Descrição de chapéu

Esquerda derrotada

Apesar de novidades como Boulos, centro e direita não bolsonarista prevaleceram

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Jilmar Tatto em ato de campanha com movimentos de luta por moradia
Jilmar Tatto, candidato derrotado do PT à prefeitura paulistana, durante a campanha - Divulgação

O PT perdeu menos prefeituras que o PSDB e quase tantas quanto o MDB, em termos proporcionais. Entretanto o encolhimento petista se mostra o mais notável entre os partidos tradicionais, e não apenas em razão dos números.

A fria estatística, de todo modo, evidencia um desempenho muito fraco para uma legenda que desde 1989 disputa os segundos turnos das disputas presidenciais.

O PT não elegeu prefeito nas capitais, fato inédito desde 1985. Tanto em quantidade de municípios quanto em população governada, a sigla ocupa agora o vexatório 11º lugar no ranking nacional.

Em termos simbólicos, o desempenho não foi melhor. Em São Paulo, onde costumava ocupar posição central, ficou muito longe do segundo turno. Sua candidata de maior relevo, Marília Arraes, no Recife, sempre foi tratada como corpo estranho no petismo.

Na falta de novidades no partido dominado pela figura centralizadora de Luiz Inácio Lula da Silva, o eleitorado propenso a votar na esquerda parece ter decidido renovar por conta própria as lideranças nesse campo político.

Apesar da força de novos nomes como Guilherme Boulos (PSOL), de Manuela D’Ávila (PC do B), e da vitória de Edmilson Rodrigues (PSOL) em Belém, a esquerda em geral foi derrotada. De menos desfavorável, o PDT de Ciro Gomes perdeu poucas prefeituras e conquistou duas capitais, Aracaju e Fortaleza.

Quanto ao mais, os partidos que cresceram foram os do centrão, PSD e PP em especial, e o DEM. Apesar do declínio, o PSDB manteve força considerável.

Embora o centrão ora esteja em boa parte aliado a Jair Bolsonaro, o presidente também foi derrotado. Candidatos em cidades importantes fugiam da associação com a pauta ideológica bolsonarista. Tampouco houve vitória relevante de outsiders e populistas.

Isso não quer dizer, necessariamente, que a antipolítica esteja morta, menos ainda a esquerda ou o presidente. Trata-se de uma eleição municipal, com questões específicas e locais, disputada no momento peculiar da pandemia.

Notaram-se, entretanto, sinais de que a população parece cansado da estridência que emergiu em 2018 com Bolsonaro e nomes como Wilson Witzel, eleito governador do Rio —e farto de seus fracassos ou escândalos administrativos.

Por vezes de modo significativo, parte considerável dos votantes pareceu buscar alternativas, mesmo na esquerda derrotada. Ainda assim, na dúvida e na falta de maiores novidades, o eleitor na média preferiu ser conservador.

editoriais@grupofolha.com.br

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.