Descrição de chapéu União Europeia Europa

Europa volta a registrar protestos contra restrições em meio a alta da Covid

Milhares de manifestantes foram às ruas em cidades na Holanda, na Áustria e na Alemanha

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Utrecht (Holanda), Viena e Berlim | Reuters

Dezenas de milhares de manifestantes foram às ruas novamente em várias cidades do noroeste da Europa neste sábado (4) para protestar contra restrições impostas para tentar conter a alta de casos de Covid-19. Holanda, Áustria e Alemanha, três países que adotaram medidas mais rigorosas contra a pandemia recentemente, além da Espanha, registraram protestos.

Em Viena, mais de 40 mil manifestantes marcharam, levando cartazes com dizeres como: "Eu decidirei por mim mesmo" e "Torne a Áustria Grande Novamente" —referência a um lema do ex-presidente americano Donald Trump.

Cerca de 1.200 agentes foram mobilizados para acompanhar os atos. A polícia disse que lembraria aos manifestantes de usar máscaras.

Polícia entra em confronto com manifestantes em Viena durante ato contra o lockdown
Polícia entra em confronto com manifestantes em Viena durante ato contra o lockdown - Florian Wieser/APA/AFP

O governo austríaco impôs um lockdown para não vacinados no último dia 22 de novembro e afirmou que tornará a imunização contra a Covid obrigatória a partir de fevereiro.

A Áustria, um país de 8,9 milhões de habitantes, registrou quase 1,2 milhão de casos de coronavírus e mais de 12 mil mortes desde o início da pandemia, no ano passado. O número de novos diagnósticos vem caindo desde o início do lockdown —que abre exceções para protestos.

Na Holanda, na cidade de Utrecht, milhares de manifestantes caminharam carregando faixas com a frase "Liberdade Médica Agora!" e agitando bandeiras do país. Havia forte presença da polícia.

Eles reclamavam do que consideram uma pressão crescente do governo holandês para serem vacinados se quiserem participar da sociedade.

É a primeira grande manifestação na Holanda contra as medidas, que começaram a valer em 13 de novembro e incluem o fechamento noturno de bares, restaurantes e da maioria das lojas.

Há duas semanas, houve protestos violentos depois que o governo anunciou planos para banir a maioria dos não imunizados de bares, restaurantes e outros locais públicos. Esses planos enfrentam ampla oposição no Parlamento, inclusive de partidos da coalizão governista, e ainda não foram implementados.

A alta nas infecções começou com o relaxamento das restrições, no fim de setembro, e pressionou hospitais de toda a Holanda, obrigados a reduzir o atendimento a pacientes com outras doenças para tratar quem está com Covid-19.

As regras mais rígidas começaram a valer no dia 13 de novembro. Bares e supermercados têm que fechar as portas às 20h, e lojas não essenciais, às 18h.

Na capital financeira alemã, Frankfurt, a polícia interrompeu uma manifestação de várias centenas de pessoas por não usarem máscaras nem manterem distanciamento social. Os agentes usaram cassetetes e spray de pimenta para dispersar os atos.

Em Berlim, onde um novo governo deve assumir o cargo em poucos dias, pequenos grupos se reuniram para protestar depois que uma grande manifestação única foi proibida.

Políticos alemães condenaram amplamente um protesto de oponentes das restrições ao coronavírus que ocorreu na noite de sexta-feira em frente à casa de Petra Koepping, ministra da Saúde do estado da Saxônia, que atualmente tem a maior taxa de infecção da Alemanha.

Angela Merkel, primeira-ministra alemã que está para deixar o cargo, implantou um lockdown parcial para cidadãos não vacinados na última semana.

Aqueles que não receberam as doses do imunizante serão impedidos de acessar quase todos os estabelecimentos, exceto supermercados e farmácias, locais considerados essenciais, informou Merkel. Testes adicionais também serão ofertados a cidadãos já imunizados.

Neste sábado, a primeira-ministra divulgou o que pode ser sua última mensagem no cargo aos alemães. A fala reforçou a gravidade da situação da pandemia no país e o pedido para as pessoas tomarem as injeções.

"Estamos em uma situação muito séria, que em algumas partes do país só pode ser descrita como dramática, com UTIs lotadas e pessoas tendo que ser levadas a outras partes da Alemanha para conseguirem o tratamento necessário", disse Merkel. "Por isso apelo urgentemente: leve o vírus a sério. Vacine-se. Não importa se é a primeira dose ou a de reforço, cada dose ajuda."

Moradores de Barcelona protestam contra a exigência de passe sanitário na Catalunha, que entrou em vigor nesta sexta (3)
Moradores de Barcelona protestam contra a exigência de passe sanitário na Catalunha, que entrou em vigor nesta sexta (3) - Nacho Doce/Reuters

Já na Espanha, moradores de Barcelona foram às ruas neste sábado após a reimposição do passe sanitário para frequentar bares, restaurantes, academias e asilos na Catalunha.

A exigência havia sido implementada na semana passada, segundo o jornal 20 Minutos, mas foi suspensa após dificuldades de adoção por parte dos estabelecimentos.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.