Descrição de chapéu Coreia do Norte

Economia da Coreia do Norte encolhe 4,1% e tem pior queda em 21 anos

Sanções internacionais e seca comprometem a produção no país

Seul | Reuters

A economia da Coreia do Norte, atingida por sanções internacionais e por uma seca severa, encolheu em 2018 pelo segundo ano seguido e teve a maior retração em 21 anos, segundo o banco central da Coreia do Sul.

O PIB da Coreia do Norte ficou 4,1% menor no ano passado em termos reais, o pior resultado desde 1997, e o segundo declínio consecutivo depois de uma queda de 3,5% em 2017, estimou a entidade sul-coreana. 

O ditador Kim Jong-un observa teste com míssel na quinta (25) - KCNA/AFP

A Coreia do Norte não revela nenhuma estatística sobre sua economia. O banco central da Coreia do Sul publica estimativas sobre o país vizinho desde 1991, feitas com base em várias fontes, incluindo agências de comércio exterior.

O comércio internacional da Coreia do Norte registrou queda de 48,4% em seu valor em 2018, pois as sanções internacionais aplicadas a partir de 2016 levaram a um corte de quase 90% nas exportações, segundo o banco sul-coreano.

O setor de mineração teve queda de 17,8% devido a sanções às exportações de carvão e outros itens, enquanto agricultura, pesca e extração de produtos florestais caíram 1,8% por causa da seca.

A população da Coreia do Norte é estimada em 25 milhões de pessoas (a Grande São Paulo tem 21 milhões) e a renda per capita é de US$ 1.298 (no Brasil, é de US$ 9.821, ou R$ 37 mil), segundo o banco central sul-coreano. 

"Com as sanções dadas à Coreia do Norte, não há como a economia não se contrair severamente", disse Benjamin Silberstein, especialista em economia norte-coreana, baseado no centro Stimson, nos EUA.

"Os dados sugerem que está havendo um aumento massivo do uso interno de carvão e minerais. A indústria doméstica está provavelmente sendo alimentada com energia barata, dada a quantidade de produção que segue sendo feita", disse. 

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul impõem sanções internacionais contra a Coreia do Norte, como represália pelo país estar desenvolvendo armas nucleares e um programa de mísseis.

O ditador norte-coreano Kim Jong-un e o presidente dos EUA, Donald Trump, tiveram três reuniões presenciais desde junho de 2018, mas não chegaram a um acordo. 

A Cruz Vermelha alertou na semana passada que houve aumento no número de pessoas com desnutrição, pois a colheita rendeu apenas metade da quantidade de comida esperada.

O funcionário da ONU James Belgrave visitou a Coreia do Norte em abril e disse que houve uma queda de 20% no produção de trigo e cevada, devido à um período de seca.

"O trigo e a cevada que foram colhidos pareciam muito secos, mal desenvolvidos e menores do que deveriam ser", disse Belgrave.

Na década de 1990, uma grande crise de falta de alimentos na Coreia do Norte matou mais de um milhão de pessoas. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.