Descrição de chapéu
Jô Soares

Carta aberta com pólvora ao IlustríSSimo presidente

Odebrecht poderia construir os abrigos antiaéreos

Jô Soares

Humorista, escritor e influenciador analógico

ExcelentíSSimo!

Finalmente entendi o porquê da biografia do Churchill na sua mesa no dia da posse: em segredo, VoSSa Redundância já se preparava para uma guerra contra inimigos mais fortes.

Que coragem! Uma guerra contra os Estados Unidos e seus aliados! Perto disso, “aquilo roxo”, de um nosso ex-presidente, vira ervilha!

Tem que botar pólvora na diplomacia. O problema de reforçar nossa defesa com a compra de armas só vai obrigá-lo a enfrentar um dilema —ou, como diria VoSSa SSabedoria, um trilema. Ou seja, VoSSa Iluminância afirma que não vai comprar vacina chinesa porque é uma vacina comunista. E para comprar armas? Podemos. É até melhor, porque arma comunista mata mais.

0
O humorista e escritor Jô Soares em seu apartamento, no bairro de Higienópolis, em São Paulo - Bruno Santos - 27.mar.19/Folhapress

Não sei se o VoSSa sabia: foram os chineses que também inventaram a pólvora. E o macarrão. O macarrão é vermelho! Cada vez que VoSSa participa de uma macarronada no domingo, está participando de uma reunião do Partido.

Vamos tratar agora de um problema mais importante a ser resolvido antes mesmo do início do confronto: a construção de abrigos antiaéreos. Alguém já deve tê-lo informado que os Estados Unidos são uma nação nuclear. Urge espalhar por todo território nacional abrigos antiaéreos. Na área da construção estamos bem servidos: basta formar um pool liderado pela Odebrecht.

Enfim, presidente: se ainda der tempo, vamos recuar nesse confronto. Porém, de maneira sutil: nem tão devagar que pareça covardia nem tão depressa que pareça provocação.

Continue fazendo humor e não a guerra.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.