'Evo errou ao tentar 4º mandato, mas o que fizeram com ele foi golpe', diz Lula

Ex-presidente brasileiro também criticou a postura de Bolsonaro em relação aos EUA

São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, em entrevista ao jornal inglês The Guardian, que a crise política na Bolívia o entristece profundamente. 

"Meu amigo Evo [Morales] cometeu um erro ao tentar um quarto mandato como presidente. Mas o que fizeram com ele foi um crime. Aquilo foi um golpe. Isso é terrível para a América Latina", disse Lula, em entrevista feita em São Paulo e publicada nesta sexta (22). 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso um dia após deixar a prisão, em São Bernardo do Campo
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso um dia após deixar a prisão, em São Bernardo do Campo - Miguel Schincariol - 9.nov.19/AFP

Evo renunciou ao cargo de presidente em 10 de novembro, após ser alvo da pressão de militares e de uma onda de protestos, surgidos após ele ter sido apontado como vencedor nas eleições de 20 de outubro.

Ele estava no cargo desde 2006, e iria para o quarto mandato.

A OEA (Organização dos Estados Americanos) fez uma auditoria da apuração, apontou falhas e recomendou a anulação da eleição. 

Exilado no México, Evo disse nessa sexta estar convencido de que em 4 de novembro sofreu um atentado fracassado, quando o helicóptero em que viajava apresentou um problema mecânico e fez um pouso de emergência.

Ele concedeu entrevista a um programa da TV russa RT apresentado pelo ex-presidente do Equador Rafael Correa. 

Evo e Lula tiveram uma relação próxima durante o mandato do petista (2003-2010). Em 2006, o líder boliviano nacionalizou propriedades da Petrobras no país. 

Lula, 74, também disse estar excitado em ver líderes de esquerda no comando da Argentina e do México. Alberto Fernández, com Cristina Kirchner como vice, assume a Casa Rosada em dezembro. No México, Andrés Manuel López Obrador está na Presidência há quase um ano.

O petista também comentou a atuação do presidente Jair Bolsonaro na política externa.

"A submissão dele aos EUA é realmente embaraçosa. A imagem do Brasil é negativa agora. Nós temos um presidente que não governa, que fica discutindo fake news 24 horas por dia. O Brasil precisa ter um papel no cenário internacional", disse.

O ex-presidente foi solto em 8 de novembro, após 580 dias preso na sede da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba.

A soltura ocorreu um dia após o Supremo Tribunal Federal ter decidido, por 6 votos a 5, que um condenado só pode ser preso após o trânsito em julgado (o fim dos recursos).

A pena de Lula foi definida pelo Superior Tribunal de Justiça em 8 anos, 10 meses e 20 dias. O petista foi condenado sob a acusação de aceitar a propriedade de um tríplex, em Guarujá, como propina paga pela OAS em troca de três contratos com a Petrobras, o que ele sempre negou.

O caso ainda tem recursos finais pendentes nessa instância antes de ser remetido para o STF. 

O Supremo, porém, pode anular todo o processo sob argumento de que o juiz responsável pela condenação, Sergio Moro, não tinha a imparcialidade necessária para julgar o petista naquela situação.

Não há data marcada para que esse pedido seja analisado.

Com AFP

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.