Descrição de chapéu Venezuela

Maduro anuncia nova edição do Foro de São Paulo, mas com presença esvaziada

Sem Lula e outros líderes, encontro agora enfrenta concorrência do Grupo de Puebla

Buenos Aires

O ditador venezuelano Nicolás Maduro anunciou na noite desta terça-feira (7) que seu país vai receber no final do mês um novo encontro do Foro de São Paulo, grupo que reúne partidos, governos e movimentos de esquerda da América Latina.

"A ideia é organizar a agenda para este ano de 2020", disse Maduro em um estádio de beisebol em La Guaira, ao norte de Caracas.

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, durante evento em Caracas nesta quarta (8)
O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, durante evento em Caracas nesta quarta (8) - Zurimar Campos - 8.jan.20/Presidência da Venezuela/AFP

O anúncio foi feito horas depois de deputados chavistas e opositores entrarem em confronto na sede da Assembleia Nacional —cada lado elegeu um presidente diferente para o comando da Casa e não reconhece o escolhido pelo adversário.  

A reunião do Foro, que deve acontecer em Caracas entre 22 e 24 de janeiro, pode ficar esvaziada, já que até o momento poucos líderes confirmaram presença.

Maduro não especificou ainda quem exatamente fará parte da lista de convidados, mas um comunicado de seu partido, o PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela), mencionou alguns nomes.

Entre eles, estão o dirigente do regime ditatorial de Cuba, Miguel Díaz-Canel, e dois líderes dissidentes das antigas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), Iván Márquez e Jesus Santrich —a dupla rompeu com o comando do grupo em agosto e anunciou a retomada da luta armada. 

A presença do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, chegou a ser especulada, mas fontes próximas a ele afirmaram que ele não vai. 

O Foro de São Paulo foi fundado em 1990 e reforçado pelo então líder opositor —e posteriormente presidente venezuelano— Hugo Chávez, em 1998, quando ele passou a ganhar projeção internacional.

Na década seguinte o grupo ganhou força com a chegada de diversos representantes da esquerda ao poder na América Latina. 

Além de Lula e Chávez, também participaram de reuniões do Foro nesse período o boliviano Evo Morales, o equatoriano Rafael Correa, o paraguaio Fernando Lugo, a chilena Michele Bachelet e o uruguaio José "Pepe" Mujica, além do ditador da Nicarágua, Daniel Ortega. 

Exceção ao nicaraguense, todos os outros já deixaram o poder. Com isso, os últimos encontros do Foro  ficaram esvaziados.

O mais recente, que aconteceu em junho também em Caracas, quase não contou com a presença de chefes de Estado, e o espaço acabou preenchido por organizações e partidos de esquerda da região. 

Por outro lado, vem ganhando força o Grupo de Puebla, chefiado pelo chileno Marco-Enríquez Ominami e pelo colombiano Ernesto Samper, também voltado para discutir os rumos da esquerda na região.

A primeira reunião deles, que contou com a presença dos petistas Dilma Rousseff e Aloizio Mercadante, ocorreu em Buenos Aires, no final de 2019 —o próximo encontro deve ser em Santiago.

Mas quem ganhou protagonismo no grupo foi o então recém-eleito presidente da Argentina, Alberto Fernández, que em seu discurso deixou clara sua ambição de liderar uma esquerda moderada na região.

 

Colaborou Catia Seabra

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.