ao local ao lado do primeiro-ministro israelense e preferem classificar a visita como uma ação de caráter privado, e não como uma visita de Estado.   

Desde que foi eleito, Bolsonaro tem defendido uma aproximação com Israel. No domingo (31), anunciou a abertura de um escritório comercial em Jerusalém, medida que desagradou os palestinos

O brasileiro já disse também que pretende mudar a embaixada para a cidade, contrariando assim a posição da ONU, que aconselha os países a manterem suas representações em Tel Aviv até que a disputa por Jerusalém entre israelenses e palestinos esteja resolvida.   

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.