Descrição de chapéu
Marcos Matias

Uma data que precisa de um lugar ao sol

Dia da Sobrecarga da Terra é alerta para um mundo mais sustentável

Marcos Matias

Presidente da Schneider Electric Brasil, líder global na transformação digital em gestão da energia elétrica e automação

Como você consome água? Trata o solo? Cuida dos animais? Qual é sua pegada de carbono? Já parou para pensar nisso? A discussão é mais profunda: será que, ao longo de um ano, o planeta tem mesmo capacidade de regenerar os recursos naturais que nós —eu e você—consumimos?

A resposta é “não”. Precisaríamos de 1,6 Terra, e não temos. O "Earth Overshoot Day", Dia da Sobrecarga da Terra, marca a data quando a humanidade utiliza, em um ano, mais da natureza do que o planeta é capaz de renovar no decorrer desse período. E dessa data surgiu o movimento #MoveTheDate, enfatizando a necessidade e a urgência de darmos mais tempo ao nosso planeta para ele se recompor.

Em 2020, a Covid-19 deu esse tempo —três semanas, mais precisamente. O vírus que colocou o mundo de ponta-cabeça e impôs o distanciamento social ajudou a Terra a respirar melhor. Ainda assim, a estrada é longa e o caminho, bem tortuoso. No próximo sábado (22) já teremos consumido água, utilizado nossas florestas e emitido dióxido de carbono na atmosfera mais do que nosso ecossistema pode suportar em um ano inteiro.

No plano ideal, teríamos que mover essa data para não antes que 31 de dezembro (a última vez que o planeta teve seus recursos disponíveis para um ano inteiro foi em meados de 1970). Não há indícios de que isso seja possível agora; porém, pesquisadores do Global Footprint Network estimam que, com as tecnologias existentes para prédios, processos industriais e produção de eletricidade, daria, sim, para empurrar essa data para, no mínimo, 21 dias à frente, sem nenhuma perda em produtividade ou conforto.

Fato é que a verdadeira sustentabilidade, aquela que permite a todos prosperar na Terra, só pode ser atingida se fizermos uma escolha. Temos que acelerar de maneira coletiva a luta contra a mudança climática, pois vemos claramente que a dinâmica atual do mercado não tem sido suficiente.

A resposta à Covid-19 pelos quatro cantos do mundo nos mostrou o quanto nossos sistemas, que já são interconectados, ainda têm potencial para crescer em conexão e como nós podemos ampliar o uso que fazemos deles. Reduzir a pegada ecológica da humanidade enquanto se melhora o bem-estar das pessoas é o caminho mais inteligente para países, cidades e empresas. Para qualquer organização, a principal questão para a estratégia do negócio deveria ser: nossas ofertas apoiam o sucesso da humanidade no longo prazo? Essa é a abordagem que melhor assegura a criação de valor compartilhado por todos —consumidores, fornecedores, investidores e sociedade como um todo.

Acredito na colaboração e na inovação entre consumidores, investidores, iniciativa privada, poder público e sociedade civil em prol da mudança climática. O mundo precisa ser proativo. Temos que agir agora. A sustentabilidade deve ser parte integrante de tudo que fazemos, cada decisão que tomamos, cada ação que lideramos. Ela deve ir além da vaga esperança por um planeta mais limpo. O Dia da Sobrecarga da Terra, que chega mais de quatro meses antes do prazo correto, nos impele a agir com senso de urgência, impulsionando as tecnologias existentes e impactando positivamente o clima.

As empresas que se prepararem para uma economia compatível com um planeta com tempo de se regenerar estarão melhores e em posição ideal para fazer negócios e manter a vantagem competitiva. Inovações na gestão da energia elétrica podem conduzir à descarbonização e à resiliência, principalmente no setor elétrico. Mudar a conversa ao redor da sustentabilidade corporativa de nobre para necessária propicia a onda em direção à prosperidade do nosso planeta.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.