Descrição de chapéu família real britânica

Príncipe Charles substituirá rainha Elizabeth em evento no Parlamento

Chefe da coroa britânica tem problemas de mobilidade, informa palácio; é 1ª vez em 59 anos que ela se ausenta

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Londres | Reuters

O Palácio de Buckingham anunciou que a rainha Elizabeth 2ª não vai comparecer à abertura dos trabalhos do Parlamento britânico nesta terça (10), porque tem apresentado problemas de mobilidade. De acordo com a monarquia, o príncipe Charles, primeiro na linha de sucessão, vai cumprir a agenda.

A rainha, de 96 anos, tem cancelado compromissos e feito poucas aparições públicas desde que passou uma noite hospitalizada, em outubro, por motivos ainda não totalmente esclarecidos —à época, a monarquia falou na realização de exames. Muitas reuniões desde então foram feitas do Castelo de Windsor, mas de forma virtual.

A rainha Elizabeth ao lado do filho, o príncipe Charles, em evento no Parlamento em 2019 - Leon Neal - 19.dez.19/Pool/AFP

"A rainha continua a apresentar problemas episódicos de mobilidade, e após consultar seus médicos ela relutantemente decidiu que não vai comparecer à abertura dos trabalhos do Parlamento", disse o comunicado oficial. "A pedido de Sua Majestade, e com a anuência das autoridades, o príncipe de Gales [Charles] vai ler o discurso da rainha em seu nome, e o duque de Cambridge [príncipe William] também estará presente."

Em seu reinado, esta será apenas a terceira vez em que Elizabeth deixa de participar desse evento. Nas outras duas, em 1959 e 1963, ela se ausentou porque estava grávida. Charles já acompanhou a mãe antes no Parlamento, mas William foi convocado agora pela primeira vez.

O Palácio de Buckingham não deu mais detalhes sobre as condições de saúde de Elizabeth. De acordo com fontes da agência de notícias Reuters, a decisão de não ir ao Parlamento foi tomada nesta segunda (9).

O estado de Elizabeth, que completa 70 anos de reinado em 2022, tem despertado mais preocupação desde a noite que ela passou no hospital oito meses atrás —sua primeira internação desde 2013. Na época, a rainha foi orientada a cancelar a participação em atos públicos para repousar. Mesmo assim, foi vista dirigindo sozinha em torno de sua propriedade, no Castelo de Windsor, contrariando a recomendação médica de repouso forçado durante duas semanas.

Elizabeth 2ª retomou a agenda de compromissos públicos mais de três meses depois, no dia 5 de fevereiro, véspera de seu Jubileu de Platina, quando conheceu trabalhadores de caridade na Sandringham House e cortou um bolo comemorativo.

No final daquele mesmo mês de fevereiro, o diagnóstico de Covid-19 voltou a suspender a agenda da rainha por cerca de dez dias. Segundo o Palácio de Buckingham, Elizabeth apresentou apenas sintomas leves da doença. No anúncio do diagnóstico, a previsão era de que a chefe da coroa mantivesse compromissos leves, mas foi preciso adiá-los conforme os sintomas persistiam.

Dez dias antes do anúncio sobre a rainha, o príncipe Charles, 73, havia recebido o diagnóstico de Covid-19 pela segunda vez. Sua mulher, Camilla Parker-Bowles, 74, também contraiu o vírus, segundo anúncio feito pela Clarence House, residência oficial do príncipe, alguns dias depois. Charles esteve com a mãe dois dias antes de saber da reinfecção.

Em junho, para celebrar os 70 anos de Elizabeth 2ª no trono, estão previstos quatro dias de comemorações nacionais. O Palácio de Buckingham anunciou na semana passada que a rainha pretende comparecer à maior parte dos eventos, mas que a presença só será confirmada no próprio dia.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.