Twitter anuncia que vai restringir alcance de políticos que violarem suas regras

Medida poderá afetar publicações de Donald Trump e Jair Bolsonaro na plataforma

São Paulo

O Twitter anunciou nesta quinta-feira (27) que passará a restringir o alcance de publicações de políticos que violem suas regras, medida que pode afetar diversos líderes mundiais, incluindo os presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro. 

A empresa, assim como o Facebook e o Google, sofreu diversas críticas por não fazer o suficiente para conter o discurso de ódio em sua plataforma. A medida é mais uma tentativa de resolver a questão

Durante anos as figuras políticas tiveram uma espécie de salvo-conduto na plataforma. A empresa sempre afirmou que havia interesse público em manter as postagens de políticos importantes, independentemente do conteúdo.

Isso significava que mesmo que suas publicações violassem alguma regra, elas não eram apagadas, e a conta não era bloqueada.

Logo do Twitter é exibido na Bolsa de Nova York; empresa anunciou novas regras para contas de políticos
Logo do Twitter é exibido na Bolsa de Nova York; empresa anunciou novas regras para contas de políticos - Emmanuel Dunand - 7.nov.13/AFP

É esse mecanismo que passa a ser alterado a partir desta quinta, segundo o comunicado do Twitter —a medida não é retroativa. 

A partir de agora, as postagens deste tipo feitas por líderes políticos receberão um aviso comunicando que ela violou as regras da plataforma, semelhante ao que atualmente é feito com conteúdo considerado sensível. Quem quiser poderá clicar para ver o conteúdo normalmente.  

“As regras do Twitter sobre comportamento abusivo aplicam-se a esse Tweet. No entanto, o Twitter determinou que pode ser do interesse público que o Tweet continue disponível”, vai afirmar o texto que aparecerá nas timelines dos usuários e também nas buscas. 

A circulação dessas publicações também será limitada. Elas não aparecerão, por exemplo, em páginas especiais de eventos ao vivo ou em recomendações.   

Para ser enquadrado nas novas regras, o usuário precisa cumprir três requisitos: ter ao menos 100 mil seguidores; ter uma conta verificada; e ou ocupar um cargo ou estar concorrendo a um ou estar sendo considerado para uma posição no governo (um presidente eleito que ainda não tomou posse, por exemplo). 

Quem não cumprir esses três pontos será considerado um usuário comum e, portanto, terá simplesmente sua publicação apagada caso viole as regras da plataforma. 

Tanto Trump (com 61,4 milhões de seguidores) quanto Bolsonaro (4,6 milhões), assim como diversos outros líderes mundiais, enquadram-se nesses critérios e passarão a ser submetidos as novas regras. 

Os dois são conhecidos por usar o Twitter como ferramenta de comunicação do governo, inclusive fazendo anúncios e atacando adversários na plataforma. 

O Twitter também avisou que poderá deletar os tuítes de líderes políticos caso considere que eles não tenham interesse público. Uma equipe especial será criada para analisar este tipo de publicação e decidir o que receberá o aviso, o que será mantido e o que será apagado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.