Descrição de chapéu
Paulo Ghiraldelli Jr.

O grande ataque do bolsovírus

Caos da pandemia ajuda o presidente a deteriorar os poderes republicanos

O responsável pelos heróis da Marvel, Stan Lee, faleceu em 2018. Caso estivesse vivo, então poderíamos ter o melhor relato da pandemia atual no Brasil. Minha avó dizia que psicografava, e se eu tivesse aprendido o ofício poderia receber a mensagem de Stan Lee a respeito do que estamos vivendo.

A mensagem diria que Wuhan, na China, recebeu um alienígena de um paraíso capitalista de um planeta distante. Seu ímpeto de consumir energias era como o de Galactus, o senhor do Surfista Prateado, e que se parece bem com o modo de agir da vontade de potência de Nietzsche. Por onde passou, deixou um rastro de morte. Mas, uma vez no Brasil, encontrou alguém estruturalmente semelhante.

O presidente Jair Bolsonaro se atrapalha para colocar máscara cirúrgica durante coletiva de imprensa, em março
O presidente Jair Bolsonaro se atrapalha para colocar máscara cirúrgica durante coletiva de imprensa, em março - Adriano Machado/Reuters

Um vírus nem é um ser vivo, pois não tem DNA. Tem só RNA. Em geral, precisa de uma bactéria para se reproduzir. Uma vez aqui, viu no presidente da República uma estrutura corporal e mental com afinidades para os seus propósitos. A Covid-19 e Jair Bolsonaro se fundiram.

O presidente mostrava o desejo de favorecer a "vida da nação" por meio da "imunidade de rebanho". O filósofo italiano Roberto Esposito mostrou como que Adolf Hitler, também com o propósito de favorecer a vida da nação e imunizá-la dos males, produziu a morte das minorias de todo o tipo.

Apesar de ser uma hipótese errada em relação à Covid-19, o presidente levou adiante o seu plano de "imunidade de rebanho". Trouxe para o trabalho —e, portanto, para o contágio— os mais pobres. Usou para isso três forças: a da mentira, a da milícia e a da ratoeira de R$ 600 (que ele queria que fossem só R$ 200). O presidente conseguiu exatamente que o vírus fizesse do Brasil um grande cemitério. Na verdade, assim agiu por conta de ter se tornado, ele próprio, um agente virótico.

No momento em que escrevo, tudo isso ainda está ocorrendo. Bolsonaro e o vírus se tornaram um só. O vírus cumpre seu destino de ceifar vidas, Bolsonaro executa seu objetivo de tornar o Brasil uma sociedade relativamente em anomia.

Até aí, Stan Lee; daqui para frente, eu mesmo ponho minhas cartas.

Bolsonaro não quer uma ditadura. Não está afrontando diretamente a democracia, mas sim a República. Para ele, o caos da pandemia o ajuda a deteriorar os poderes republicanos de modo a fazer gerar uma democracia com leis esgarçadas. Nessa situação, todos os lugares seriam como aqueles de moradia de seus eleitores originais. Como funcionam esses lugares? Ora, são regidos na base por dois comandos e uma capa. O primeiro comando vem das milícias, e o segundo das igrejas caça-níquel. A capa é a do capitalismo financeiro. O que Bolsonaro quer é que todo o Brasil seja ou o faroeste americano ou a Colômbia de Pablo Escobar ou os morros do Rio de Janeiro. O que o atrapalha é a Constituição de 1988, e a parte da esquerda que a protege.

Para se chegar a essa sua distopia, Bolsonaro tinha Guedes e seu neoliberalismo. Agora, ele encontrou algo melhor. Aproveita-se do caos da pandemia. Bolsonaro vai moldando todos que coloca no governo segundo os objetivos do anarcocapitalismo do desescolarizado Olavo de Carvalho. A ação é uma só, uma vez que o agente, o bolsovírus, é um só.

Assim, para sairmos da pandemia, não basta só o imperativo do isolamento. O modo de parar esse agente não é pela medicina, mas pela política. É necessário o impeachment. Fora isso, temo que não teremos mais o Brasil.​

Paulo Ghiraldelli Jr.

Filósofo e autor, entre outros livros, de 'A República Brasileira: de Deodoro a Bolsonaro' (Cefa Editorial)

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.