Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Espero que os brasileiros tenham logo um presidente à altura do cargo, diz Macron

Presidente francês respondeu a ataques feitos contra ele por Jair Bolsonaro e sua equipe

Lucas Neves
Paris

O presidente francês, Emmanuel Macron, em um novo episódio da crise diplomática entre Brasil e França devido à questão ambiental na Amazônia, voltou a subir o tom contra Jair Bolsonaro nesta segunda (26), dizendo esperar que “os brasileiros tenham logo um presidente que se comporte à altura” do cargo.

Em entrevista ao lado do presidente chileno, Sebastián Piñera, no âmbito da cúpula do G7 (clube dos países ricos), o chefe de Estado francês afirmou que “é triste” ver ministros brasileiros insultarem líderes estrangeiros.

"É triste, mas é triste primeiro para ele [Bolsonaro] e para os brasileiros", afirmou o francês. 

O presidente francês Emmanuel Macron, durante entrevista coletiva em Biarritz, na França - Francois Mori/Reuters

No último fim de semana, o titular da Educação, Abraham Weintraub, escreveu que Macron "é apenas um calhorda oportunista buscando apoio do lobby agrícola francês".

"Os franceses elegeram esse Macron, porém, nós já elegemos Le Ladrón [referência ao ex-presidente Lula], que hoje está enjauladón... Ferro no cretino do Macron, não nos franceses...", publicou Weintraub, na sequência.

Já Bolsonaro zombou da mulher do francês, Brigitte Macron, no Facebook, ao endossar um comentário ofensivo à primeira-dama da França feito por um de seus seguidores.

O usuário Rodrigo Andreaça publicou uma imagem na qual se vê uma fotografia de Bolsonaro e de sua esposa, Michelle Bolsonaro, abaixo de um retrato de Macron junto a sua mulher.

Ao lado das fotos dos casais, há os dizeres: “Entende agora por que Macron persegue Bolsonaro?”. O perfil do mandatário brasileiro respondeu a Andreaça: “Não humilha, cara. Kkkkkkk”, dando a entender que as recentes críticas do francês seriam motivadas por inveja de Michelle.

“Penso que as mulheres brasileiras sentem vergonha ao ler isso, vindo de seu presidente, além das pessoas que esperam que ele represente bem seu país”, afirmou o líder europeu, classificando as palavras do brasileiro sobre sua esposa como “extremamente desrespeitosas”.

"Como tenho uma grande amizade e respeito pelo povo brasileiro, espero que tenham logo um presidente que se comporte à altura [do cargo]", disse Macron. 

Ao lado do francês durante a declaração, o chileno Piñera se manteve em silêncio e não comentou a briga entre Paris e Brasília —​ele é considerado um aliado regional de Bolsonaro. 

Macron descreveu os últimos lances da crise diplomática com o Brasil como um “grande mal-entendido”.

“Bolsonaro me prometeu, com a mão no peito [na cúpula do G20, em julho, no Japão], fazer tudo pelo reflorestamento e respeitar os engajamentos do Acordo de Paris [sobre a mudança climática] para podermos fechar o pacto comercial [entre União Europeia e Mercosul]. Devo dizer que ele não falou a verdade”, acrescentou.

“Dias depois, o presidente demitiu cientistas de seu governo”, lamentou o francês, referindo-se ao afastamento do presidente do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão, após a divulgação de estatísticas sobre o desmatamento que desagradaram ao governo.

​Macron lembrou ainda a saia justa a que foi submetido o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, em recente passagem pelo Brasil. Na ocasião, Bolsonaro desmarcou uma audiência com o visitante e, no horário marcado para a reunião, fez uma transmissão ao vivo na internet enquanto cortava o cabelo.

"Ele teve um compromisso urgente no barbeiro quando estava para receber o ministro das Relações Exteriores [da França]", ironizou Macron. 

Curiosamente, na segunda, a resposta do presidente francês à pergunta de um jornalista sobre as rusgas com o governo brasileiro começou com um “sem comentários”.

Mais cedo, em participação num programa televisivo, a ministra da Justiça da França, Nicole Belloubet, havia qualificado como “baixezas” os insultos de políticos brasileiros a Macron e sua mulher.

Comentaristas na mídia francesa também falaram em “vulgaridades no limite da decência”.

Bolsonaro respondeu às críticas na manhã desta segunda. 

"Não podemos aceitar que um presidente, Macron, dispare ataques descabidos e gratuitos à Amazônia, nem que disfarce suas intenções atrás da ideia de uma 'aliança' dos países do G7 para 'salvar' a Amazônia, como se fôssemos uma colônia ou uma terra de ninguém", publicou o presidente, em uma rede social.

Brasil e França vivem a mais séria crise diplomática desde a década de 1960, na opinião de diplomatas europeus e brasileiros ouvidos pela Folha.

Os desentendimentos entre os dois líderes se acirraram desde que o brasileiro ameaçou deixar o Acordo de Paris sobre o Clima e o francês reagiu prometendo barrar o acordo comercial entre União Europeia e Mercosul.

Na quinta-feira (22), Macron disse que as queimadas na Amazônia geraram uma crise internacional e convocou os membros do G7 a discutir soluções para o tema.

Bolsonaro reagiu às críticas. “A sugestão do presidente francês, de que assuntos amazônicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século 21”, reagiu Bolsonaro no Twitter. 

Também na quinta, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado federal e filho do presidente, compartilhou um vídeo com o título "Macron é um idiota".

Na sexta-feira (23), Bolsonaro voltou a criticar o presidente francês e o acusou de tentar potencializar o ódio contra o Brasil.  

O tuíte de Eduardo, cotado para assumir a embaixada do Brasil em Washington, foi considerado uma grosseria sem precedentes. A troca de farpas foi antecedida por uma campanha do Itamaraty nas redes sociais em que o ministério fazia comparações pouco elogiosas à França.

Diplomatas ouvidos pela Folha na sexta consideram que as tensões são graves o suficiente para reduzir muito as chances de o acordo entre União Europeia e Mercosul ser aprovado no congresso francês. 

Segundo diplomatas europeus, o governo não vai lutar por um acordo que é impopular entre vários setores, como agricultores e ambientalistas, e ainda por cima beneficiaria um presidente que os insulta.

Intercâmbio cultural

1816 - Missão artística francesa 
A pedido do príncipe regente dom João 6º, um grupo francês de pintores, escultores, arquitetos e gravuristas veio ao Brasil fundar a primeira instituição oficial de ensino de artes, a Escola Real das Ciências, Artes e Ofícios (Academia Imperial de Belas Artes depois de 1826)

1934 - Fundação da USP
A fundação da universidade congregou sete instituições já existentes, como a Faculdade de Direito e a Faculdade de Medicina, e criou a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Entre os primeiros docentes convidados, estavam aqueles da missão francesa, como o historiador Fernand Braudel e o antropólogo Claude Lévi-Strauss

1959 - Criação da Casa do Brasil (“Maison du Brésil”) na Cidade Universitária de Paris
Até hoje, acolhe professores, pesquisadores e estudantes brasileiros que chegam a Paris em programas acadêmicos, bem como artistas e profissionais em estágio de aperfeiçoamento. O ex-ministro do STF Francisco Rezek e o fotógrafo Sebastião Salgado já passaram por lá

2005 - Ano do Brasil na França
França recebeu cerca de 400 eventos relacionados a teatro, cinema, dança, fotografia, gastronomia, esporte, música, artes plásticas, literatura e design brasileiros. Gilberto Gil e Caetano Veloso fizeram um show na praça da Bastilha, em Paris. Em 2009, foi a vez da França vir ao Brasil com a mesma iniciativa

Acordos políticos

1826
Tratado de Amizade, Navegação e Comércio entre o Brasil e a França. O documento acordava, em 26 artigos, tópicos como a paz constante e a amizade perpétua, liberdade de comércio e navegação e políticas para criminosos

2003
O Brasil é convidado a participar da cúpula do então G8, realizada na cidade francesa de Evian, a convite da França

2008
O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy e o ex-presidente Lula assinam o Plano de Ação da Parceria Estratégica Brasil-França, voltado para cooperação nas áreas de defesa, espaço, energia nuclear, desenvolvimento sustentável, ciência e tecnologia, temas migratórios, entre outros

2017
Inauguração da ponte sobre o rio Oiapoque, que liga Oiapoque, no Amapá, e Saint-Georges de l’Oyapock, no território ultramarino da França, a Guiana Francesa. O investimento de R$ 68 milhões foi rachado meio a meio entre Brasil e França

2018
O submarino Riachuelo, fruto do Plano de Ação da Parceria Estratégica Brasil-França, é lançado ao mar no mês de dezembro, sob o ex-presidente Michel Temer

Fontes: Biblioteca Nacional Digital, FGV CPDOC, Maison du Brésil, Jornal da USP, Ministério da Economia, Ministério das Relações Exteriores e Portal da Câmara dos Deputados

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.