Descrição de chapéu The Washington Post

Atirador de El Paso disse que visava matar mexicanos, segundo a polícia

Ataque matou 22 pessoas em hipermercado perto da fronteira com o México

El Paso (EUA) | Washington Post

O acusado de matar 22 pessoas em um hipermercado Walmart em El Paso (Texas) no sábado (3) disse às autoridades que ele tinha os mexicanos como alvo e confessou que cometeu o tiroteio, informou a polícia.

Policiais que atenderam à ocorrência avistaram um carro parado em um cruzamento não muito longe do Walmart, escreveu um detetive da polícia de El Paso em depoimento obtido pelo jornal The Washington Post.

Então eles viram um homem —identificado como Patrick Crusius, o jovem de 21 anos acusado de assassinato no caso—  sair do carro com as mãos levantadas, dizia o depoimento.

Ele lhes disse: "Eu sou o atirador", declarou o detetive Adrian Garcia no documento que foi apresentado a um juiz no domingo (4), dia seguinte ao tiroteio.

Autoridades acreditam que Crusius foi o autor de um manifesto postado online pouco antes do ataque que denunciou o que chamava de "invasão hispânica do Texas". As autoridades federais classificaram o ataque —que também deixou dezenas de pessoas feridas—  como terrorismo doméstico e disseram que estão avaliando acusações federais de crimes de ódio no caso.

A chacina de El Paso foi um dos dois tiroteios em massa que ocorreram naquele fim de semana. Poucas horas depois, um atirador em Dayton, Estado de Ohio, matou nove pessoas antes que policiais o matassem.

Crusius está preso desde que se entregou. As autoridades dizem que ele tem cooperado e respondido às perguntas. Greg Allen, chefe de polícia de El Paso, disse que o suspeito parecia estar "em estado de choque e confusão" e não demonstrou qualquer arrependimento aos investigadores.

De acordo com o depoimento de Garcia, Crusius renunciou a seu direito a um advogado e concordou em falar, dizendo à polícia que veio de Allen, uma cidade ao norte de Dallas, Texas, com um rifle de assalto e vários pentes de munição.

"O réu declarou que depois que entrou na loja abriu fogo usando sua AK-47, atirando contra várias vítimas inocentes", escreveu Garcia. O detetive acrescentou que Crusius disse que seus alvos eram "mexicanos".

O carro de onde ele saiu no sábado estava a cerca de 800 metros do Walmart, parado em uma rua que basicamente divide a área comercial da área residencial.

Garcia escreveu que o patrulheiro do Texas que ia para o local do tiroteio viu o veículo parado em uma faixa para virar à esquerda. Não ficou claro para onde Crusius se dirigia, embora Allen tenha sugerido que ele não conhecia bem a área e se perdeu em um bairro ao chegar.

Um advogado de Crusius não respondeu imediatamente a um pedido de comentários sobre o depoimento. Parentes de Crusius lamentaram "a destruição que Patrick fez" e condenaram as ideias descritas na declaração online.

"As ações de Patrick foram aparentemente influenciadas e informadas por pessoas que não conhecemos, e por ideias e opiniões que não aceitamos ou toleramos, de forma alguma", disse sua família em um comunicado divulgado por um advogado. "Ele foi criado em uma família que ensinou amor, gentileza, respeito e tolerância —rejeitando todas as formas de racismo, preconceito, ódio e violência."

O FBI enviou oficiais de uma célula de terrorismo e crimes de ódio domésticos para investigar o tiroteio em El Paso. O departamento também disse nesta semana que está investigando o atirador de Dayton depois de saber que estava interessado em "ideologias violentas" e, separadamente, anunciou que abriu uma investigação sobre terrorismo em um tiroteio ocorrido em 28 de julho em um festival de comida em Gilroy, na Califórnia.

Durante o tiroteio em Gilroy, seis dias antes do ataque em El Paso, um atirador matou três pessoas antes de disparar contra si mesmo. O FBI disse que abriu a investigação sobre terrorismo doméstico nesse caso, depois de saber que o atirador também havia explorado "ideologias violentas" e elaborado uma lista de possíveis alvos em todo o país.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.