Descrição de chapéu Diplomacia Brasileira

Bolsonaro decide indicar Nestor Forster para embaixada nos Estados Unidos

Segundo representantes da diplomacia, a ideia do presidente é efetivar a indicação em novembro

Gustavo Uribe
Tóquio

Com a desistência do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o presidente Jair Bolsonaro decidiu indicar o encarregado de negócios Nestor Forster para o posto de embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

O diplomata, que é próximo ao escritor Olavo de Carvalho e ao chanceler Ernesto Araújo, era o primeiro nome cotado para a função, mas acabou não sendo efetivado após o presidente decidir indicar seu filho. Foi Forster, aliás, quem apresentou Olavo a Ernesto. 

O diplomata Nestor Forster, que comanda interinamente a embaixada do Brasil nos EUA - Itamaraty/Divulgação

Segundo relatos feitos à Folha, Bolsonaro informou a assessores presidenciais que pretende enviar a indicação do diplomata ao Senado Federal assim que retornar ao Brasil, em novembro, e que Forster já foi sondado e avisado da intenção.

"Já temos o nome, pronto para ser anunciado, e aguardamos os próximos dias, porque depende de ele aceitar o convite também", disse. "Pode ser o Nestor Forster, um bom nome", acrescentou.

"Dificilmente alguém vai negar ou recusar uma honrosa missão em Washington. Mas temos de ouvi-lo antes de anunciar."

Em conversas reservadas, o presidente disse ainda que a afinidade ideológica do diplomata com o seu governo foi um fator determinante para a escolha.

Na recente crise ambiental, após a série de queimadas na floresta amazônica, por exemplo, Forster disse que é "desonesto" relacionar o episódio à política do governo e chamou de "histeria injustificada" a repercussão negativa no exterior.

Na segunda-feira (21), antes de Eduardo optar permanecer no Brasil e se tornar líder do PSL na Câmara dos Deputados, o presidente já havia sinalizado que o diplomata era o seu nome favorito para assumir o posto. 

Em junho, o Forster foi promovido ao posto de ministro de primeira classe, tornando-se apto a assumir uma embaixada. 

O diplomata não faz parte da nova safra de “olavetes”. Ele conheceu o escritor em 1996, por intermédio do jornalista Paulo Francis, de quem Nestor era amigo. Olavo, nos anos 1990, era admirador de Francis e até dedicou um de seus livros a ele. Desde então, Olavo e Nestor se tornaram muito amigos.

Mesmo quando o embaixador Sergio Amaral ainda estava no cargo, Nestor já era bem ativo na embaixada.

Quando o presidente Bolsonaro visitou Donald Trump, em março, Amaral organizou um jantar para convidados em torno do líder brasileiro, na maioria membros do establishment de Washington. Teve, no entanto, que desconvidar todo mundo.

Nestor, então, formulou uma lista mais afinada ideologicamente com o bolsonarismo e realizou a chamada "Santa Ceia da Direita". 

Desde abril, quando Amaral foi removido do posto, Forster teve participações em reuniões importantes do governo brasileiro nos Estados Unidos.

Ele estava presente, por exemplo, no encontro de Ernesto com integrantes da alta cúpula do governo Trump, como o secretário de Estado, Mike Pompeo, e ajudou a costurar a reunião de Bolsonaro com o presidente americano durante a cúpula do G20.

"A principio, como ele já está lá, é um grandão ele, conheço ele bem, nos tratou muito bem, é uma pessoa ativa, e seria um bom nome para Washington", disse Bolsonaro nesta quarta (24). 

A aposta do governo brasileiro é de que, por ser um diplomata de carreira, Forster não terá dificuldades de ser aprovado em sabatina do Senado. Além disso, sua proximidade com políticos do Partido Republicano deve facilitar a obtenção do agrément pelo governo norte-americano.

No início do mandato de Bolsonaro, Forster era cotado para ser chefe de gabinete do chanceler, e sua nomeação chegou a sair no Diário Oficial da União. Depois, no entanto, foi revista para que ele assumisse o posto na embaixada.

Ele já teve passagens anteriores pela embaixada dos Estados Unidos e atuou nas representações da Costa Rica e do Canadá. Em 1991, foi um dos responsáveis pela elaboração do manual de redação da Presidência da República, usado até hoje.

Colaborou Patrícia Campos Mello, de São Paulo

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.