Atentado no Afeganistão mostra que Estado Islâmico e Al Qaeda ainda conseguem semear caos

Especialistas temem que governo do Talibã transforme país em terreno fértil para terroristas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ben Hubbard, Eric Schmitt e Matthew Rosenberg
Doha (Qatar) | The New York Times

O pesadelo que não deixava especialistas em contraterrorismo dormir à noite, antes mesmo do retorno do Talibã ao poder, era que o Afeganistão se tornasse terreno fértil para grupos terroristas, especialmente a Al Qaeda e o grupo Estado Islâmico (EI).

Duas explosões reivindicadas pelo ramo afegão do Estado Islâmico que fizeram dezenas de mortos em Cabul na quinta-feira (26), incluindo militares americanos, intensificaram o receio de que esse pesadelo esteja rapidamente virando realidade.

A person wounded in a bomb blast outside the Kabul airport in Afghanistan on Thursday, Aug. 26, 2021, arrives at a hospital in Kabul. The Pentagon confirmed at least two blasts outside the Kabul airport and said there were a number of casualties, after Western governments warned of a security threat there. (Victor J. Blue/The New York Times)
Homem ferido é resgatado após atentado no aeroporto de Cabul, no Afeganistão, que deixou mais de 100 mortos - Victor J. Blue/The New York Times

“Nem tenho como dizer o quanto isto é assustador e deprimente”, disse Saad Mohseni, proprietário do Tolo, um dos canais de TV mais populares do Afeganistão. “A impressão é a de que esse pessoal voltou à sua atividade normal –mais explosões, mais ataques–, só que agora teremos que enfrentar tudo isso sob um regime do Talibã.”

Vinte anos de ação militar dos Estados Unidos e de seus parceiros internacionais para tentar erradicar o terrorismo impuseram grandes perdas à Al Qaeda e ao EI, matando muitos de seus combatentes e líderes e, em grande medida, impedindo-os de controlar território.

Mas, segundo especialistas em terrorismo, os dois grupos mostraram ser capazes de se adaptar, convertendo-se em organizações mais difusas que continuamente buscam novos pontos de conflito locais onde possam fincar raízes e colocar seu extremismo violento em ação.

As explosões suicidas duplas lançadas perto do aeroporto de Cabul na quinta-feira destacam o poder devastador que esses grupos ainda possuem de provocar mortes em massa, não obstante o esforço americano. E levantam perguntas angustiantes sobre se o Talibã será capaz de cumprir a promessa principal que fez quando, no início de 2020, a administração Trump se comprometeu a retirar as forças americanas do Afeganistão: que o país deixaria de funcionar como plataforma de lançamento de ataques contra os EUA e seus aliados.

A tomada relâmpago do país pelo grupo não infunde nenhuma confiança na ideia de que todos os militantes do Afeganistão estejam sob o controle do Talibã. Pelo contrário, a filial do EI no Afeganistão –conhecida como Estado Islâmico Khorasan, ou EI-K— é uma rival amarga, embora muito menor, que já desferiu dezenas de ataques neste ano no Afeganistão contra civis, autoridades e o próprio Talibã.

Um relatório das Nações Unidas concluiu em junho que nos meses que antecederam a retirada das forças americanas, algo como 8.000 a 10 mil combatentes jihadistas da Ásia Central, da região do norte do Cáucaso, na Rússia, do Paquistão e da região de Xinjiang, no oeste da China, foram ao Afeganistão. A maioria está ligada ao Talibã ou à Al Qaeda, que são estreitamente vinculados.

Mas outros desses combatentes estão ligados ao EI-K, representando um desafio enorme à estabilidade e à segurança que o Talibã promete garantir para o país.

Ao mesmo tempo em que especialistas em terrorismo duvidam que combatentes do EI no Afeganistão tenham a capacidade de prepararar ataques em grande escala contra o Ocidente, muitos dizem que o Estado Islâmico hoje é mais perigoso que a Al Qaeda em mais pontos do mundo.

“Está claro que o Estado Islâmico é o perigo maior no Iraque e na Síria, na Ásia e na África”, observou Hassan Abu Hanieh, especialista em movimentos islâmicos junto ao Politics and Society Institute, em Amã, na Jordânia. “É evidente que o EI está mais amplamente distribuído e que é mais atraente para as novas gerações.”

Na quarta-feira (25), autoridades americanas haviam avisado sobre ameaças específicas vindas do grupo, incluindo o risco de ele enviar homens-bomba para se infiltrar na multidão aglomerada em volta do aeroporto internacional Hamid Karzai, em Cabul.

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

Esse perigo parece ter sido um dos fatores que influíram na decisão do presidente Joe Biden de manter seu prazo final de 31 de agosto para completar a retirada de todas as forças americanas do país.

“Cada dia que permanecemos em campo é mais um dia que sabemos que o EI-K está procurando mirar contra o aeroporto, atacar forças americanas e aliadas e civis inocentes”, disse Biden na quarta-feira.

Criado seis anos atrás por combatentes paquistaneses do Talibã insatisfeitos, neste ano o Estado Islâmico Khorasan intensificou tremendamente o ritmo de seus ataques, segundo o relatório da ONU.

As fileiras do grupo diminuíram para algo entre 1.500 e 2.000 combatentes, cerca de metade do que possuía em seu pico, em 2016, antes de ataques aéreos dos EUA e de comandos afegãos terem dizimado muitos de seus líderes.

Mas desde junho de 2020 o grupo é liderado por um comandante novo e ambicioso, Shahab al Muhajir, que vem tentando recrutar talibãs insatisfeitos e outros militantes. O EI-K “continua ativo e perigoso”, segundo o relatório da ONU.

O Estado Islâmico no Afeganistão tem sido sobretudo antagônico ao Talibã. Em alguns momentos, os dois grupos disputaram terreno, especialmente no leste do Afeganistão, e recentemente o EI criticou a tomada do Afeganistão pelo Talibã. Alguns analistas dizem que combatentes de redes do Talibã chegaram a desertar para ingressar no EI no Afeganistão, acrescentando combatentes mais experientes às fileiras do EI-K.

A história do EI revela como pode ser difícil fechar ou conter redes terroristas. O grupo surgiu como ramo da Al Qaeda após a invasão americana do Iraque em 2003, mas mais tarde se separou da Al Qaeda, criando um chamado califado, ou regime teocrático islâmico, em grandes partes do Iraque e Síria, que em seu auge dominou uma superfície comparável à do Reino Unido.

A visão extremista de expansão global do EI, seu uso extenso de redes sociais e de violência de caráter cinematográfico, atraíram combatentes de todo o mundo, inspirando ataques letais em cidades árabes, europeias e americanas e levando os EUA a formarem uma coalizão internacional para combatê-lo.

Enquanto os EUA e seus aliados bombardeavam os principais territórios do grupo, o EI formou “filiais” em outros países. Muitas dessas filiais —incluindo na África ocidental e central, no Sinai e no sul da Ásia— permanecem ativas depois de o EI ter perdido seu último pedaço de território na Síria, em março de 2019.

Também a Al Qaeda mudou muito desde o tempo em que Osama bin Laden comandava a organização e difundia suas ideias por meio de declarações filmadas em vídeo e entregues a estações de televisão.

Também ela criou filiais, no Iêmen, no Iraque, na Síria e em partes da África e da Ásia, algumas das quais modificaram ou até descartaram a ideologia do grupo em favor de seus objetivos locais. O líder atual do grupo, Ayman al Zawahri, está velho. Acredita-se que esteja adoentado e que viva em algum lugar do Afeganistão, não tendo conseguido igualar-se à estatura de Bin Laden entre os radicais islâmicos.

De modo geral, a Al Qaeda não conservou o mesmo controle operacional que o Estado Islâmico sobre suas filiais, fato que pode ter conferido uma vantagem ao EI, segundo Hassan Hassan, co-autor de um livro sobre o Estado Islâmico e editor chefe da Newlines Magazine.

Para a Al Qaeda, disse ele, “é como abrir uma franquia da [pizzaria] Domino’s e enviar alguém para lá para fazer controle de qualidade”. Já o Estado Islâmico “levaria isso um passo além e nomearia um gerente saído da organização original”.

O Estado Islâmico aterrorizou países em todo o mundo com o seu chamado por ataques ditos de lobos solitários, em que um jihadista, sem receber ordens dos comandantes do grupo, gravava um vídeo jurando fidelidade ao líder do EI e cometia atrocidades. O grupo central então divulgava os ataques e declarava seu apoio.

Os dois grupos continuam a ser adversários ferrenhos, competindo por recrutas e financiamento. Já se combateram diretamente no Afeganistão, na Síria e em outros países.

O Afeganistão agora poderá tornar-se seu campo de batalha principal, na medida em que os Estados Unidos retiram suas tropas e o Talibã estende seu controle.

Em um acordo selado com a administração Trump no ano passado, o Talibã comprometeu-se a não deixar a Al Qaeda usar o território afegão para atacar os Estados Unidos. Mas até que ponto o Talibã vai honrar essa promessa, ou se ele sequer será capaz de fazê-lo, são perguntas que permanecem em aberto.

O Estado Islâmico não precisa se ater a tais restrições, fato que pode deixá-lo mais bem posicionado para explorar o caos que cerca o prazo final de 31 de agosto para a retirada das tropas americanas e a transição de um governo apoiado pelos EUA para um governo do Talibã. Para Hassan, “a troca da guarda de uma força de segurança para outra oferece uma oportunidade natural para o Estado Islâmico”.

Tradução de Clara Allain

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.