Descrição de chapéu Venezuela

Regime de Maduro diz ter matado 8 mercenários que vinham de barco para fomentar golpe

Para oposição, incidente está mal explicado e é tentativa de desviar a atenção

Caracas | AFP e Reuters

O regime de Nicolás Maduro disse que interceptou uma incursão marítima de "terroristas mercenários" que tentavam entrar no país a bordo de lanchas, vindos da Colômbia.

A oposição considerou o caso uma encenação, para desviar o foco de outros problemas.

Segundo o governo, um grupo chegou na manhã de domingo (2) à costa de La Guaira, a 32 km de Caracas.

Militares em Macuto, na costa da Venezuela, onde mercenários teriam sido mortos - Manaure Quintero/Reuters

"Eles tentaram fazer uma invasão pelo mar. Era um grupo de mercenários terroristas da Colômbia, com a intenção de cometer atos terroristas no país e matar líderes do governo revolucionário", disse Nestor Reverol, ministro do Interior, em um discurso na TV.

Segundo ele, essas ações seriam uma forma de ampliar a violência, gerar caos e, assim, criar condições para um golpe de Estado.

O governo disse que oito pessoas foram mortas na operação, e duas, presas. Afirmou também que uma das lanchas afundou, e que barcos militares fazem buscas por sobreviventes na costa.

Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Constituinte, governista, disse que um dos mortos é Roberto Colina, apelidado de Pantera e ligado ao general da reserva Cliver Alcalá Cordones.

O militar é acusado pelos EUA de narcoterrorismo. Cordones rompeu com Maduro em 2013 e depois passou a apoiar o líder opositor Juan Guaidó.

O regime Maduro acusou Cordones de tentar introduzir no país um arsenal de armas apreendido na Colômbia em março, com a suposta participação de Guaidó, que negou as acusações.

Em um comunicado, Guaidó disse que o relato do suposto incidente deste domingo tem contradições e inconsistências e que se trata de uma tentativa de desviar a atenção da rebelião ocorrida em um presídio na sexta (1º), que deixou ao menos 47 mortes, e de uma briga de gangues em Caracas no sábado (2).

O governo colombiano disse que as acusações de envolvimento do país são infundadas e classificou o caso como uma ação para tirar o foco de problemas reais.

Maduro frequentemente acusa seus adversários de tentar derrubá-lo do poder com o apoio dos EUA. A oposição diz que são acusações sem fundamento, inventadas para justificar a prisão de opositores.

Os Estados Unidos, o Brasil e dezenas de outros países consideram a reeleição de Maduro em 2018 ilegítima e não o reconhecem como líder da Venezuela.

No entanto, Maduro segue no comando, com apoio das Forças Armadas e de países como China e Rússia. O país enfrenta uma grave crise econômica e social, que levou milhões de pessoas a deixar o país.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.